Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves, Rua Direita, Comércio Tradicional e Centenário

18.09.07 | Fer.Ribeiro

 

.

Agora que estão na moda os grandes centros comerciais e, então em Chaves, crescem mais que as couves na veiga, trago-vos aqui o comércio tradicional, um em especial, único do género na cidade,  mais que centenário, na Rua Direita, em pleno centro histórico.
 
Couros, carneiras, solas e meias solas à medida ou a olho, taxas e taxinhas a granel, protectores, brochas, atacadores, graxas pretas, castanhas, azuis ou incolores, palmilhas, cintos e carteiras, algodão preto, fio do norte, tintas (de cor), colas de madeira ou de contacto, furos e furinhos…e,
 
até um banco de tertúlias por onde, ao longo dos tempos,  os do reviralho mandavam os políticos da situação pró caralho (1) em acesas discussões sobre a monarquia, o fim da monarquia, o início da  república, a implantação da república, a república, a 2ª república, discussões e reuniões vermelhas em tempos de Salazar que ao espreitar de um bufo ou pide era tempo de calar e contar taxas que até eram  a granel.
 
Sem dúvida alguma que este é o comércio mais tradicional de Chaves e da região, com cento e alguns tantos anos de existência, que começou como a Casa Cipriano, do Sr. Cipriano e que admitiu ao seu serviço como empregado o Sr. António Dias, nascido em 1910, quando este já tinha a adulta idade de 12 anos (1922) já em plena República, ao qual deixou o comércio e lhe deu continuação (até nas tertúlias do reviralho) e dedicou toda a sua vida e que após a morte deixa o comércio às filhas, que lhe deram continuação, até nas tertúlias do reviralho, agora democráticas, abertas e discutidas se preciso for à porta ou ao balcão enquanto se vende umas meias solas ou umas taxas a granel e até têm graxa de todas as cores e gostos.
.
.
 
Também os clientes lhes são fieis, principalmente os que gostam de andar a pé, gastam solas e, gostam de trazer os sapatos ou botas engraxadas.
 
É um comércio simpático do qual sou cliente, por herança de família, desde que me lembro de existir, principalmente quando no meu tempo de liceu estavam na moda as botas de couro (cano alto) em que solas, colas e protectores faziam de cada um de nós um sapateiro. Aliás penso mesmo que todos os flavienses são ou já foram clientes desta casa.
 
Um agradecimento especial à D. Ermelinda Chaves Dias e ao seu irmão mais velho, por mais uma vez tão bem nos ter recebido na reportagem fotográfica.
 
Até amanhã, em Chaves ou por Chaves.
 

(1) – Caralho – Para quem não sabe, caralho é um termo popular usado em Chaves e em toda a região Norte para compor todo o tipo de frases. Há quem considereo termo de má educação e o transforme em carago.  No Dicionário consta como: pénis, indicativa de espanto, admiração, impaciência ou indignação.

12 comentários

Comentar post