Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Valverde - Chaves - Portugal

19.04.08 | Fer.Ribeiro


.

Se tivesse de dividir o concelho por partes, onde cada uma tivesse características idênticas, talvez o dividisse em 5 partes, a saber:

 

-  A zona do Grande Vale de Chaves ou do Tâmega, onde está incluída a cidade de Chaves e todas as aldeias que vivem à volta e ao longo do vale, onde está instalada a maioria da pouca industria existente, quase todo o comércio do concelho, e com terrenos agricolamente férteis, servido quase todas as aldeias de dormitórios e onde reside a maioria da população do concelho.  

 .

.


Depois do Grande Vale e começando de Norte para Sul e de Oeste para Este, teríamos:

 

- A Zona Barrosã que seria constituída por todas as freguesias que fazem fronteira com parte da Galiza,  concelho de Montalegre e parte de Boticas, com limite em Seara Velha.

 

- A Zona do Planalto de Monforte e da Raia onde incluiria todas as aldeias a partir das freguesias de Stº António de Monforte e Águas Frias até à raia Galega, concelho de vinhas e parte de Valpaços.

 

.

.


- A Zona da Montanha que englobaria todas as freguesias e aldeias do alto da Serra do Brunheiro e da Serra da Padrela.

 

- A 5ª e última zona à qual eu chamaria Zona de Vidago e englobaria grande parte do concelho a Sul de Chaves e a Oeste das montanhas, com vertentes para o Tâmega.

 

Claro que esta divisão não passa da minha divisão pessoal do concelho, onde dentro destas, há pequenas zonas com características muito próprias e que,  claro, é discutível. Mas são as regiões ou zonas do meu imaginário.

.


.

 

Pois para a aldeia que hoje é convidada neste blog – Valverde -  não hesitaria nada em engloba-la na Zona de Vidago, não só pela sua proximidade (2 a 3 quilómetros), mas pelas suas características perfeitamente identificáveis com as restantes desta zona, com terras de pequenos vales verdes e também férteis, região de bom vinho, floresta (talvez a mancha verde mais importante do concelho), e uma forte ligação à Vila de Vidago.


 .

.


Mas vamos até Valverde.

 

Valverde pertence à freguesia de Selhariz e fica a 15 quilómetros de Chaves e a aproximadamente 3 quilómetro de Vidago.

 

Tal como o seu nome indica, é verde e tem dos tais pequenos vales, férteis. Aliás a principal actividade da aldeia é a agricultura e nada me espanta que nos bons tempos do termalismo de Vidago, Valverde funcionasse como uma das suas hortas, entre outros abastecimentos.

 

.

.


Em termos de população, infelizmente é o costume das nossas aldeias mais distantes do Grande Vale de Chaves, ou seja, uma população mais ou menos envelhecida, poucas crianças e alguns emigrantes. Segundo os Censos de 2001 Valverde tinha 36 homens e 38 mulheres, num total de 74 pessoas, das quais 29 tinham mais de 65 anos e apenas havia 2 crianças com idade inferior a 10 anos, e 11 jovens entre os 10 e os 20 anos. Acho que os números (embora de há 7 anos atrás) dizem tudo e não serão necessários mais comentários, mesmo assim e, comparando com algumas das aldeias da Zona de Montanha, Valverde ainda é uma aldeia com vida.

 .


 

.


Para concluir e sintetizando a aldeia de Valverde poderei dizer que se encontra entre verdejantes campos. Do aglomerado urbano, com muita construção já do tempo do betão e do tijolo,  destaca-se ainda uma grandiosa casa rural de granito, infelizmente e como é costume,  em ruínas, com uma interessante e imponente chaminé, acompanhada de uma outra muito minúscula, mas igualmente bela e ambas artisticamente elaboradas. Como terra rica em oliveiras, existiu em tempos um lagar de azeite, Mas foi também terra rica em “pão” pelo que ainda existem por lá as ruínas de um antigo e bucólico moinho em granito.


Segundo consegui apurar, nesta aldeia nasceu o Tenente Coronel António Vítor Macedo, o primeiro militar que em terras transmontanas, proclamou e defendeu a liberdade constitucional.

.


.


A capelinha é dedicada a Santo Amaro, advogado dos ossos, que é festejado a 15 de Janeiro de cada ano, hoje capela mortuária, pois a uma escassa dezena de metros foi construída uma nova capela, também em granito e maior.


E sobre Valverde, além de ser uma aldeia que se cruza no itinerário de algumas estradas e caminhos municipais de interessantes destinos, nada mais há a dizer.


Amanhã cá estarei de novo com mais uma aldeia do nosso concelho.


Até amanhã!

 

 

2 comentários

Comentar post