Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

04
Out16

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. APRENDIZA DE MÁGICO.

 

Às noites em que chegava do comércio, ao dar sua bênção à mais velha de suas meninas, Papá sempre lhe perguntava – O que tens a dizer, minha boa Aurora, com essa “cabeça no vento e os pés ao relento”? Parece que “foste à missa e nem viste os santos”. – e Aurita sorria, a beijar as mãos daquele pai, no geral tão calado e severo, mas que tanto a mimava, com sua manifesta predileção, quanto ela o adorava, malgrado seus ralhos e relhos vocais – Porque não te vais dedicar, a esta altura, às lições de piano ou aos bordados?

 

Apontava para o velho relógio da sala de jantar e dizia, à moda de Trás-os-Montes – Deixas passar os minutos e te esqueces “quem tempo tem e tempo fica esperando, esse tempo que se perde é o Diabo que vai ganhando” – ao que Mamã acrescentava, a bater de leve na testa da menina – Ah, minha linda Aurita! Bem sabes, ou bem devias saber, o quanto gosta o senhor Satanás de se chegar às raparigas e lhes botar macaquinhos no sótão.

 

A uma tarde de domingo, Papá ouviu risos, palmas e gritos alegres que vinham da sala de estar. Lá encontrou o Alfredinho e as meninas Aurélia e Arminda, aos pés da saia de Mamã, a se deliciarem com as singelas mágicas que Aurora, tendo à cabeça uma velha cartola do pai, exibia com a segurança de um profissional.

 

Revelava-se uma boa aprendiza do ofício desses artistas tradicionais, que animavam os shows nos velhos circos itinerantes, por cujos furos da lona remendada viam-se as estrelas. Circos que, entre uma festa e outra de santos, soíam passar pelas aldeias e vilas trasmontanas, à cata de alguns réis, que mal davam para a mera sobrevivência da trupe.

 

À primeira vista, João Reis também aplaudiu, com muito gosto, as exibições de Aurora. Logo, porém, a um segundo olhar e à imediata conclusão, uma nuvem cinzenta lhe perpassou pelo céu da boca e dela saiu a pergunta que não podia calar – Com quem aprendeste essas fantochadas, Aurita, que “só quem tem unhas é que toca viola”? – e, desprevenida, sem prévios ensaios para aquela estreia desastrosa, a jovem emudeceu, sem saber o que dizer a esse repórter de jornal que a entrevistava com ares de inquisidor e para os quais, de per si, já muito contribuía a habitual sisudez.

 

Reis era um típico dom-casmurro, como a clássica personagem do romance de Machado de Assis. Tinha, porém, ainda que avaro de sorrisos, alguns momentos expansivos, quando se punha a gracejar sobre raparigas de vida airada, gajos com orelhas de asno e outras figuras comentáveis da cidade. Em alguns sábados, à saída de seu comércio de importação e exportação à Rua Santo António, ia ter com os amigos à Esplanada do Quincas. Ali, à beira do Tâmega, ficavam a beber suas girafas de cerveja entre os pregos, presuntos de São Lourenço e outras tapas que, a eles todos, tanto sabiam bem. A casa, aonde chegava com o nariz avermelhado, trazia sempre algumas tartes para os mais velhos, um pão com passas e frutas para Florinda e os rebuçados de fazer a festa aos miúdos, dos quais ele, em raros ensejos, amarfanhava os cabelos com um gesto de carinho.

 

Era a primogénita, porém, que fazia brilharem os seus mais amorosos olhos de pai. Assim eram, pelo menos, a usar e abusar da candura da mãe, os queixumes de Aldenora, a terceira dos filhos, que estava sempre a dizer – O Papá nos guarda a todos no peito, mas depois da Mamã, é pela Aurora que mais lhe bate o coração.

 

(continua)

 

fim-de-post

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    • Anónimo

      Gostaria imenso de obter a genealogia da família A...

    FB