Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Cela - Chaves - Portugal

01.12.07 | Fer.Ribeiro

 

.

 

E como hoje é Sábado, vamos até mais uma aldeia.
 
Hoje toca a sorte à CELA.
 
Cela é aldeia e sede de freguesia, à qual pertencem as aldeias de Ribeira do Pinheiro, Ribeira de Sampaio e Tresmundes.
 
Quanto a dados da freguesia, sabemos que 3.8 Km2 de área, uma população residente de 228 pessoas, 76 famílias e 104 fogos de habitação. Dados dos CENSOS 2001 e que comparados aos de 1981, verificamos que também a freguesia sofre do mal das aldeias, da desertificação, pois nessa data (81) Cela (freguesia) tinha 371 pessoas, ou seja mais 143 pessoas, quase o dobro da população actual, mas mesmo assim, não é das piores e ainda vai havendo vida na freguesia da Cela.
.
.
 
Mas vamos até à Cela, aldeia.
 
Fica localizada em plena Serra do Brunheiro, a 650 m de altitude, com vistas para S.Lourenço, Vale de Chaves e serras da Galiza. A 10 quilómetros de Chaves, o acesso é feito pela estrada Chaves-Valpaços, logo a seguir a S.Lourenço. Pouca população, mas mesmo assim suficiente para ter um Grupo Cultural e Recreativo, com um Rancho Folclórico,  que já tem andado por esse mundo fora e que marca sempre presença em todas as feiras e romarias da cidade.
.
.
 
Quanto à ocupação da população da aldeia, muitos (dos poucos habitantes) trabalham na cidade, um pouco de agricultura, mel e algumas ovelhas, um pouco de vinho, batata, milho e centeio. É terra que dá disto tudo, desde que seja cultivada, o que cada vez é menos e pelas razões óbvias da falta de população e das culturas não darem sequer para sobreviver. O Pouco que se vai fazendo, é como um extra ou remedeio da casa.
.
.
 
A aldeia é composta pelo seu núcleo antigo que se desenvolve ao longo da rua principal e que inicia num cruzeiro e curiosamente termina também num outro cruzeiro, passando, claro , pela sua Igreja Matriz muito antiga, da devoção à Senhora das Neves, de uma só nave com características românicas. Mas também se tem desenvolvido, com algumas construções novas ao longo da estrada de acesso à aldeia.
.
.
 
É também terra de lendas, uma delas reza que há muitas centenas de anos a imagem da Senhora das Neves estava numa capelinha no sítio de Sampaio, perto da ribeira. Misteriosamente a imagem desapareceu dessa capela e foi encontrada no Lugar do Outeiro, junto a Cela. A população admirada e sem compreender o que havia acontecido, trasladou de novo a imagem para a sua capelinha. Mas, passado algum tempo, tornou a desaparecer a imagem do seu altar e voltou ao Outeiro. Então a população decidiu erigir uma igreja para a Senhora das Neves nesse mesmo local.
.
.
 
Outra está relacionada com uma grande fraga existente perto da aldeia, no lugar de Pena da Águia. Conta a lenda que as águias costumavam fazer o ninho no cimo dessa fraga. Um jovem da terra quando foi pedir a noiva em casamento, o pai desta impôs ao rapaz, como condição para satisfazer o pedido, que subisse ao alto da rocha e lhe trouxesse uma pena de águia. O rapaz com todos os sacrifícios conseguiu satisfazer o homem, que lhe concedeu a mão da filha, e o lugar passou a designar-se, por este facto, Pena d'Águia.
.
.
 
Quanto ao topónimo Cela, o Abade de Baçal referiu que Cela poderá ter alguma afinidade com o texto epigráfico Coelernos que figura, como um dos dez povos enumerados na coluna da ponte de Trajano em Chaves.
 
Outra teoria, esta de Pinho Leal defendida no Portugal Antigo e Moderno, refere que a designação de Cela poderá ter origem no antigo costume de uma mulher se emparedar, enclausurar-se. Para isso fazia um casebre, metia-se nele e aí vivia.
.
.
 
Quanto às fotos que hoje vos deixo, são as possíveis de um fim de tarde de Inverno, à excepção da foto da Igreja, que é do verão de há dois anos atrás. Tentei apresentá-las pela ordem de entrada na aldeia, até ao último cruzeiro onde está a sede da Junta de Freguesia.
 
E por hoje é tudo, desde a Cela aldeia, pois quanto às restantes aldeias da freguesia, Tresmundes já passou pelo blog, mas tornará a passar com mais fotos e as duas ribeiras, a de Sampaio e do Pinheiro, também terão aqui o seu espaço.
 
Entretanto, até amanhã, noutra aldeia do nosso concelho.
 

1 comentário

Comentar post