Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

26
Jul16

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

3 - PÉRIPLO

 

Com um grito contido, Aurora deixou o pretume do café ainda quente escorrer pelo chão da cozinha. Transformaram-se em cacos de pétalas as flores de uma bela chávena, perfeito exemplar das porcelanas de Vista Alegre, que a tia Hortênsia trouxera de presente para Mamã, em algum Dia de Reis. Olhou por entre névoas d’água para os olhos de Zefa de Pitões, a ama querida, ainda estarrecida pelo que a pobre menina acabara de confessar – Que hei de fazer, minha boa Zefa, que hei de fazer?! – e, sem dizer mais um ai, desceu correndo a pequena escada e galgou o pomar.

 

Zefa ainda esboçou um gesto para detê-la, a oferecer o avental que lhe enxugasse as lágrimas, como tantas vezes fizera quando a sua menina era miúda. Sabia, porém, que ela agora já se fizera mulher. Sabia, também, que o peso desta condição, desde os tempos que se perderam nos idos da Humanidade, caía sobre a jovem como um volumoso e cruel fardo de perdas e danos.

 

Qual Mater Dolorosa de um messias que apenas se anunciava, mas já se o percebia agarrado à mãe, como se fosse à cruz, a rapariga apoiou-se no frondoso chorão, atravessou por entre as macieiras e pés de laranja, chegou até ao portão dos fundos, deu a volta e, encostando-se ao muro externo da propriedade paterna, a Quinta Grão Pará, deteve-se na primeira estação de sua pessoal via crucis – Pelo bom Deus, que a tudo há de perdoar... o que fizeste, Aurora, o que fizeste?! Não obraste sozinha, por certo, mas... – Considerava, em sua mente confusa e abalada, diante dos escarpados alicerces de sua formação judaico-cristã, cair para si mesma a maior parte da culpa, esta angustiante sensação de sujeira íntima e cuja expiação acompanha os pretensos pecadores por todo o porvir.

 

1600-11174

Caneiro - Ribeira do Caneiro

 

Nuvens prenunciavam uma tormenta prestes a desabar, mas nenhum raio enviado por Thor, ou algum outro deus dos celtas, alanos, suevos, godos e visigodos, impropriamente chamados de Bárbaros e aqui habitantes, por algum ou por muito tempo, seria mais implacável do que os tormentos que lhe iam n’ alma. Apressou os passos, quase a correr pela Rua (então Estrada) do Raio X, assim chamada por fazer um X com a Avenida D. João I, sem nem dizer bom-dia aos poucos transeuntes amanhecidos. A seguir, tomou essa Avenida e, diante da pequena ponte sobre o Ribeiro do Caneiro, com suas águas a chilrear por entre os pedregulhos, parou para cumprir a sua segunda estação de suspiros e ais:

 

– Que tens na cabeça, Aurora, que sejam bem mais do que esses fios de ovos dourados, que te não fazem toucinhos- do-céu nem barrigas-de-freira? Que estranhas lêndeas se depositaram em teus miolos enovelados e te enchem de preocupações? Que factos são esses que amargam a saliva de tua boca silente, como nozes colhidas bem verdinhas ou vísceras de fel em uma sardinha mal estripada?! – Comparou, então, os pingos de tristeza que lhe desciam à face com o singelo fio d’água no ribeiro. Este ia dar ao Tâmega. Os fios de seus olhos, no entanto, a que rio e a que mares iriam desaguar? Em que turbilhão de ondas impossíveis de serem desfeitas iriam se desfiar?

 

(continua)

 

fim-de-post

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    • Anónimo

      Gostaria imenso de obter a genealogia da família A...

    FB