Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

08
Dez07

Vilarinho das Paranheiras - Chaves - Portugal

 

.

 

E vamos até mais uma aldeia, que também é sede de freguesia, aliás a única aldeia da freguesia: - Vilarinho das Paranheiras.
 
Vilarinho das Paranheiras situa-se na margem esquerda do Rio Tâmega, desenvolve-se junto a Estrada Nacional 2, a 15 quilómetros de Chaves e 2 de Vidago. Faz fronteira com as freguesias de Anelhe (do outro lado do rio), com Arcossó, Vidago, Selhariz, Vilas Boas e Vilela do Tâmega e desenvolve-se (a freguesia) ao longo de 3,8 quilómetros quadrados.
.
.
 
Segundo o CENSOS de 2001, tem como população residente 220 pessoas, 84 famílias e 134 alojamentos. Comparativamente com o CENSOS de 1981 (343 pessoas residentes), a aldeia perdeu 123 pessoas. Curiosamente, e acontece em quase todas as aldeias, tem méis eleitores (233) que residentes.
.
.
Pelos números facilmente se conclui que é mais uma das aldeias que sofre dos males da desertificação, isto em relação aos números oficiais existentes, e que se compreende apenas pelo abandono da actividade principal da aldeia, a agricultura. No entanto, sem quaisquer números oficiais que apoiem as minhas palavras e, por simples observação, penso que a população da aldeia está de novo a crescer, pelo menos as novas construções dos últimos anos para aí indicam e também é compreensível, dado os bons acessos que possui, a proximidade de Vidago e do nó da Auto-Estrada, transformam-na numa excelente aldeia dormitório, pois de agricultura, nada, e aquela de que não se cultivam os campos por falta de mão de obra, é uma das maiores mentiras desde sempre inventadas por quem quer justificar as desertificações das aldeias, pois os campos foram e continuam a ser abandonados porque não são rentáveis e nem sequer chegam a dar para o sustento de uma família, e temos pena, principalmente em terras como Vilarinho das Paranheiras que produziam um dos melhores e apreciados vinhos da região que, a custo, ainda se vai produzindo algum, por pura carolice e para consumo da casa.
 
Traçado que está a “vida” da aldeia, vamos a um bocadinho de história, religião e devoções.
.
.
 
Pela informação dispersa, como sempre, consegui apurar que na freguesia foi encontrada uma enorme quantidade de peças arqueológicas, de origem muito remotas. O Castro da Ribeira de Vilarinho, próximo do Rio Tâmega, bem como algumas peças romanas em cerâmica, testemunham a presença romana e também a celta.
 
Em termos históricos, a aldeia viveu de forma bem intensa os momentos intensos e difíceis das Invasões Francesas, pois foi esta a aldeia e terras que os guardas avançados dos soldados invasores escolheram para atravessarem o Rio Tâmega para a margem direita, suponho que pelos pontões de pedra ainda existentes no Tâmega e onde o rio tem menos profundidade. Este atravessamento foi feito com a finalidade de se reunirem ao grosso do exército napoleónico que se encontrava nos arredores das Alturas de Barroso.
.
.
Quanto a religião e arquitectura religiosa, além de um interessante cruzeiro no centro da aldeia, tem também uma interessante Igreja barroca de devoção a S. Francisco, onde se destaca a imagem de Santa Senhorinha, rara e interessante porque o seu nome se encontra ligado às lendas da Ponte da Misarela, situada no concelho de Montalegre.
Segundo a documentação que consegui encontrar, o orago da freguesia é S.Francisco, no entanto (nos meus papeis) a festa é em honra da Srª da Saúde e realiza-se no último Domingo de Agosto. Penso haver aqui uma pequena contradição e, talvez até nem esteja correcto o que deixo escrito ao respeito. Se houver por aí algum natural da aldeia que possa esclarecer, nós agradecemos.
Quanto ao casario, há o novo que se desenvolve junto à nova variante da estrada nacional, que se desenvolve também ao longo do troço da EN desactivado. Mas é o núcleo histórico da aldeia sobre o qual recai o interesse do casario, do tradicional, do granítico onde ainda se ostentam alguns frontões ou janelas artísticas.
.
.
Nesta aldeia de Vilarinho das Paranheiras nasceu o frade franciscano Afonso Domingues Diegues, escritor e grande orador, que missionou e evangelizou as populações do México. Outro ilustre transmontano, o Padre João Vaz de Amorim deixou o seu nome ligado a esta freguesia onde nasceu. A sua residência, ostenta no portal da entrada, uma lápide evocativa da grandeza deste homem.
De lamentos, apenas o abandono da agricultura e de algumas vinhas, bem como a desactivação da linha de caminho de ferro e da Estação, que hoje ainda é um belo edifício, como todas as estações, mas abandonada a meter dó. Também temos pena, pela estação, pela linha desactivada e que o vinho de Vilarinho das Paranheiras se venha a perder num futuro próximo. Lamentos dos quais a aldeia não é culpada, pois mais uma vez os culpados são os mesmos, ou sejam, políticos e políticas errados(as).
Até amanhã em mais uma das nossas aldeias.

34 comentários

Comentar post

Pág. 1/2

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      “OUTONICE”Porra! Porra! Porra!Como se já não me ba...

    • Tudo Mesmo

      Linda mesmo.

    • Tudo Mesmo

      Tem fotografias muito boas.Com prazer mesmo.Igualm...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo comentário e boa semana!

    • Tudo Mesmo

      Bom dia,Inspiração para um dia de trabalho, ai, ai...