Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

18
Set07

Chaves, Rua Direita, Comércio Tradicional e Centenário

 

.

Agora que estão na moda os grandes centros comerciais e, então em Chaves, crescem mais que as couves na veiga, trago-vos aqui o comércio tradicional, um em especial, único do género na cidade,  mais que centenário, na Rua Direita, em pleno centro histórico.
 
Couros, carneiras, solas e meias solas à medida ou a olho, taxas e taxinhas a granel, protectores, brochas, atacadores, graxas pretas, castanhas, azuis ou incolores, palmilhas, cintos e carteiras, algodão preto, fio do norte, tintas (de cor), colas de madeira ou de contacto, furos e furinhos…e,
 
até um banco de tertúlias por onde, ao longo dos tempos,  os do reviralho mandavam os políticos da situação pró caralho (1) em acesas discussões sobre a monarquia, o fim da monarquia, o início da  república, a implantação da república, a república, a 2ª república, discussões e reuniões vermelhas em tempos de Salazar que ao espreitar de um bufo ou pide era tempo de calar e contar taxas que até eram  a granel.
 
Sem dúvida alguma que este é o comércio mais tradicional de Chaves e da região, com cento e alguns tantos anos de existência, que começou como a Casa Cipriano, do Sr. Cipriano e que admitiu ao seu serviço como empregado o Sr. António Dias, nascido em 1910, quando este já tinha a adulta idade de 12 anos (1922) já em plena República, ao qual deixou o comércio e lhe deu continuação (até nas tertúlias do reviralho) e dedicou toda a sua vida e que após a morte deixa o comércio às filhas, que lhe deram continuação, até nas tertúlias do reviralho, agora democráticas, abertas e discutidas se preciso for à porta ou ao balcão enquanto se vende umas meias solas ou umas taxas a granel e até têm graxa de todas as cores e gostos.
.
.
 
Também os clientes lhes são fieis, principalmente os que gostam de andar a pé, gastam solas e, gostam de trazer os sapatos ou botas engraxadas.
 
É um comércio simpático do qual sou cliente, por herança de família, desde que me lembro de existir, principalmente quando no meu tempo de liceu estavam na moda as botas de couro (cano alto) em que solas, colas e protectores faziam de cada um de nós um sapateiro. Aliás penso mesmo que todos os flavienses são ou já foram clientes desta casa.
 
Um agradecimento especial à D. Ermelinda Chaves Dias e ao seu irmão mais velho, por mais uma vez tão bem nos ter recebido na reportagem fotográfica.
 
Até amanhã, em Chaves ou por Chaves.
 

(1) – Caralho – Para quem não sabe, caralho é um termo popular usado em Chaves e em toda a região Norte para compor todo o tipo de frases. Há quem considereo termo de má educação e o transforme em carago.  No Dicionário consta como: pénis, indicativa de espanto, admiração, impaciência ou indignação.

5 comentários

  • Imagem de perfil

    Fer.Ribeiro

    19.09.07

    Caro J.Pereira.

    Quanto ao Beto deve ser da PDI aliada à ausência de ares transmontanos e flavienses. Quando ao Dias, o irmão mais novo confirma que foi enfermeiro na tropa em Cambinda.

    Um abraço
  • Imagem de perfil

    J. Pereira

    19.09.07

    Em Cabinda havia um grupo de flavienses que costumava encontrar-se na loja de outro flaviense chamado Antar, um solteirão já de uma certa idade e era sagrado encontrarmo-nos lá, eu, o Sargento enfermeiro Chaves (aqui referido), o tenente piloto aviador Queiroga, o soldado Alves, o cabo Alves (suponho que de Nantes), o sargento Nelson (das Casdas dos Montes), o Hernâni, o falecido Zeca Claro e mais alguns que agora não me lembro. Não sei se o senhor Antar regressou ou não, mas gostava de saber e aí o Chaves deve saber.
  • Sem imagem de perfil

    António Pires

    02.10.14

    Esse comerciante chamado Antar era meu tio avô e Padrinho. Quanto a ele regressou, ficando a viver com a minha avó. Também ele teve um estabelecimento na Rua Direita qu8e era conhecido pela Casa Verde onde mais tarde foi Papelaria Ana Maria
  • Imagem de perfil

    J. Pereira

    03.10.14

    Obrigado pelo esclarecimento. Já conheci, aqui em Moncorvo, o senhor que ficou com o estabelecimento em Cabinda e ele também não sabia do paradeiro do sr. Antar. Espero que tenha tido ainda muitos anos de vida. O meu irmão, que tem a casa Joaninha na rua de Santo António foi empregado dele e também do sr. Totó na rua Direita, nos anos 50
    Os meus cumprimentos para si.
  • Comentar:

    CorretorEmoji

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

    Sobre mim

    foto do autor

    Pesquisar

    Sigam-me

    Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

     

     

    Olhares de sempre

    Links

    As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Desde já obrigado pelo seu comentário. Tem toda a ...

    • Anónimo

      Quando refere a Castanheira a nível de casario, de...

    • Anónimo

      Ao ler este artigo parece que voltei aos meus temp...

    • Anónimo

      Parabens e obrigado por este magnifico trabalho. U...

    • Anónimo

      Caro Fernando Ribeiro,Boa tarde.Só hoje reparei ne...