Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Dadim - Chaves - Portugal

20.04.08 | Fer.Ribeiro


.

Então vamos até uma daquelas 5 grandes zonas do concelho que é a de Monforte, da Raia e também da Castanheira. Vamos até Dadim.

.

 

.

 

Pois há dias num dos Sábados das minhas recolhas fotográficas pelas aldeias, levava em mente as Assureiras, depois Sobreira, Avelelas, Vila Nova, Oucidres, Vilar de Izeu, Bobadela e Bolideira. Já sabia que o tempo seria pouco para fazer todas as aldeias, por isso, chegado às Assureiras, resolvi primeiro ir à Bolideira, mas como passei por Águas Frias, resolvi tomar aí umas fotos, e depois lá fui à Bolideira. Depois da Bolideira, e já que ali estava, pensei que me faltavam ainda tomar umas fotos de Cimo de Vila da Castanheira. Então resolvi ir até lá. Claro que passei por Dadim. No regresso, na

 

.

 

.

 

aproximação a Dadim, pensei para comigo: “engraçado como há mais de 20 anos que vou passando por Dadim, sem nunca lá ter tomado uma foto. O problema penso mesmo que é da estrada nova passar ligeiramente ao lado do seu núcleo antigo, e as novas construções ou mais recentes, nas despertarem muito para fotografia. Mas bem, já que ali estava, resolvi entrar em Dadim e só quando a noite se aproximava, já depois do sol posto, é que saí de Dadim.

 

.

 

.

 

Mais uma vez o meu itinerário fotográfico tinha saído furado, aliás como acontece sempre. Estranhar seria que o seguisse com rigor e tudo porque há uma ou outra coisa que nos prende mais do que aquilo que prevíamos, tal como me aconteceu em Dadim.

.

 

.

 

Fiquei preso a Dadim pelo seu casario antigo, o tipicamente tradicional das nossas aldeias de granito, mas mais que o casario, quem me prendeu, foram mesmo as conversas com o pessoal de Dadim, sobretudo as mulheres, que além da conversa, dos lamentos e dos recados para o Sr. Presidente, me iam mostrando a Igreja velha da qual muito se honram e as casas, que antes estavam cheias de gente e que agora caem aos bocados. “Os novos partem para fora e os velhos morrem, depois é isto, caem, porque ninguém toma conta delas” vão-me dizendo, enquanto pedem uma foto aqui ou ali.

.

 

.

 

Mais que servirem de cicerones, as mulheres de Dadim tinham era necessidade de falar dos filhos que partiram, mas que graças a Deus estão bem, pois por lá nada tinham para ganhar o pão de cada dia, e foram para o Porto, para Lisboa, para à Guarda ou Polícia, estudaram e têm os seus empregos na cidade ou emigraram para a França, Suiça ou ode calhou melhor. Fui ouvindo também os seus lamentos, que não eram por elas,  mas por uma aldeia que as viu nascer e que vêem aos poucos, casa a casa, morrer. Falo-vos do casco de Dadim, pois tal como nas outras aldeias, é mais fácil e barato construir de novo junto à estrada do que reconstruir e recuperar as antigas casas, mesmo porque as antigas (pelas suas dimensões) não lhes oferecem o conforto que hoje se exige.


.

 

.


Quanto a recados para a cidade, anseiam por um Lar e Centro de Dia, para os quais até já têm umas pequenas instalações que há anos foram executadas para o efeito, mas que estão fechadas. Penso mesmo que (embora não seja a única) é coisa que a gente mais velhota da aldeia anseia e necessita, ou seja, algum apoio e alguém que os oiça.

.

 


.

 

Quanto os que por lá fazem novas casas junto à estrada, claro que não os critico, antes pelo contrário, pois geralmente são os (poucos) casais mais novos que as constroem, o que significa que optaram pela sua aldeia e não pela partida e, enquanto houver gente nova a construir, há vida nas aldeias e algumas crianças. Também há as construções novas dos emigrantes, que embora não estejam na aldeia, demonstram a sua vontade de um dia regressar a ela.

.

 


.

 

Mais que desertificada, Dadim é uma aldeia envelhecida, quer nas casas do seu casco, que nas pessoas. Vimos ruas com gente, muita gente até, mas durante quase duas horas que estive por lá, não vi uma única criança na rua. Não digo que não as haja, pois deve haver, poucas como de costume, mas também as ruas já há muito que não são o palco das suas brincadeiras.

.

 


.

 

Mas vamos aos números de Dadim.

 

Em termos de população residente (dados do Censos 2001) existam 126 pessoas residentes (59 homens e 67 mulheres), dos quais 34 tinham mais de 65 anos, 63 pessoas entre os 25 e os 64 anos, 32 jovens entre os 10 e 15 anos e 5 crianças até 9 anos. São dados de 2001 que não precisam de legendas, pois dizem tudo.

 

Dadim fica a 23 quilómetros de Chaves e pertence à freguesia de Cimo de Vila da Castanheira.

.

 

.

 

Li algures que a capela é de devoção a Santa Bárbara. Na aldeia disseram-me que era de devoção ao Anjo da Guarda cuja festa realizam todos os anos no 2º Domingo de Agosto, pelo menos desde que a festa em honra de S. João Baptista acabou. Esta última tinha a particularidade de ser uma festa da freguesia que se realizava quase alternadamente em Cimo de Vila e em Dadim, pois durante dois anos realizava-se em Como de Vila e um ano em Dadim. Mas já há muitos anos que não a fazem, e agora cada aldeia faz a sua.

38 comentários

Comentar post

Pág. 1/3