Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Fotografia de Cláudia Carneiro em exposição no Faustino

01.06.17 | Fer.Ribeiro

cartaz-web.jpg

 

A partir de hoje a Adega do Faustino recebe mais uma exposição de fotografia, esta da fotógrafa Cláudia Carneiro, intitulada “Almas e Horizontes”, encontrando nas pessoas e paisagens a sua inspiração.

 

catalogo-1.jpg

 

“Pessoas, através de auto-retratos e também do retrato de outras almas, outros olhares e sorrisos, eternizando momentos ou por vezes recriando-os, segundo a minha imaginação.” – Confessa a autora.

 

IMG_4681.jpg

 

Paisagens, porque além da fotografia tenho uma paixão por montanhas. Considero-me uma colecionadora de horizontes, sempre em busca de uma nova montanha, de um novo horizonte, e a fotografia permite-me regressar, vezes sem conta, a sítios maravilhosos.” , que a fotógrafa agora partilha connosco nesta exposição.

 

IMG_0113.jpg

 

Cláudia Carneiro, nasceu no ano de 1988, em Zurique, Suíça, mas vive presentemente  em Chaves. Apaixonada pela fotografia desde sempre, só recentemente se tornou fotógrafa amadora.

 

Atualmente desenvolve um projeto com a designer de moda Liliana Batista, no âmbito de fotografia de moda artística.

 

IMG_7198s.jpg

 

Embora o cartaz anuncie que esta exposição está patente ao público no presente mês de junho, por motivo de férias da Adega do Faustino , encerrará de dia 4 a 15 de junho, reabrindo dia 16 de junho, e contrariamente ao que estava previsto,  prolongar-se-á  até aos finais de julho.

 

IMG_6118-8.jpg

 

Ficam aqui algumas imagens que estão nesta exposição, que conta com a organização do Blog Chaves,  tendo como media partner a Sinal TV e  o apoio da Adega do Faustino e da Associação de Fotografia a Lumbudus.

 

 

Ocasionais

01.06.17 | Fer.Ribeiro

ocasionais

 

 

“MOTIVO de TRISTEZA”

 

 

As NOSSAS ALDEIAS são tão ricas por dentro e por fora!

 

Muito luta o Blogue “CHAVES” (o seu autor) por dar a conhecer os cantos e recantos delas, tão expostos à luz do dia e à mão de semear, e tão indiferentes, mesmo até para quem mais obrigação tem de neles reparar e deles cuidar!

 

E os contos e histórias das NOSSAS ALDEIAS, lembrados nas fotografias e nos apontamentos que nos expõe o autor, tão ansiosos por se darem a conhecer!

 

Não concebo (nem admito) flavienses que não sejam “Defensores de CHAVES”.

 

Só aqueles que são e estão inclinados para o Mal é que atraiçoam a CIDADE, consentem a sua despromoção, consentem a sua destruição. Julgam-se «os maiores» tentando fazer da terra e das Gentes Flavienses «menores»!

 

CHAVES está ocupada por uma patrulha de idiotas, fementidos, mofatrões, comandada por um pirangueiro procaz, ora um tal sacripanta cognominado «pavão de Castelões».

 

 As NOSSAS ALDEIAS já foram demasiado  castigadas ao longo da História.

 

Para mim é um motivo de tristeza.

 

A Humanidade, e, particularmente, o mundo Ocidental, atingiu um ponto de desenvolvimento (e evolução) extraordinário.

 

O século XX , apesar das duas Grandes Guerras devastadoras e de regimes políticos monstruosos, universalizou conhecimentos científicos, tecnológicos e sociais extraordinários tais que puseram à mão do Homem imensas possibilidades de desfrutar de uma vida mais feliz, com mais significado e sentido.

 

Porém, a casta de malfeitores parece nunca mais acabar: procria-se mais que ratos ou coelhos.

 

As guerras, hoje, já não se fazem em nome de um Deus ou de deuses. Hoje, as guerras são declaradas em nome dos «Mercados».

 

Freud descobriu o Inconsciente.

 

Os tiranos da Política afundaram a Consciência.

 

Sabem bem, mas não querem saber, que o seu «eu», o seu «ego», fica mínimo quando o querem fazer grande à custa da destruição do «Eu» dos outros, do OUTRO!

 

Nesta Idade Contemporânea   -    era do Petróleo, era do efémero, de um Presente transformado, num abrir e fechar de olhos, num Passado quase esquecido e num Futuro quase perdido; época em que o Homem deixa de ter os pés bem assentes na Terra para pôr a pata na Lua  e voar entre as estrelas; da modernidade multicolorida pelos cantos, enfeites e ademanes do consumismo e coisificação da consciência - é uma infâmia o desprezo, o desleixo, o descuido, a falta de respeito histórico, social e moral para com as NOSSAS ALDEIAS.

 

 Quando visito o Blogue  “CHAVES” e me consolo com os Post(ai)s acerca das NOSSAS ALDEIAS, apetece-me parafrasear Napoleão:

 

 

- Que os pindéricos que armam ao pingarelho tratando tão mal as NOSSAS  ALDEIAS “estudem a História de cada uma, pois é a única filosofia real”!

 

M., catorze de Maio de 2017

Luís Henrique Fernandes