Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

30
Ago17

No reverso da cidade

1600-(47697)

 

Hoje vamos até as traseiras da cidade, até ao seu reverso, geralmente sempre mais descuidado que a sua fachada, e no caso desta travessa, a Travessa do Loureiro,  não é exceção, pelo menos desde que tenho memória, pois no antigamente não sei como seria. E temos pena, pois está mesmo no coração da cidade. Certo que com a construção do estacionamento ao longo da travessa e a reconstrução de algum do casario da Rua de Stº António, as coisas melhoraram um pouco, quase nada, pelo menos em limpeza deixa muito a desejar e para além dos gatos, continua a ser uma travessa sem vida.

 

1600-(47676)

 

Mas felizmente não é sempre assim e às vezes as traseiras são mais interessantes e castiças que as fachadas principais, é o caso desta segunda foto, hoje visível, que mesmo abandonada é bem mais interessante que a fachada principal da construção. Pena estar abandonada e velha.

 

 

30
Ago17

Ocasionais

ocasionais

 

“DO BARROSO, da VEIGA ou da MONTANHA”

 

É muito interessante e mais meritório escrever sobre a melhor vitela, o melhor fumeiro, o melhor folar e a melhor batata do mundo.

 

 Bem, os escritores empertigados esquecem as melhores trutas do Bessa e do Covas, por exemplo, ou os melhor grelos e os melhores agriões «do mundo».

 

Fazem há-de conta que a castanha da Montanha ou os merogos do Brunheiro, os melhores «do mundo», são «papos-de-anjo» que só fazem engordar, e, por isso, nem falar deles convém …à saúde!

 

1600-s-martinho 013.jpg

 

Atrevem-se até a esquecer o cabaçote mais saboroso «do mundo»!

 

Os pimentos do Cambedo (que, emparelhados com os de Lebução, são os melhores «do mundo», porque têm um sabor único e uns efeitos «psico-técnicos» tabu(ados),  têm de ser falados em segredo.

 

A «Sêmea de Lebução», casadinha com salpicão da língua, tem de conservar o mistério do fermento que lhe dá o gosto, e eles, os senhores escritores empertigados com o mel, o presunto e a vitela melhores «do mundo», ficam de bico calado, não vá o diabo escutá-los e vir por ai acima «surripar-lhes» um dos melhores petiscos «do mundo»!

 

As “filhozes” (filhós, de acordo) de gerimum, preparadinhas com aquele carinho tão especial, tão «estremôso», das nossas Avós, Mães,Tias, Primas  e Comadres, com um “minhã-minhã” mais divinal «do mundo», estão impedidas de ser reveladas na sua escrita.

 

Das “pavias” melhores «do mundo», uma vez que são mais raras que o «diamante vermelho», nem sombra de palavra, quanto mais de frase  -  os escritores empertigados, a caminho do “Bom Jesus (Senhor) do Monte” ou do “Bom Jesus de Braga” (que raio, e onde é o Mau Jesus?!) fazem «schiu!», para que, ao passarem na Fonte Nova, só eles possam deitar a mão e o dente às melhores “pavias” «do mundo»!

 

1600-medieval-08 (208).jpg

 

Oh! E daquelas melancias e daqueles melões «de casca de carvalho», da Veiga (do Cando ou da Ribeira da Granginha!), os melhores «do mundo», já ninguém se quer lembrar e orgulhar! Pudera! Deram-lhes a sorte do DODO!

 

É muito interessante e mais meritório escrever sobre a melhor vitela, o melhor fumeiro, o melhor folar e a melhor batata do mundo.

 

Mas, que diabo, então o melhor “VINHO dos MORTOS” «do mundo» não merece que se entorne uma pichorra, de canada ou quartilho e meio, por cima dessas coisas boas melhores «do mundo» e a molhar a palaβra dita e escrita   -   a «βossa», a do Nando e a minha?!

 

Cá por mim, até já estávamos, eu, o Pluto, os escritores empertigados e o “Salβador de Beja”, no K 10, no Jardelino ou no Justino (bem, na Carreira da Lebre, no Campo da Roda, ou na Floresta, das preferências de V. ExªS)!

 

É que, mais pra cá ou mais pr’acolá, há sempre (até um doce de abóbora com nozes, carago!) melhor «do mundo»!

 

“Fartende-βos, fartende-βos”!

 

E, “ós-despois, levaide a mal” que outros se roam de saudades das melhores coUsas «do mundo» e βos inβejem, como o grande amigo Salβador de Beja!!!

 

 

Saudações desde o Alto da Ribeira, o Alto do Fundão, a Mijareta, o Alto do Campo, de S. Cornélio e desde o miradouro de Carvela!

 

M., 12 de Junho de 2014

Luís Henrique Fernandes

 

 

29
Ago17

Chaves D'Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. POPÓ.

 

Afonso só largava os estudos, a essa altura, para namori­car em casa da jovem amada, a menina Maria Ritinha, filha de um dos melhores clientes de João Reis. Papá, no entanto, nem precisava dizer ao rapaz que, às nove, já deveria estar de volta à Quinta. O jovem cumpria isso em geral bem mais cedo, por lhe desgostar a chateza repetida de ficar a conver­sar com a rapariga enquanto, a uma pequena distância, a avó da menina fazia tricô. Essas agulhas e fios serviam apenas, na verdade, de mero pretexto para a vigilância familiar e isso, militarmente, aquela senhora exercia do alto de sua tor­re de menagem, uma velha cadeira de balanço.

 

E havia Popó, o cão.

 

O animal postava-se debaixo do sofá onde os pombinhos, a uma distância quilométrica, mal podiam arrulhar e esticar as penas, a fim de ao menos se tocarem nas pontinhas das asas. Penares do pobre Afonso! Já de si retraído, ao tentar se aproximar um pouco mais da Ritinha, ouvia o rosnar e até os latidos ameaçadores do maldito cão. Ainda mais que o ra­bugento Popó não parecia gostar nem um pouco de Afonso, malgrado as tentativas de este se fazer amigo do animal. Tal amizade, evidentemente, bem viria a calhar para os momen­tos em que a guardiã fosse beber ou verter água, mas a velha sempre retornava com um sádico sorriso de tranquilidade, confiante na guarda de seu cão.

 

Até que, certa noite, o Popozinho, algum tempo já decor­rido no exercício de suas funções de segunda sentinela do namoro de Afonso e Ritinha, achou por bem (ou melhor, por mal) morder levemente a perna do rapaz, quando este, como um casto vampiro, tentava dar um singelo beijo na jugular da rapariga.

 

Foi a gota d’água para que, de uma vez por todas, o rapaz desse por terminado o entediante namoro. Não soubesse ele que, em muitas outras casas da vila flaviense, havia moços e raparigas a vivenciarem a mesma situação diante de mães, tias ou avós. Só que alguns tinham mais sorte, pois muitas dessas vigilantes cochilavam e até roncavam com frequência.

 

Além de que, em geral, não havia Popós!

 

 

  1. VOLTA AO LAR.

 

Até quando levarás contigo as chaves do teu segredo? – a rapariga perguntou a si mesma e lançou um olhar à Torre, como se pudesse deixar lá dentro e para sempre os seus mis­térios, não gozosos mas dolorosos e pudesse fazer, daquele amontoado de pedras, uma sólida e muda confidente dos seus infortúnios.

 

Da amurada, olhou para baixo e, mais uma vez, o punhal do pior dos pecados, a cujos pecadores a Igreja nega os san­tos sacramentos, trespassou-lhe a mente. Lembrou-se então da bela, nobre e virtuosa Dueña Conxeta de Albuez.

 

O esposo de Dueña Conxeta, ensandecido pelos ciúmes, mandara encarcerá-la em uma torre de menagem, junto com os filhos que ele dizia não terem saído de seus fecundos e viris instrumentos.

 

Deu-se então que, a uma triste e fria manhã igual a esta, a pobre mulher aproveitou-se de uma falha dos guardas, su­biu até ao cimo da guarita e, de mãos dadas com os infantes, atirou-se ao abismo. Não sabia a desgraçada que, no dia se­guinte, estava a chegar de Braga o seu confessor espiritual, com o fito de protestar pela inocência da infeliz devota.

 

“Que esta água vá curar-te os males d’ alma” – Ainda a lembrar as palavras do doutor Guimarães, Aurora tomou o caminho de volta a casa, pela Rua do Bispo Idácio e, de­pois, pela Santo António. Ao passar perto de uma venda de louçarias finas, viu Hernando a palear com o caixeiro dessa loja e quis logo ter ao cigano, para lhe dizer das boas novas. Apesar de que estas, ora pois, até que de novas se poderiam chamar, porém boas... estavam longe de ser.

 

ca -carolina (448).jpg

 

Conteve-se. Esgueirou-se furtiva, para não ser vista mais adiante pelos empregados de Papá, que estavam a abrir o armazém da Rua das Couraças. Desceu pela Rua do Rio, seguiu pela Alameda Trajano, resolveu margear o Tâmega e cortar caminho pelas Poldras, como algumas vezes fizera com a Zefa em miúda, quando iam buscar Mamã à casa de tia Hortênsia, na Raposeira.

 

Já do outro lado, perto da Azenha dos Agapito, passou por um sítio beirão do rio, onde as lavadeiras já estavam a começar o seu labor de ensaboar, esfregar, bater, lavar, tor­cer e estender roupas brancas nos areais.

 

Por entre elas, uma miúda com o vestidinho roto e um bibe remendado, um pinguinho de gente com um chapéu de palha na cabeça, carregava um regador quase do seu tama­nho, enquanto as da lavagem cantavam:

 

“O cantar não alivia

penas no meu coração

eu tenho cantado muito

e as penas se me não vão”.

 

ca videira (2).jpg

Lavadeiras no Tâmega.

 

Aurora não queria voltar à quinta, onde seu futuro, ago­ra, era um xis a cruzar raios de incógnitas sobre o coração. Havia um nó na garganta, um enovelamento em seu cor­po, um emaranhado de fios em sua vida, dos quais ela não conseguia o vislumbre de quando e como desatar. Tomou o Caminho das Poldras até à Rua da Solidão, essa via sombria que, como o senhor Durão da Lenda dos Frades Santos, faz muito jus ao nome, uma estradinha deserta entre muros ex­tensos, onde apenas os musgos e uma ou outra casa esprei­tam os passantes. Ao se encontrar na Rua do Caneiro, perto da Quinta, hesitou em seguir adiante. Logo porém se fez coragem e chegou à Avenida D. João I.

 

Deu volta ao muro da casa, entrou pelos fundos do pomar, atravessou-o de novo entre as macieiras, laranjeiras e pesse­gueiros e se atirou chorando aos braços de Zefa, que se pôs também a inundar, com tâmegas d’olhos, o piso da cozinha.

 

fim-de-post

 

 

 

28
Ago17

Quem conta um ponto...

avatar-1ponto

 

 

356 - Pérolas e diamantes: Compaixão pelos buracos da estrada

 

Contento-me com a ideia de que os amigos que me restam podem não ser os melhores do mundo, mas sei que são os meus melhores amigos no mundo, apesar de por vezes me mentirem para não me apoquentarem. Eles sabem que por vezes me pareço com Maquiavel, mas que, definitivamente, não sou maquiavélico.

 

Rendi-me ao sistema filosófico mais simples: já não quero mudar o mundo, tento somente mudar a vida, começando por mim próprio. Já não alinho em seitas ideológicas. Deixei de ser sectário.

 

Não há seres humanos eleitos, nem perfeitos.

 

Esses ditos que tais contentam-se com as roupas e os privilégios. Conheço-os pelos indícios. São os que dizem sempre que sim. Afirmam-se sempre dispostos a discutir tudo porque nunca discutem nada. Os que os rodeiam tocam-se de ombro e proclamam: Olha que postura!

 

Depois do teatro da propaganda e do quererem acordar quem nunca adormeceu na formatura, deixam de revelar interesse em fazer as coisas e até de se interessarem se as conseguem fazer bem.

 

Apenas se preocupam em deixar a imagem de que são ágeis, oportunos, que estão sempre prontos e, evidentemente, sem discutir, sem pensar, sem criar problemas.

 

Querem fazer de nós papalvos, para que se diga deles que são bons rapazes, dignos de confiança, e outras balelas que se pronunciam por conveniência. É tudo engano.

 

A fé já não basta para aceitar a humanidade. O mundo já não é eterno e muito menos estratificado, onde os bons estão no céu, os regulares ocupam o purgatório, os maus se estorricam no inferno e os inocentes, como eu e o estimado leitor, ou leitora, pois para o caso tanto monta, vagueiam pelo limbo, apesar de termos feito as nossas concessões, pensando que a alma é como um saco transparente cheio de virtudes e boas intenções.

 

Há os que com apetite comem do bom e do mau porque, dessa forma, assim manjam duas vezes. Pois que lhes faça bom proveito à barriguinha e ao peito.

 

Esses lembram-me pérolas falsas, também chamadas “pérolas de lúcio”.

 

Aprendi no livro Sangue Azul Gelado, de Iúri Buida, que se podem fazer das escamas da espécie mais comum do citado peixe (Alburnus lucidis, que abunda nos lagos e rios locais lá da Rússia). Misturam-se diminutos cristais de guanina com uma solução de gelatina, vidro líquido ou celuloide, depois injeta-se a substância conseguida numas bolinhas de vidro manufaturadas em pequenas fabriquetas e o resultado final são uns colares de pérolas baratos para as mulheres do povo.

 

Deles devemos fugir e sussurrar, antes de adormecer, a oração infantil: “Vem-te deitar perto de mim, anjo meu, e tu, Satanás, afasta-te de mim, das janelas, das portas, do meu leito.”

 

É da natureza humana a inclinação para o mal, porque o mal não requer nenhum esforço. O bem sim.

 

Eles transformam-se em atores. Vivem as vidas das criaturas imaginárias, transformam o seu aspeto, falam com vozes alheias. São mentirosos, bruxos ou magos que violam a lei natural das coisas ou, então, convertem-se noutras pessoas, mesmo que por um curto período de tempo.

 

No seu futuro existe cada vez mais passado. Não possuem nem ideais nem ideias, somente o desejo de alcançarem o poder, para, aí chegados, encherem a pança e tratarem de adormecer.

 

Transportam sempre consigo o cinismo, a hipocrisia e a irresponsabilidade. Evitam qualquer tipo de esforço intelectual ou emocional. E isso agrada às massas. A cultura, dizem eles, não tapa os buracos da estrada.

 

Tomaesta Ivánovitch, antes de falecer, confidenciou que a compaixão pelos pobres, humilhados e ofendidos nunca se deveria transformar em sentimentalismo, porque os humilhados e ofendidos não são nada melhores do que os que humilham e ofendem. E acrescentou: “Mas isso não significa que não mereçam compaixão.”

 

 

27
Ago17

O Barroso aqui tão perto - Cerdeira

1600-cerdeira (1)

montalegre (549)

 

Penso que já o disse aqui no blog que para as nossas incursões no Barroso fazemos sempre um itinerário e pequeno estudo prévio sobre as aldeias que prevemos visitar, ou seja, fazemos o trabalho de casa antes de avançamos para o terreno ou para o trabalho de campo. Claro que esse trabalho prévio serve apenas para orientação e diga-se a verdade, nunca cumprimos esse itinerário preestabelecido, pois entrar pelo Barroso adentro é sempre uma incógnita e uma aventura, e por uma ou outra razão, somos sempre surpreendidos com demoras e imprevistos que nos roubam tempo mas são sempre uma mais valia para as nossas recolhas.

 

1600-cerdeira (3)

 

Ora acontece que para a freguesia de Salto, que pensávamos fazer numa única vez ou no máximo em duas vezes, devido às tais surpresas, acabámos por ter de lá ir umas cinco ou seis vezes, nem todas exclusivamente para lá, mas quase sempre para concluirmos a freguesia, mesmo assim, a nossa aldeia de hoje – Cerdeira, foi ficando sempre para trás, pois como ficava ali à beirinha de Salto, em qualquer momento poderíamos fazer o levantamento…

 

1600-cerdeira (110)

 

O facto é que o tempo foi passando e com exceção de duas aldeias, que dada a proximidade da vila de Montalegre deixámos propositadamente para o fim, Cerdeira ficou de fora. Claro que não poderíamos dar por concluído o nosso trabalho no concelho de Montalegre sem Cerdeira e lá tivemos que ir mais uma vez até à freguesia de Salto em que no trabalho de casa colocámos Cerdeira em primeiro lugar, isto para não ficar outra vez para trás, e no que restaria do tempo,  aproveitaríamos para completar o levantamento de meia dúzia de aldeias cujas recolhas anteriores julgámos não serem satisfatórias, mas desta vez cumprimos com Cerdeira.

 

1600-cerdeira (80)

 

E mais uma vez sejamos sinceros, seria imperdoável não ter visitado esta aldeia, pois além de ter sido uma das mais castiças que visitámos, acabámos por viver nela momentos únicos e Cerdeira acabou por se revelar uma surpresa daquelas que costumam atraiçoar as nossas previsões, pois como se apresentava como uma aldeia pequena e aparentemente não muito interessante, em que pela fotografia aérea mais parecia uma quinta que uma aldeia, prevíamos não encontrar por lá ninguém, mesmo porque pouco passavam das oito horas da manhã quando lá chegámos. No máximo, segundo as previsões, passaríamos por lá 10 a 15 minutos e ficaria tudo resolvido, mas acabámos por ficar lá mais de uma hora e com pena de partir.

 

1600-cerdeira (5)

 

Quando lá chegámos parámos à entrada da aldeia para as primeiras fotografias. Tínhamos tomado a estrada interior a partir de Salto, ou seja, deixamos o acesso principal à aldeia de lado. Ao fundo da rua passou uma pessoa, homem, mais preocupado com os seus afazeres do que com a nossa presença. Estávamos para avançar quando na estrada que tínhamos deixado para trás ouvimos os sons de uns chocalhos, sinal de que por ali andava gado. Chocalhos de gado que não víamos mas cujo som se ia intensificado, sinal de que vinham na nossa direção. Resolvemos esperar pelo que lá vinha e logo a seguir começam a surgir as “barrosas” que aqui fazem jus ao nome da sua raça.

 

1600-cerdeira (98)

 

Quando as “barrosãs” deram com os olhos em nós e no nosso carro, pararam, e  desconfiadas por ali se mantiveram a fazer de conta que estavam à espera de alguém, como quem assobia para o ar. Talvez envergonhadas, talvez com medo dos estranhos que tinham à sua frente. Se fosse a primeira vez que tal acontecia connosco, iriamos estranhar a reação do gado, mas já tínhamos assistido a coisa idêntica numa aldeia bem próxima de Cerdeira. Na realidade trata-se de gado que anda em semiliberdade e tem mesmo receio de gente estranha, habituadas que estão a ver quase e só os tratadores, e pararam mesmo à espera da dona para verem se nós eramos ou não de confiança…

 

1600-cerdeira (106)

 

Acontece que tínhamos chegado na hora exata para assistir a uma cena que é típica nesta região do Barroso. O gado, neste caso bovinos e quase todos da raça Barrosa, passam a noite no monte. No início da manhã regressam a aldeia, primeiro para amamentar as crias que aguardam fechadas na corte impacientes pela teta das mamãs. Depois de amamentadas o gado segue caminho para pastagens perto da aldeia. Pela tarde faz-se o inverso no regresso ao monte para passar a noite. É um ritual diário que não conhece domingos ou feriados,  que o gado faz quase sem a intervenção humana, pois esta só intervém, no caso, para abrir a corte às crias e fechar as cancelas para elas não se espantarem pela aldeia fora e para as mudar de poiso.

 

1600-cerdeira (61)

 

Mas voltando a trás, aquando o gado estava espantado a olhar para nós. Pois como já sabíamos do que se tratava e não queríamos perturbar a natureza da coisa, estávamos resolvidos a abandonar o local e tocar o nossa carro lá mais para a frente,  de modo a deixar a passagem livre, mas entretanto a rua fechou-se com uma cancela, do tipo daquela das passagens de nível que veda a rua toda. Sem saber o que se passava, pensando até que se trataria de uma rua particular. Ficámos no aguardo à espera de ver o que se passava, até que aparece um senhora perto de nós, que cumprimentámos e a modos de meter conversa perguntámos se as vacas estavam com medo de nós. Ela respondeu-nos que sim, que era natural, pois não estavam habituadas, mas que elas vinha já… e vieram, pois o gado na presença da patroa, perdeu o medo e lá se aventurou a passar por nós, em direção à corte das crias, à porta da qual pararam.

 

1600-cerdeira (37)

 

Depois de um grupo de vacas estacionar ali à porta, a senhora fechou outra cancela, ficando as vacas ali encurraladas e só aí abriu a porta às crias que agitadamente procuravam um teta onde mamar, penso que não muito preocupadas se a teta era ou não da mãe, elas o que queriam mesmo era mamar, aliás uma das bezerras custou-lhe a dar com uma teta livre e andava no meio da confusão desesperada à procura da sua refeição, até que lá deu com uma e acalmou-se.

 

1600-cerdeira (70)

 

Entretanto o gado que não tinha crias para amamentar, perdeu definitivamente o medo e aproximou-se de nós e do carro, a este lamberam-no como quem lambe um gelado. Estranhei, mas como vai sempre comigo um especialista nestas coisas do gado, informou-me que estavam a lamber o “sal” que vai aderindo à pintura do carro.

 

1600-cerdeira (69)

 

Entretanto saciadas que estavam as crias, foram de novo fechadas na corte e abertas as cancelas para as mães vacas e as restantes que aguardavam por elas, continuarem a sua peregrinação em direção ao pasto, mas não era tudo, pois agora as vacas iriam ter a companhia do “barroso”, o touro da manada, que, com direito a aposentos privados, esperava a abertura da porta para ir ter com as suas raparigas, mas sem muitas pressas, primeiro coçou-se demoradamente nas ombreiras da porta e só depois arrancou nas suas calmas.

 

1600-cerdeira (65)

 

Bem, pela nossa parte ficámos deliciados a assistir e fotografar estes momentos que a meu ver só são mesmo ultrapassados pelo assistir à chegada de uma vezeira, cada vez mais raras, mas que ainda vão existindo e às quais já tivemos a sorte de assistir.

 

1600-cerdeira (7)

 

Deixando agora de parte estas cenas tão rústicas e que fazem parte da vida e singularidade de algumas aldeias, vamos entrar em Cerdeira, talvez iniciando pela sua localização, que tal como já fomos adiantando pertence à freguesia de Salto e fica bem próxima  da sede de freguesia, não chegando a atingir os 1000 metros de distância. Quanto às suas coordenadas temos 41º 38’ 10.09”N e 7º 56’ 04.27”O e a altitude anda próxima dos 900m. Mas como sempre fica o nosso mapa para  melhor ser localizada.

 

mapa.jpg

 

Passemos já para o seu topónimo CERDEIRA. Pois e ainda antes de vermos o que consta na Toponímia de Barroso, pela pinta, tudo leva a crer que o topónimo esteja ligado às cerdeiras, do português antigo mas ainda em uso e que hoje são em geral denominadas cerejeiras, embora por cá e comummente falando, se estabeleça uma pequena diferença entre a cerejeira e a cerdeira, sendo a árvore desta última de um porte maior mas fruto mais pequeno e em maduro mais escuro que a cereja.

 

1600-cerdeira (83)

 

Mas segundo a toponímia de Barroso não é bem assim, mas pelos visto também não sou o único a ser influenciado pelo atual significado do topónimo, além de se chegar até ele se falar muito em cerdeiras de cerejas. Então vejamos o que diz a Toponímia:

 

Cerdeira

“ Até a Senhora do Pranto se riu quando um minhoto, ao ouvir falar na pequenina povoação saltense, se ofereceu para criado de servir…”Ao menos no tempo das cerejas comeria o fruto pelo qual tantas bofetadas e fustigadas apanhou na sua aldeia”. Muitos continuam a ser os “minhotos” que se enganam paronimicamente com cerezaria e ceresaria (a que o povo há muito chama cerdeira sem que o seja!) O que temos aí deve ser  (tem de ser) uma toponímia devida a QUERCUS > CARVALHO. CERDEIRA, apesar de algumas dúvidas na evolução fonológica, começou e radica em QUERCARIA > CERCARIA > CERQUEIRA - CERCEIRA ou CERZEIRA > CERDEIRA pela dupla dissimilação do Q<D ou Z<D. O significado é, claramente, CARVALHEIRA, terreno de carvalhos e não de cerejeiras.

Para o presente estudo concorre a evidência das condições fito-climáticas que o topónimo exige e sempre exigiu.

O segundo caso – ceresaria, leva-nos a cereseira e a cerejeira. Mas cerejas na Cerdeira só se as fizermos de bugalhos.”

 

1600-cerdeira (64)

 

E tal como prevíamos as nossas pesquisas sobre a aldeia não deram em nada, para além da referência na Toponímia de Barroso, não encontrámos mais nada, o que é natural, pois Cerdeira embora seja maior do que aquilo que parece e pensávamos, não deixa de ser uma aldeia pequena, com pouca gente, quase um pequeno bairro de Salto.

 

1600-cerdeira (20)

 

Restam-nos  então as nossas impressões pessoais sobre a aldeia, que embora pequena é bem interessante, incluindo o seu casario que vai mantendo a sua traça original e testemunhámos com agrado que algumas reconstruções em curso vão obedecendo à traça e materiais originais, o que é sempre uma mais valia para esta pequenas aldeias, onde sem as desvirtuar  as torna mais interessantes.

 

1600-cerdeira (63)

 

Avistámos no meio da aldeia uma pequena construção que na ponta da cumeeira erguia uma cruz e que pelas suas características indicava ser uma pequena capela. Disseram-nos era para ser mas nunca chegou a ser, não foi autorizada, a “Igreja” não a aceitou porque tinha dois andares, ou seja, como a pretendida capela foi construída num terreno em declive bem acentuado, para atingir  a cota da entrada pretendida, teve de se construir um piso a uma cota inferior, com aproveitamento e o outro destinado a capela por cima. Que não, com dois pisos não podia ser capela e não foi. Coisas da “igreja” que em vez de acarinhar mais um lugar de culto e abrigo espiritual à pequena aldeia, preferiu ver o local transformado nuns arrumos, mas a cruz ficou.

 

1600-cerdeira (89)

 

O verde dos campos com vários matizes, ora mais claro e vivo nas pastagens, ora mais escuro no arvoredo, vai sendo uma constante nesta região do Barroso, bem diferente do outro Barroso encostado à Serra do Gerês ou à volta do Larouco. Verde que é também reflexo de pastagens excelentes para vacas felizes, tal como as açorianas, só que estas são barrosãs, em que uma das principais preocupações dos produtores é garantirem a qualidade das carnes da raça, para depois fazerem a delícia dos restaurantes da região. E somos testemunhas da sua excelência.

 

 

 1600-cerdeira (18)

 

Como a aldeia é pequena pouco mais há para apontar, a não ser os canastros (espigueiros) de grandes dimensões, sinal de grandes colheitas e se hoje é mais pastagens pela certa que tempo houve em que enchiam com espigas de milho para secar. Há também o casario que já atrás tínhamos referido, um relógio de sol e uma curiosa e singular escultura em ferro, de um galo que não canta, tipo catavento sem o ser, que num dos telhados sobressaía, principalmente pelo seu design. Não sei quem é o autor mas é uma autêntica obra de arte feita com a simplicidade das dobras de uns varões de ferro.

 

1600-cerdeira (101)

 

Mais uma vez é uma das aldeias que recomendamos para uma visita e quem sabe se têm a nossa sorte de assistir à refeição das crias barrosãs.

Faltam só as habituais referências às nossas consultas que hoje ficam reduzidas à Toponímia de Barroso, bem como os links para as anteriores abordagens ao Barroso. E como sempre (ou quase) no próximo domingo cá estaremos com mais uma aldeia, que nem nós sabemos ainda qual é, pois, e só para conhecimento, como nunca sabemos que aldeia escolher,  sorteamos uma e a que calhar, cá estará.

 

 

Bibliografia

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso

 

 

Links para anteriores abordagens ao Barroso:

A

A Água - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-a-agua-1371257

Algures no Barroso: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1533459

Amial - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ameal-1484516

Amiar - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-amiar-1395724

Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-arcos-1543113

 

B

Bagulhão - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bagulhao-1469670

Beçós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-becos-1574048

Bustelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-bustelo-1505379

 

C

Cambezes do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cambezes-do-1547875

Carvalhais - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-carvalhais-1550943

Castanheira da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-castanheira-1526991

Cepeda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cepeda-1406958

Cervos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-cervos-1473196

Contim - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-contim-1546192

Cortiço - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-1490249

Corva - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-corva-1499531

 

D

Donões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-donoes-1446125

 

F

Fervidelas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fervidelas-1429294

Fiães do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-fiaes-do-1432619

Fírvidas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-firvidas-1466833

Frades do Rio - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-frades-do-1440288

 

G

Gralhas - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhas-1374100

Gralhós - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-gralhos-1531210

 

L

Ladrugães - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ladrugaes-1520004

Lapela   - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-lapela-1435209

Larouco - Um olhar sobre o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/2016/06/19/

 

M

Meixedo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixedo-1377262

Meixide - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-meixide-1496229

 

N

Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-negroes-1511302

Nogeiró - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-nogueiro-1562925

 

O

O colorido selvagem da primavera http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-o-colorido-1390557

Olhando para e desde o Larouco - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-olhando-1426886

Ormeche - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ormeche-1540443

 

P

Padornelos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padornelos-1381152

Padroso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-padroso-1384428

Paio Afonso - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paio-afonso-1451464

Parafita: http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-parafita-1443308

Pardieieros - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pardieiros-1556192

Paredes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-paredes-1448799

Pedrário - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pedrario-1398344

Penedones -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-penedones-1571130

Pomar da Rainha - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-pomar-da-1415405

Ponteira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-ponteira-1481696

 

R

Reboreda - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-reboreda-1566026

Roteiro para um dia de visita – 1ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104214

Roteiro para um dia de visita – 2ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1104590

Roteiro para um dia de visita – 3ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105061

Roteiro para um dia de visita – 4ª paragem - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105355

Roteiro para um dia de visita – 5ª paragem, ou não! - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-roteiro-1105510

 

S

São Ane - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-ane-1461677

São Pedro - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sao-pedro-1411974

Sarraquinhos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sarraquinhos-1560167

Sendim -  http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sendim-1387765

Senhora de Vila Abril - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-senhora-de-1553325

Sezelhe - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sezelhe-1514548

Solveira - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-solveira-1364977

Stº André - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-sto-andre-1368302

 

T

Tabuadela - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-tabuadela-1424376

Telhado - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-telhado-1403979

Travassos da Chã - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-travassos-1418417

 

V

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Arcos - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1508489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

Vilaça - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilaca-1493232

Vilar de Perdizes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1360900

Vilar de Perdizes /Padre Fontes - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilar-de-1358489

Vilarinho de Negrões - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-vilarinho-1393643

 

X

Xertelo - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-xertelo-1458784

 

Z

Zebral - http://chaves.blogs.sapo.pt/o-barroso-aqui-tao-perto-zebral-1503453

 

 

 

26
Ago17

Castelões - Chaves - Portugal

1600-casteloes (560)

 

Mais um sábado e mais três imagens sobre uma aldeia do concelho de Chaves, que segundo o critério que temos seguido, hoje toca a vez a Castelões.

 

1600-casteloes (579)

 

Pois é, deveriam ser três imagens, mas vão ser mais algumas, por duas razões: - Primeira porque Castelões oferece tantos motivos fotográficos que não resistimos a selecionar mais uns tantinhos; Segundo porque a foto geral do cruzeiro ficaria incompleta se não deixássemos aqui mais dois pormenores do mesmo.

 

1600-casteloes (587)

 

Na realidade trata-se de um cruzeiro muito singular, principalmente pela sua cruz com imagens nas duas faces, que embora não seja caso único aqui na região fronteiriça, é-o quanto arte das peças e das pinturas, principalmente porque estes cruzeiros seguem todos um certo padrão e este é uma exceção, quer no colorido utilizado, quer na pintura das figuras da cruz, quer nas formas das próprias figuras,  tudo do mais naïf que há.

 

1600-casteloes (590)

1600-casteloes (595)

 

Quem acompanha o blog sabe que Castelões é uma das aldeias que mais vezes têm passado por aqui, por uma das razões já atrás apresentada mas também porque é um trunfo nosso, a par de mais duas ou três aldeias do concelho, ou seja, aos sábados quando não tenho muito tempo para dedicar ao blog passo pelo arquivo de imagens de uma dessas aldeias e tenho a escolha facilitada porque quase todas as imagens são interessantes.

 

1600-casteloes (593)

 

Castelões que segue também as características das aldeias do Alto Barroso que tem ali mesmo ao lado.

 

1600-casteloes (573)

 

Para finalizar, era também uma das aldeias que Miguel Torga visitava e que registou no seus diários, não propriamente a aldeia e pela aldeia, mas pela água do seu Santuário, a Senhora do Engaranho, à qual são atribuídas curas para algumas maleitas.

 

 

 

25
Ago17

Discursos sobre a cidade - Por Gil Santos

GIL

 

Introito

 

Como diz o ditado “o prometido é devido”.

 

Assim, por falta de tempo e de melhor tema, aproveita-se para este “discurso” um segundo texto da obra de Fernando António Almeida, intitulada “Estórias de Portugal” editado pela Âncora em 2001.

 

A páginas 57 e seguintes, fala-nos dos sete filhos de Maria Mantela.

 

Uma estória comovente que apesar de conhecida vale sempre a pena reler, porque respeita a estórias da nossa terra.

 

CHAVES

 

OS SETE IRMÃOS

(Maria Mantela)

 

O rosto de Maria Mantela ficou de súbito fito. Parado. Toda ela se imobilizou. Petrificada. O rosto inexpressivo. Estático. Como se já não fosse deste mundo. Olhava, é certo, ainda os sete meninos que pasmavam de vê-la. Mas ela já os não via. Olhava um ponto vazio. De resto, todos os presentes se tinham calado, os olhos abertos de espanto. Nunca ninguém vira, em nenhuma das idades do mundo, sete meninos tão iguais...

 

(Eu não sei se o leitor vai acreditar. Eu próprio não sei se prefiro acreditar que este episódio não passa duma daquelas lendas tecidas ao longo dos séculos, em que se vão acumulando pormenores, a que se vão acrescentando detalhes, de que vão surgindo variantes. Então começam, aqui e ali, a proliferar versões diferentes. Os contextos cambiam. Há personagens que se esvaem, outras que ganham corpo. A certa altura o fio comum de que saíram duas versões da mesma estória torna-se irreconhecível. Por isso me vou limitar a repetir a estória de Maria Mantela, tal como ma contou uma imaginativa jovem, viajante ocasional, a quem, contrariando o que tenho por cauto costume, acedi dar lugar no meu carro, num dia de Agosto, de sol intenso, entre Chaves e Vila Real.)

 

«Eu conheci Maria Mantela, Mari Mantela como lhe chamavam. Era uma fidalga orgulhosa que habitava um velho paço enfarruscado nas cercanias de Chaves, à beira dum lugarejo sem nome. Uma daquelas mulheres que, ciente do seu poder junto de criados e dos lavradores pobres seus vizinhos, mostrava continuadamente, na fala e no olhar, no porte e no mais comedido dos gestos, ser a senhora absoluta do minúsculo território que ela tomava por reino.

 

Uma das características de Maria Mantela (já não recordo o seu verdadeiro nome de família, um nome pesado de que ela tanto se orgulhava) era o que hoje designaríamos por puritanismo farisaico. Extremamente exigente para com aqueles que, de algum modo, dependiam dela, não perdia a ocasião de se fazer ver como pedagoga e reformadora dessa tropa de labregos manhosos e maltrapilhos, os súbditos que lhe tinham caído em sorte e que ela profundamente desprezava.

 

Presunçosa, imaginava-se possuída duma sabedoria que ultrapassava os limites das verdades correntes. Impunha conceitos. Ditava normas de conduta que, fora daquele mísero e rústico contexto, não haveriam de provocar nos destinatários mais que o riso e a chacota. Pois bem. Foi numa destas ocasiões em que sobranceria e tolice se aliaram, como em tantas outras vezes, que se iria iniciar o percurso de desgraça de Maria Mantela.

 

A estória sucedeu mais ou menos assim. Estando um dia ambos, ela e o marido, tomando o fresco no balcão de sua casa, eis se aproxima uma mulher, ainda jovem e bonita, com dois filhos ao colo, enroupados num xaile já arruçado. A olhá-la, era para ambos uma desconhecida (ainda que mais tarde a tenham tomado por uma mensageira da ira divina). Lamurienta, mecanicamente lamurienta, num discurso quase encantatório, lamenta-se a pobre viandante da desgraça com que Deus quis prová-la – e ao seu homem e à miséria de sua casa –, fazendo-lhe nascer aqueles dois filhinhos de um só parto. Comove-se, enternece-se com a vista o marido, fulgura-lhe fugidio desejo, lampeja-lhe uma fugacíssima inveja, ele que esperava em vão, havia anos, um só descendente que fosse que lhe prolongasse através das idades o modesto apelido dos Gralhos a que pertencia. A esmola dum gesto de consolo, o arremesso de uma moeda velha, foi bastante para fazer elevar a voz aguda e o corpo esguio de Maria Mantela. «Mulher que concebe duas vezes e pare só uma é porque ajuntou no seu corpo a semente de dois homens!» (Na sequência desta frase, que ela pretendeu solene e pomposa, Maria Mantela parece ter também invectivado a jovem e pobre mãe já noutro registo, utilizando uma linguagem rasteira, palavras que me dispenso de transcrever quando aqui apenas se pretende narrar, para serviço do leitor, uma estória amena, exótica e de bom exemplo.)

 

Entretanto, movendo influências, bajulando primos e parentes (diria Maria Mantela com soberba e algum desprezo por ele, que não fora os seus próximos e seu marido jamais teria alcançado aquele modesto posto de escrivão em terras da India...), peitando gente no Terreiro do Paço, lançava-se Fernão Gralho burocraticamente na aventura oriental. Era tempo. Havia que robustecer o parco património dos Gralhos. É que, pouco após o encontro havido com a jovem mãe pedinte, começaram a tornar-se evidentes os sinais de que o antigo desejo de Fernão Gralho, a sua mais profunda aspiração, iria concretizar-se. Maria Mantela prometia ser mãe.

 

Finalmente provido no cargo, regressa Fernão Gralho de Lisboa para ultimar os preparativos da grande viagem. Por cálculos que mais tarde se fizeram, devia estar o escrivão designado a fazer a travessia do rio Douro quando se deu aquele espantoso nascimento de sete crianças, saídas dum mesmo ventre, o ventre de Maria Mantela. No entanto, a notícia de tal evento só a conheceria o felicíssimo progenitor nas dramáticas circunstâncias que em seguida se relatam.

 

Depois de ter atravessado a ponte romana, resistira Gralho, por qualquer impulso ignoto, à tentação de se dar a conhecer em Chaves na sua qualidade de funcionário do império, não obstante o orgulho que sentia na sua nova condição. Prosseguiu, pois, sem se deter, pelo velho caminho que seguia ao longo do Tâmega. Já avistara as casas palhoças do lugarelho vizinho de seu paço, já entretanto se escondera a negrejada torre detrás dos altos carvalhos, quando de súbito lhe surge pela frente a velha escrava Irene.

 

Não fora o velo de tristeza que o rosto da negra Irene não conseguira ocultar e Fernão Gralho ter-se-ia limitado a receber com alegria a feliz notícia que lhe dava a escrava: Maria Mantela tinha parido uma criança macho antes que terminara de soar a meia-noite da véspera. Reparando então nas duas grandes cestas que a negra carregava, perguntou-lhe seu amo que levava nelas. Respondeu-lhe Irene que uns cachorrinhos que ia deitar a afogar ao Tâmega por mandado de sua senhora.

 

Desconfiou o amo de tal recado, que os olhos de Irene a denunciavam. Ao abrir as cestas deparou-se Fernão Gralho com seis recém-nascidos. Sucumbindo ao peso da sua falsa filosofia, Maria Mantela guardara apenas o primeiro dos meninos que vira a luz. Aos outros dera-lhes o destino dos cachorrinhos rejeitados, deitando-os a afogar. Com rogos e ameaças impôs Fernão Gralho o silêncio à escrava a quem mandou regressar à sua Casa da Torre. Buscou então o pai seis amas naqueles perdidos lugarejos já da parte da Galiza a quem, sob segredo, entregou cada um dos meninos.

 

Dispostas as coisas, tomou caminho do paço. Uma vez em casa, Fernão Gralho deu grandes mostras de alegria diante do nascimento do filho, não deixando que Maria Mantela tivesse a mínima suspeita do que entretanto acontecera. As grandes festas que durante sete dias se fizeram naquela casa serviram igualmente ao festejado pai para despedir-se de familiares, amigos e vizinhos. Era entrado Abril e avizinhava-se a hora do embarque.

 

(Do que passou Fernão Gralho na travessia do golfão, dos perigos constantes com que se cruzou, nada conto ao leitor. Tão-pouco faço fé nas heroicas tropelias cometidas pelo nosso Gralho naqueles Orientes tal que mas narrou a minha ocasional companheira de viagem. Reputo-as de invenção pura, pelo que passo adiante.)

 

Passados seis longos anos, armado com alguns meios de fortuna, regressou Fernão Gralho à terra-mãe. Dilatou-se por um tempo na corte, fazendo valer em vão uns papéis amachucados que o davam por merecedor do reconhecimento pátrio. Enfastiou-se de vénias: ia-lhe minguando o cabedal. A hora, aliás, aproximava-se. Regressou ao seu Trás-os-Montes, mas precatou-se, apesar da pretidão que se lhe havia pegado ao rosto durante a sua estada nas partes orientais. Incógnito, tomou boleto em Verín.

 

De conivência com a preta Irene, sem qualquer aviso, apresentou-se no seu paço lugarenho. Maria Mantela festejava o sétimo aniversário de seu filho Simão. A luz frouxa das candeias alumiava sombria, o negrume dessa noite de 24 de Agosto. A escrava Irene, já tinha ido acordar o menino, prepará-lo para o introduzir no salão onde se reuniam as duas escassas dezenas de convidados seleccionados entre os que mais se prezavam de fumos de fidalguia. Dava a primeira badalada da meia-noite. Um a um, solenemente, todos vestidos por igual, envergando cabaias de seda vermelhas, começaram a dar entrada no salão do paço os sete filhos de Maria Mantela e de Fernão Gralho.»

 

 

Pág. 1/5

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Joaquim Ferreira

      Tantos anos passados, tantos sonhos por realizar.Q...

    • Anónimo

      Tantos anos passados, tantos sonhos por realizar.Q...

    • Anónimo

      conheço, sou da familia dos MACHADOS, francisc...

    • Fer.Ribeiro

      Caro Amiel Bragança, obrigado pelo seu comentário....

    • Amiel Bragança

      Caro Fernando Ribeiro,Tenho estado atento às suas ...