Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Noval, Chaves, Portugal

29.09.07 | Fer.Ribeiro

 

.

Já há algum tempo que não ia por Noval. Aliás acho que nunca lá fui com olhos de ver (de ver para blog), mas na última visita, levei esses tais olhinhos e fiquei espantado com tanta beleza e contraste.
 
Espantado por ser uma aldeia que a apenas tão poucos quilómetros de Chaves e veste tanta ruralidade, no mais puro e rural que uma aldeia tipicamente rural e transmontana pode vestir. Nem parece que a cidade é ali ao lado, mas felizmente tudo no bom sentido.
 
É uma aldeia que ainda tem gente, trata dos férteis campos e culturas, tem crianças, água pura, cristalina e corrente a correr livremente nas bicas, enfim, uma aldeia que ainda é aldeia, embora a nossa interlocutora de serviço, enquanto esperava à entrada do “pobo”pela “beternária” para lhe “bêr” a égua que já não comia há quatro dias, se lamentasse que os filhos se lhe casavam e iam para a terra das mulheres. Mas aqui o “mal”, até nem está na aldeia, pois “já se sabe que as molheres puxam sempre pra terra delas” . Claro que sim, todos nós homens já há muito que sabemos disso!. Pormenores de parte, vamos lá até Noval.
 
Sem ir contra o que aqui já disse, Noval também tem o seu casario do núcleo tradicional bastante envelhecido e algum em ruínas, mas também tem algumas recuperações bem conseguidas e agradou-me ver a construção mais nobre da aldeia em plenas obras de restauro e recuperação. Construção que merecerá pela sua beleza um post futuro. Fica prometido.
 
A aldeia encontra-se situada na encosta da serra, virada a nascente, recebendo todo o bom sol da manhã que os seus terrenos muito férteis agradecem e que produzem batata, centeio, fruta e vinho, entre outras culturas. A aldeia, embora pequena, possui um interessante casario tradicional possuindo uma bela casa senhorial (a tal que está em obras)  da Quinta da Família Pereira e que foi pertença da família do Padre Adolfo Magalhães, que pela sua erudição (professor primário e de liceu, sócio correspondente do Instituto Português de Arqueologia, História e Etnografia, era amante da Arqueologia e Poeta. Foi professor no seminário e abade da Sé Catedral de Vila Real e pároco de Fornelos, Arcossó e Vidago) dá nome a uma Rua de Chaves em pleno Centro Histórico. Tem uma capelinha de devoção ao Divino Espírito Santo. Dos romanos há uma epígrafe na rocha sita no lugar do Cavalo do Mouro.
 
Noval pertence à freguesia de Soutelo e fica a 8 quilómetros da cidade de Chaves, o acesso é feito a partir da cidade por Casas dos Montes, Valdanta e Soutelo, sempre pela Estrada Municipal 535. Vizinhos com ligações importantes, os da Pastoria onde “as raparigas casam todas com os rapazes da terra” segundo a nossa interlocutora de serviço. Mas nem todas, digo eu.
 
Um abraço para o amigo e colega Guerra, músico dos “Pardais” e que nos brinda com o seu famoso vinho nas “festas da companhia”. Pena não estar na adega na altura da minha visita. Fica para a próxima.
 
Até amanhã, noutra aldeia da nossa Chaves Rural.
 
 

2 comentários

Comentar post