Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves Rural - Roriz

22.09.07 | Fer.Ribeiro

 

.

 

Claro que Roriz não é só isto e, até tem algum casario nobre de fazer inveja e também casario novo com todas as comodidades de hoje (parabólicas e micro-ondas incluídos), mas tem também muito deste casario tradicional de pedra, madeira e telha (quase só isto) e, é este o casario que me atrai nas aldeias. Farto de ver betão e antenas, estou eu a semana inteira.
 
Geralmente, os das aldeias, menosprezam e não dão qualquer tipo de valor e importância a este tipo de casario tradicional. São geralmente construções destinadas a cortes, palheiros,  arrumos, e adegas. Com interior de chão térreo ou,  no caso das cortes, com chão em palha e tojos para fazer ou curtir fertilizante (estrume) para as terras de cultivo. Claro que nos tempos de hoje com a mecanização das alfaias agrícolas a maioria deste casario está dotado ao abandono ou em ruínas, mas mesmo assim é ele que ainda vai fazendo a tipicidade das nossas aldeias rurais e que atrai o olhar interessado e diferente dos apreciadores daquilo que é genuíno nas nossas aldeias. Eu sou um deles.
 
Mas vamos até Roriz.
 
Roriz é aldeia e freguesia (única aldeia da freguesia) com 7,23 Km2, dista 23 quilómetros da cidade de Chaves e fica em plena montanha (terras da castanheira) e faz fronteira com as freguesias de Travancas, S.Vicente da Raia e Cimo de Vila da Castanheira. Segundo o censos de 2001, possui como população residente 211 individuos, 85 famílias e 159 alojamentos. Lendo os números, temos 2,5 pessoas por família e metade dos alojamentos não são habitados, ou seja também sofre do envelhecimento da população, mas mesmo assim, é uma aldeia que ainda está longe da desertificação e muito graças à riqueza das terras de cultivo, (desde os legumes, à batata, cereais, castanha, e outra fruta, entre outros e em abundância) e claro que também com alguma pecuária.
 
Quanto ao topónimo Roriz, dizem os entendidos que provirá de Rodericus, ou de uma Vila Roderici, existente em 968. Sabe-se que em 1258 já a designação da aldeia era Roriz.
 
A padroeira da freguesia é a Nossa Senhora da Conceição que, suponho por distracção, nada pode fazer nas lutas da restauração quando (segundo reza a história local) a aldeia foi arrasada pelos espanhóis, ficando de pé apenas duas casas. Em retaliação (ainda segundo a história) os homens de Roriz juntaram-se a outros homens de outras localidades vizinhas e foram combater duramente, os espanhóis, na Cota de Mairos, onde os venceram. A partir desse momento o alto onde ocorreram os acontecimentos passou a designar-se por Alto da Escocha (suponho que de escochar ou seja: limpar, espatifar, matar, limpar o sebo, neste caso ao espanhóis).
 
No lugar da aldeia denominado de Castelim, há vestígios da civilização castreja e diz o povo que aí viveram os mouros. A cerca de três quilómetros existe o denominado Castelo do Mau Vizinho (referenciado pelos monumentos nacionais), que também poderá ter sido um castro romanizado, situado já na freguesia da Castanheira, na margem do rio Mouce, afluente do rio Rabaçal.
 
E para quem não conhece mas quer conhecer e visitar a aldeia, recomendo este trajecto: Chaves, Lameirão, Faiões, Assureiras, Águas Frias, Bolideira (abandonar a E.N.103), seguir em direcção a Dadim, Cimo de Vila e no largo principal virar à esquerda, que logo a seguir é Roriz. De regresso, bota pela estrada nova em direcção a S.Cornélio, desce-se a Mairos, Curral de Vacas, Vila Verde da Raia e novamente Chaves (via Outeiro Seco ou Stº Estêvão – tanto faz). Um passeio interessante para o dia de hoje ou amanhã (para residentes) ou a ter em conta para quem pensa visitar-nos.
 
E por hoje é tudo, mas amanhã há mais uma aldeia do nosso concelho.
 
Até amanhã!