Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves Rural - Curral de Vacas - Stº António de Monforte

30.09.07 | Fer.Ribeiro

 

.

Curral de Vacas, Chaves 3 de Setembro de 1991 – À semelhança de tantas outras que me ocorrem penosamente à lembrança, também esta terra, infelizmente, perdeu a identidade. Mudou de nome, alinhou as moradias, secou-lhe no largo o negrilho centenário que a tutelava, deixou apagar o forno do povo, pôs fim às representações do Auto da Paixão, que a notabilizavam e aqui me trouxeram pela primeira vez. Com todas as raízes cortadas, ninguém se orgulha mais do tapete de bosta que lhe almofadava os passos logo ao nascer. Cada morador, com quem falo e comento a degradação, parece ter perdido a memória das antigas feições. Até o patriarca, que foi durante a vida inteira titular da figura de Cristo no drama sagrado, e era pelo ano adiante a figura carismática da povoação, no que diz e me diz é um estranho a si próprio, um Zé-ninguém indigno da majestade que Dante lhe nimbava a rude fisionomia de cavador. Nem o consigo ver, como vi, a morrer santamente na consternação de todos pregado na cruz do calvário, nem, depois, a festejar alegremente com os amigos, lascas de presunto e copos de vinho tinto, a sua ressurreição.
 
Miguel Torga – Diário XVI
 
Bem poderia terminar o post com as palavras de Miguel Torga e ficava completo, pois em meia dúzia de palavras resume bem a realidade de Curral de Vacas que hoje se quer como Stº António de Monforte.
 
Também eu, e suponho que muito gente, a primeira vez que fui a Curral de Vacas foi para assistir a um Auto da Paixão, decorriam então os finais dos anos 60, e era acontecimento sério que levava à aldeia gente de todo o concelho e até dos concelhos vizinhos e é também o tal negrilho que eu guardava como imagem de marca da aldeia. Mas também estaria a ser injusto se terminasse o post com as palavras de Miguel Torga e não deixasse aqui algumas palavras sobre a aldeia de Curral de Vacas e a freguesia de Stº António de Monforte.
 
Curral de Vacas fica a 12 quilómetros de Chaves, pertence à freguesia de Santo António de Monforte que tem uma área de 10,31 km2, uma população de 508 habitantes e 512 eleitores, da qual faz parte também a povoação das Nogueirinhas. Faz fronteira com as freguesias de Stº Estêvão, Vila Verde da Raia, Lamadarcos, Mairos, Paradela e Águas Frias. É simultaneamente uma aldeia rural e aldeia dormitório da cidade de Chaves. Como rural produz essencialmente batata e centeio, dedica-se também à pecuária e à exploração leiteira e é também conhecida a qualidade e beleza dos granitos existentes e explorados em pequenas pedreiras familiares tendo como fim inevitável a construção, principalmente em paredes de moradias. O topónimo deverá estar ligado à abundante criação de gado bovino, que desde sempre se verificou nesta aldeia, embora haja outras teorias mais elaboradas. Curral de Vacas situa-se na encosta da serra da Cota. Pela sua localização, é um autêntico miradouro sobre o vale de Chaves e terras de barroso.
.
.
No Largo do Cruzeiro, onde antes estava o tal negrilho, é onde se desenvolve toda a vida da aldeia e onde está situada a sede da Junta de Freguesia, o lavadouro público, a velha fonte, o forno comunitário e dois cafés que de Verão têm sempre as suas esplanadas, sendo o largo atravessado pela estrada municipal que liga a Paradela e Mairos. Há ainda a destacar um interessante cruzeiro (na foto de hoje) e a capela da Senhora do Rosário. Bem perto, localiza se a bonita Igreja paroquial com um torre sineira galaico transmontana de dois sinos. No seu interior conserva se uma ara votiva ao Deus Larouco, curiosamente a Serra do Larouco é bem visível a partir da aldeia
O padroeiro da aldeia é Santo António cujos festejos em sua honra decorrem anualmente a 13 de Junho.
Entre esta aldeia e Paradela de Monforte, existe no lugar conhecido por Castro, a Fonte Santa cujas águas brotam entre fragas e nunca secam, mesmo no pino do Verão, por isso o povo lhe atribui virtudes curativas. Este lugar é rodeado pela Lama do Cachão, ribeiro de Arcossó, pela Corga e Quintas. A Pitorca, também designada de Fraga da Moura, possui a sua lenda. Conta-se que sobre essa fraga, diariamente, se penteava uma linda moura com um pente de ouro.
E sobre Stº António de Monforte para uns e, Curral de Vacas para outros naturais, que ainda sentem orgulho no nome e até fazem questão de o vincar, vai estando tudo dito e é de lá que me despeço e de novo o blog regressa à cidade…

Até amanhã

5 comentários

Comentar post