Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

24
Mai16

Mais um elogio à primavera

1600-tamega (353)

 

Mais um elogio à primavera, a deste ano um pouco atípica no que ao tempo meteorológico se refere, mas que nos continua a brindar com o seu colorido, o de hoje, junto ao Rio Tâmega, nas lagoas de Stº Estevão.

 

1600-tamega (387)

 

Desde o mais rasteiro mas também lá do alto das árvores a primavera manifesta-se, às vezes quase parece nevar pequenos flocos de algodão e rama que ao poisarem no chão parecem transforma-se em nuvens celestiais.

 

 

 

24
Mai16

Intermitências

800-intermitencias

 

O Umbigo

 

Esta é a história de um umbigo.

 

Este umbigo já foi feliz e também já foi triste, mas nunca este umbigo foi tão grande e livre como é hoje.

 

Sempre quis ver o Sol brilhar, sentir o vento e refrescar-se com a água, mas nem sempre a vida lhe foi fácil. A maioria das vezes, era-lhe negada essa liberdade, mesmo que o Sol brilhasse, o vento soprasse ou a água o convidasse a resfrescar-se. Viveu durante muito tempo na escuridão, só, dentro do próprio umbigo, reprimido.

 

Com o tempo, tudo foi mudando, veio a liberdade. Viva a liberdade! Viu o Sol brilhar, sentiu o vento e refrescou-se com a água. Uma e outra vez. Tantas vezes! Quis mais liberdade. Conheceu e começou a relacionar-se com muitos outros umbigos. Quis mais liberdade. Porque contentar-se com o Sol, o vento e a água se podia obter mais para o seu próprio umbigo?

 

O Umbigo.jpgLago di Como, Itália, Maio 2016 - Foto de Sandra Pereira

 

E então chegou a tecnologia. Essa ilusão maravilhosa, que prometeu que tudo seria possível, e mais próximo, e mais rápido, e melhor. Na verdade, nunca foi tão fácil sentir-se próximo de todos os outros umbigos deste planeta. Mas com tantas possibilidades, o umbigo cresceu demasiado e nem se dava ao tempo de saborear cada coisa. Queria viver muito, queria experimentar tanto, queria provar tudo!

 

Nesta euforia, o umbigo não desfrutava realmente do seu umbigo nem se dava conta se apreciava o que vivia, experimentava e provava, ou se o que vivia lhe aportava uma vitória pessoal, uma aprendizagem, uma evolução. O umbigo não era capaz de simplesmente.... fazer escolhas. O umbigo tinha oficialmente ganho a liberdade, mas também a angústia de não saber o que fazer com ela. Começou a sentir-se confuso, e pressentiu o mesmo sentimento nos outros umbigos que conhecia. Só que nenhum se atrevia a quebrar a euforia dos tempos modernos nem a maravilhosa ilusão da liberdade, da proximidade, a magia do instantâneo. Como todos os outros, o umbigo voltou-se cada vez mais para o próprio umbigo.

 

A euforia abrandou, mas o umbigo não se rendeu à insatisfação do próprio umbigo. Era livre! Simplesmente deixou de correr atrás da ilusão do tempo e abandonou-se à sua passagem...

Sandra Pereira

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    • Anónimo

      Gostaria imenso de obter a genealogia da família A...

    FB