Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Quem conta um ponto...

04.09.17 | Fer.Ribeiro

avatar-1ponto

 

374 - Pérolas e diamantes: Afinal, porque se escreve?

 

Há um provérbio haúça que diz: “Quando muda a música, muda a dança.”

 

Olho para o meu telemóvel e reparo que estive cerca de 48 horas desligado. Cogito cá para os meus botões que este é um dos modernos grandes exemplos de estoicismo individual e de resistência moral do século XXI. 

 

Penso então na necessidade. A experiência diz-me que ela é um enorme armazém capaz de albergar uma quantidade notável de crueldade.

 

Antigamente, os homens de letras trocavam entre si ditos espirituosos e diziam-se amigos. Agora remoncam uns com os outros através de sinais de computador. O sucesso do vizinho é a modos como uma alfinetada no ego do escritor solitário.

 

Afinal qual é a motivação pessoal para escrever? Satisfação pessoal? Compensação financeira? Reconhecimento público? Vontade de comunicar?

 

Compensação financeira, no meu caso pessoal, não é de certeza, pois já tinha desistido há muito. A necessidade de sobrevivência tinha feito crescer em mim o monstro das pequenas necessidades.

 

O facto de a arte ser o oposto do negócio, não significa que viva fora da sua influência. E este é o drama de quem vive e escreve na província.

 

Comunicar é mesmo uma vontade. Mas não é a única.

 

A satisfação pessoal na escrita é intermitente, como a luz dos semáforos.

 

E o reconhecimento público é uma treta que faz parte do jogo de espelhos que é viver em sociedade.

 

Por isso há quem escreva sobre extraterrestres, as suas memórias em estilo adolescente ou escreva livros desinteressantes para crianças. Há ainda romances de má qualidade sobre gente rica escritos por gente pobre, poesia confessional, romances de má qualidade sobre gente pobre escritos por gente rica e, ainda, romances de denúncia da corrupção das indústrias obscuras que se fazem passar por necessidades oportunas.

 

Os literatos que se armam, no entanto, não se cansam de sentenciar: “O que é preciso é escrever coisas intemporais.”

 

No entanto, tudo é uma questão de adaptação. Eu passo a ilustrar esta minha exegese socorrendo-me de uma passagem do livro de David Leavitt (Martin Bauman; ou Uma Presa Segura), que é um romance disfarçadamente gay, escrito por um escritor rico sobre gente rica que tenta nadar no mundo atribulado da literatura nova-iorquina:

 

“Foi aí que lhe confessei, numa quinta-feira à noite, que era gay. Ela permaneceu muda e queda.

 

– Mas aposto que não há gays judeus ortodoxos, pois não? – perguntei, em tom de desafio.

 

– Claro que há.

 

– E como é que conciliam a sua vida sexual com a religião?

 

– Bem – explicou Sara –, aqueles que eu conheço, como as escrituras dizem que não se podem deitar com outro homem, fazem-no de pé.

 

A ingenuidade com que ela descreveu isto – uma ingenuidade que era ao mesmo tempo judia e gay – deu-me vontade de rir. Assim se firmou a nossa amizade.”

 

A mim também me deu vontade de rir. E em plena leitura. Ele há gostos e feitios para tudo. E soluções também. Menos para a morte, como bem diz o nosso povo.

 

Nos estudos feitos para as investigações de doutoramento, existe nas perguntas de escolha múltipla, além das várias alíneas, uma outra que é isso mesmo – a outra. E que geralmente nos pedem para desenvolver.

 

Ora, bem vistas as coisas, eu escrevo pela outra razão que não vem no questionário. E o desenvolvimento é este mesmo. Só faz falta que o amigo leitor faça o favor de recomeçar a ler tudo desde o princípio e se, mesmo assim, não atinar com a resposta, tentar de novo.

 

Eu não sei bem porque escrevo, mas sei que continuo a tentar todos os dias compreender o diabo da razão. E a escrever. Todos os dias. A escrever.

 

Em verdade… em verdade vos digo: A dita sabedoria social não passa de hipocrisia.

 

João Madureira