Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Sanfins da Castanheira - Chaves - Portugal

30.12.07 | Fer.Ribeiro

 

.

 

Hoje vamos até Sanfins da Castanheira.
 
Sanfins da Castanheira é sede de freguesia, à qual pertencem as aldeias de Mosteiro, Parada, Polide e Santa Cruz da Castanheira, fica a 24 quilómetros de Chaves e desenvolve-se bem lá no alto da montanha por uma área de 16,3 quilómetros quadrados e faz fronteira com as freguesias de Cimo de Vila da Castanheira, S.Vicente da Raia e os concelhos de Vinhais e Valpaços (Lebução e Bouçoaes).
.
.
 
Quanto a dados estatísticos do CENSOS 2001, tinha nesta data 308 pessoas de população residente, 129 famílias e 252 habitações. Comparando com os CENSOS de 1981 em que tinha como população residente 824 pessoas, vemos que em apenas 20 anos perdeu quase dois terços da sua população para a cidade, grandes centros e emigração. Isto são dados da freguesia e embora seja válido para todas as suas aldeias, não o é por igual. Por observação, penso que as aldeias que sofreram mais com a desertificação foram Parada e Polide, pois Sanfins e Santa Cruz parece-me não ter perdido tanta população como as duas primeiras.
.
.
 
Quanto à aldeia de Sanfins propriamente dita tem a característica de “entrar” por Cimo de Vila adentro e o contrário também se aplica, pois para mim que não conheço o limite das duas freguesias e aldeias, nunca sei onde começa uma e acaba a outra. À primeira vista (desinformada) parece tratar-se apenas de uma aldeia.
 
Como o nome indica, Sanfins da Castanheira é terra de castanheiros, mas não tanto como o nome nos possa levar a pensar. Agricultura é a do costume, praticamente de subsistência e pouco mais. Alguma pecuária, muito menos que há uns bons anos atrás. Políticas das quotas do leite (suponho) e, outras políticas agrícolas, têm contribuído para a desertificação destas populações. Tirando-lhes o seu único rendimento (pecuária e agricultura) mais nada lhes resta e,  só a velhice ou muito amor às suas aldeias é que os vai prendendo por lá.
.
.
 
Todos lamentamos, pois com a desertificação das aldeias, perde-se também muito daquilo que temos de genuíno e muitas tradições ligadas à terra, à religião e às povoações. Coisas simples que fazem a sua identidade e que jamais serão recuperadas.
 
As festas da terra são em Agosto. Não me refiro às festas religiosas, mas à festa da gente e dos seus filhos, pois é em Agosto que todos se vão juntando por lá, principalmente os emigrantes, que em Agosto dão vida às ruas e às casas.
 
Segundo reza a história mais antiga, foi uma das freguesias mais importantes do arciprestado de Monforte. O onomástico Sanfins provém do orago da freguesia que é São Pedro Fins. Em toda a envolvente da freguesia foram encontrados vestígios de povoamento remotos, até da Pré-história. Existem também nesta área sepulturas e sarcófagos da Idade Média.
.
.
 
Segundo a história mais recente, a freguesia, principalmente Sanfins e Mosteiro, está também ligada à guerrilha antifraquista, pois também era por aqui que os guerrilheiros tinham casas de abrigo, como alias já foi referido nos posts dedicados ao Cambedo.
 
E claro que não podia terminar sem referir a família Pinheiro, na qual tenho amigos de há longa data e foi pela mão deles que já há muito descobri a freguesia na festa de Stª Cruz, com um abraço para o Zequinha, o Arnaldo e, claro, o Presidente da Junta.
Até amanhã de regresso à cidade.
 
 

19 comentários

Comentar post

Pág. 1/2