Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

03
Mar16

Discursos (emigrantes) Sobre a Cidade

800-(34358)-sandra

 

Uma vida simples

 

O Homem é o único animal que come sem ter fome, bebe sem ter sede e fala sem ter nada que dizer”. Mark Twain

 

Indiferença. Ao que nos rodeia, ao natural, à simplicidade, ao respeito pelo ser vivo. Insensibilidade. Aos nossos semelhantes, às nossas intuições, aos apelos que cada um sente dentro de si, ao amor universal, pelo próximo e pelo semelhante. Até quando seremos o único ser vivo a destruir os próprios recursos naturais, a matar a própria espécie (sem ser por instinto de sobrevivência), e no fundo, a auto-destruir-se?

 

Esta não é uma questão de hoje, mas hoje (e cada dia até que o planeta recupere o seu equilíbrio) é preciso falar sobre ela. Porque a indiferença e a insensibilidade seguem. Porque todos se importam com o seu futuro material e conforto pessoal (e dos filhos), mas poucos se preocupam realmente em reconhecer que sem planeta sustentável, não haverá futuro para ninguém, nem material, nem humano (e não faltam assim tantos anos). Porque ainda não reina a consciência de que o primeiro elemento do meio ambiente é a harmonia, logo, a felicidade humana.

 

E porque esta questão não incomoda a maioria das pessoas ao ponto de as levar a acreditar, a exigir e a lutar por uma mudança? O que comeremos daqui a 50 anos? Betão, alcatrão, smartphones? Que ar respiraremos e que água beberemos daqui a 50 anos? Porque esta questão não incomoda a maioria das pessoas ao ponto de as levar a optar conscientemente por hábitos mais naturais no seu quotidiano?

 

O impossível é sempre aquilo que não se tentou e felizmente, cada vez mais, muitos tentam. Dedicando um pouco de tempo a buscar informação sobre o meio ambiente e a evolução consciente, em vez das notícias diárias sobre crimes, guerras, futebol e corrupção, vemos que há motivos para sorrir e ter fé. A reflexão está a crescer...

 

Uma Vida Simples - 1.jpgIlha Terceira, Açores, Janeiro 2016 - Foto de Sandra Pereira

 

Por sorte, a internet e as redes sociais não contêm apenas parvoíces. O apelo à tomada de consciência da defesa do planeta e de todos os seus habitantes já não é feito apenas por ecologistas da Greenpeace. Aparecem cada vez mais blogues, sites e páginas no Facebook a promover uma vida mais saudável, mais sustentável, mais simples, mais humana. Como, por exemplo, este belíssimo blogue de Alba Sueiro Román (http://unavidasimple.es/). Fala de como viver bem (e até melhor) com menos: dá dicas de como ter apenas a roupa essencial no armário, como usar menos plástico, reciclar mais, ser mais feliz, às vezes com exemplos de pessoas que optaram por vidas mais simples.

 

Outro belo exemplo, e um pouco mais universal, é a página “Humans of”, no Facebook. O conceito é simples: escolhe-se uma cidade no mundo e dá-se a palavra a uma pessoa desconhecida na rua. Resultado: as palavras ditas provam que todos temos uma história para contar e um pensamento positivo sobre a vida, as pessoas fotografadas mostram a diversidade, a força e a beleza do ser humano. A página tornou-se tão popular, que agora são muitas os locais onde se exprime a gente comum. Desde Nova Iorque a Jerusalém, de Barcelona a Berlim, de Bombai a Medellín. Em Portugal, é possível seguir os retratos e as histórias de “Humans of Lisboa” e “Humans of Porto”, e além-mar, mas bem familiar, “Humans of Luanda”, “Humans of Mozambique”, “Humans of Rio” ou “Humans of Macau”. Por um sorriso garantido por dia, vale a pena seguir.

 

Já na música, seguir o "Playing for Change" é uma overdose de optimismo. Trata-se de um grande projeto colaborativo que junta artistas famosos e desconhecidos cantando as músicas de sempre desde todas as partes do mundo. Quer sorrir agora mesmo? Clique aqui: https://playingforchange.com/videos/dont-worry-be-happy/

 

Por sorte, o cinema também não contém apenas parvoíces. Aparecem também trabalhos notáveis no grande ecrã, como recentemente o documentário “Humans”, de Yann Artus Bertrand, a chamar a atenção para o nosso lado mais humano. Ver este admirável trabalho é um turbilhão de emoções, é ir do riso às lágrimas, é sentir a compaixão e a admiração. São testemunhos de pessoas oriundas do mundo inteiro, testemunhos fortes, comoventes. Testemunhos de quem já matou e de quem já viu a sua dignidade humana manchada. Testemunhos de quem já foi julgado pelo preconceito e de quem luta contra ele. Testemunhos de quem já perdeu tudo o que tinha e de quem, mesmo depois de ver o pior da natureza humana, ainda ama e, sobretudo, tem fé. Para dar-nos conta (sem esquecer) que somos todos iguais e partilhamos todos os mesmos desejos, os mesmos sentimentos e o mesmo espaço – o planeta Terra – vale a pena ver e rever.

 

Uma Vida Simples 2.jpgIlha de Formentera, Espanha, Setembro 2015 - Foto de Sandra Pereira

 

Outro documentário recente de destaque é “Tomorrow”, da actriz Mélanie Laurent e do activista Cyril Dion, que percorrem o mundo para mostrar ao mundo alternativas concretas em matéria de ecologia, economia, democracia e educação, provando que é possível mudar. Mostra, por exemplo, como um horticultor de uma quinta órganica em França prescinde do uso de máquinas para não usar gasolina e mesmo assim consegue ter lucro, ou como a cidade de San Francisco recicla 100% do lixo que produz, ou mesmo um exemplo de moeda alternativa na Grã Bretanha, que permite evitar a especulação e a fuga de capitais para paraísos fiscais, e manter a riqueza no circuito local de uma cidade. Um documentário financiado por donativos de anónimos através da internet e redes sociais. Verdadeiramente inspirador e motivador, não é?

 

Por sorte, a política também não contém apenas parvoíces. Começam a aparecer políticos, com discursos que realmente não dão um pouco de esperança, como Pepe Mujica, ex-presidente do Uruguai, cuja voz se eleva e se distingue de tudo o que estamos acostumados a ver e ouvir nos ecrãs e no teatro mediático atual: “Es mejor vivir liviano de equipaje, con poco, con lo justo y poca complicación desde el punto de vista material porque si tienes mucha complicación, no te queda tiempo para las cosas que a ti te motivan”. Certíssimo. Mas para os que não ficam convencidos com este argumento, Mujica acrescenta: “Yo no estoy planteando volver a las cavernas o tener que vivir abajo techos de paja. Lo que estoy planteando es darle la espalda al mundo del despilfarro y de los gastos inútiles y de las casas inútiles que necesitan cuatro, cinco, media docena de sirvientes”. Simples.

 

Por sorte, a religião também não contém apenas parvoíces. O Papa Francisco está a reconquistar a confiança e a tolerância de crentes e não crentes, ao suavizar um pouco o discurso tradicional da Igreja Católica. “Não é preciso acreditar em Deus para ser uma boa pessoa. De certa forma, a ideia tradicional de Deus não está atualizada. Uma pessoa pode ser espiritual, mas não religioso. Não é preciso ir à Igreja e dar dinheiro. Para muitos, a Natureza pode ser uma Igreja. Algumas das melhores pessoas na História não acreditavam em Deus, enquanto muitos dos piores actos se cometeram em seu nome”. Sim, são palavras do Papa Francisco, que está a levantar uma ligeira (mas necessária) revolução na Igreja ao quebrar dogmas que vêm de longe. Mais frases do Papa Francisco? Sobre a homosexualidade: “Quem sou eu para julgá-los?”. Sobre o aborto:  “O perdão de Deus não pode ser negado a quem se arrependeu”.

 

Por sorte, crescem também adeptos de práticas como ioga, meditação, reiki ... e todo o tipo de práticas e terapias que visam reconectar o ser humano consigo mesmo e com a Natureza. Adeptos a regressar ao campo e a uma vida mais tranquila e saudável. Adeptos que buscam meios de informação alternativos. As grandes mudanças nascem sempre de uma semente, e o importante é acreditar, dar o exemplo e passar a mensagem. Escutar e rir mais com as gentes deste mundo incrível. Eu? Em Chaves ou qualquer cidade de qualquer país, que posso fazer? Citando Séneca, “pobres são aqueles que precisam de muito”.

 

Sandra Pereira

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    • Anónimo

      Gostaria imenso de obter a genealogia da família A...

    FB