Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Quem roubou o 19º arco à Ponte Romana de Chaves, a nossa top Model?

01.10.08 | Fer.Ribeiro

 

.

 

Quem roubou o 19º arco à Ponte Romana de Chaves, a nossa top Model?

 

Se não fossem as recentes obras na nossa top model, aos meus olhos, ela seria como sempre foi e como sempre a conheci desde que nasci.

 

Todos sabemos que a nossa Ponte Romana nem sempre foi assim e desde o seu nascimento já sofreu muitas alterações. Dado a falta de documentação completa ou compilada sobre a Ponte Romana desde o seu nascimento até hoje, vamos sabendo algumas coisas ao seu respeito, mas para outras, temos que ter boa imaginação para a conseguirmos ver no seu todo, começando logo pela sua imagem quando foi construída, com os seus arcos todos à vista, muito antes (mil e tantos anos) sem ter ainda construções adossadas a ela de um e outro lado das margens do Tâmega.

 

A documentação que agora está mais acessível a todos e mais rápida, é a que a internet vai disponibilizando. Desde a Wikipédia, a enciclopédia on-line que embora tenha o seu mérito em termos de reunir informação, peca por não ser fiável e por muito do que por lá se diz, embora com boas intenções, não ser verdade ou pelo menos com falta de rigor.

 

Vejamos então o que diz a Wikipédia a respeito da Ponte Romana:

 

“Ponte Romana de Chaves (Séc. I - II) também designada, Ponte de Trajano, foi construída entre fins do século I e o início do século II d.C. A par do desenvolvimento das termas, constitui um dos melhores legados romanos da antiga Aquae Flaviae, que prevalece até aos nossos dias, resistindo a históricas cheias, e às fortes correntes do rio Tâmega. Com aproximadamente centena e meia de metros de comprimento e uma dúzia de arcos visíveis, as obras efectuadas nos anos 30, cobriram alguns dos arcos e outros ainda soterrados na construção dos casarios ali implantados e sobranceiros ao rio. Sendo o Ex libris da cidade, é com justiça o elemento mais apreciado e fotografado da cidade de Chaves.”

 

Mas se a Wikipédia pode não ser muito precisa, a página oficial da Câmara Municipal no que respeita à Ponte Romana também não o é, aliás o texto e conteúdo da Wikipédia é quase uma cópia do texto e conteúdo da página da Câmara, que passo a transcrever:

 

“A Ponte Romana também conhecida por Ponte de Trajano foi construída entre o fim do século I e o início do século II d. C. Este foi, talvez, o melhor contributo que os romanos deixaram à antiga Aquae Flaviae. Tem cerca de uma centena e meia de metros de comprimento e uma dúzia de arcos, apesar de as obras de regularização efectuadas nos anos 30 tenham coberto alguns arcos. 

Também se supõe que nas duas margens do Rio alguns arcos tenham sido subterrados para efectuar as construções que ali se implantaram. Ainda hoje se podem ler duas inscrições colocadas em duas colunas a montante e a jusante da Ponte Romana.
 
A primeira diz que “Imperando Cesar Nerva Trajano Augusto Germanico Dacico, pontifice máximo, com poder tribunício, cônsul a 5ª vez, pae da patria, os aquiflavienses trataram de fazer à sua custa esta ponte de pedra”; a Segunda diz que “”Imperando Cesar Vespasiano Augusto, pontífice máximo, com poder tribunício a décima vez, imperador a vigésimo, pae da patria, cônsul a nona vez, imperando também Tito Vespasiano Cesar, filho do Augusto, pontífice, com poder tribunício a oitava vez, imperador a decima Quarta, cônsul a sétimo (...) sendo legado do Augusto o propretor caio Calpetano Rancio Querinal Valerio Festo e sendo legado do Augusto na Legião Sétimo, Decio Cornelio Meciano e procurador do mesmo Augusto, Lucio Arruncio Maximo, a Legião Sétimo Gemina Feliz e dez cidades, a saber: os Aquiflavienses, os Aobrigenses, os Bibalos, os Coelernes, os Equesos, os Interamnicos, os Limicos, os Nebisocos, os Quarquernos e os Tamaganos (...)”.”

 

.

.

 

Começando pelas obras dos “anos 30” que para leigo desprevenido, foram obras que aconteceram antes mesmo da ponte ser construída, a julgar pela data. Mas afinal qual foi o ano, 1930, 1830, 1730…Entre outras, uma das imprecisões de tudo que tenho encontrado na net e outra documentação escrita em papel tem a ver com o número de arcos da ponte. Em todos os documentos há consenso quanto ao número de arcos à vista (12), mas não o há quanto ao número total de arcos da ponte actual, incluindo os soterrados e não visíveis, bem como não existe nenhuma referência a número total de arcos que a ponte tinha inicialmente.

 

Em alguns escritos, ou na maioria, defendem que a ponte na totalidade tinha e tem 18 arcos (12 à vista e 6 soterrados). No entanto já vi escritos em que dizem ser 16 e até, outro escrito (on-line na net),diz ter 22 arcos. Pois eu (pessoalmente) penso que a ponte inicialmente tinha 19 arcos e que depois de lhe terem “roubado” 1, ficou com os actuais 18, pois ao que consta em alguns escritos a ponte, sem haver precisão na data e nas causas, ruiu pelo menos num troço de 3 arcos, sendo posteriormente reconstruída, mas com menos um arco (empreiteiros!). Prova disso mesmo, segundo a minha análise pessoal, está nas duas fotos que vos deixo a seguir, sendo a primeira uma foto actual (de autoria do nosso convidado de ontem) e a segunda uma foto trabalhada/montagem com a reposição do tal arco que lhe “roubaram”.

 

É apenas um pormenor curioso para quem não sabia ou nunca reparou nisso.


.

.

 

E hoje a respeito da nossa Top Model fico-me por aqui, consciente de que a sua história merecia um estudo aprofundado e rigoroso de especialistas e craques na matéria, além de (já o defendi aqui várias vezes) pensar  que uma placa, simpática e com o resumo da sua história, ficaria bem colocada junto à sua entrada (de ambos os lados). Mas já agora, só depois de se fazer o tal estudo o mais rigoroso possível quanto à sua história.

 

Mas hoje fico por aqui para não esgotar tema de conversa, pois além de haver algumas imprecisões quanto à sua história, é sempre agradável fotografa-la, visitá-la e falar dela, eu diria mesmo que esta Top Model é mesmo um vício.

 

E já que falo em fotografar deixo por aqui também o anúncio de uma exposição colectiva de fotografia, com inauguração marcada para o próximo dia 3, às 18H30, no Centro Cultural de Chaves (antiga estação da CP), onde estarão presentes 6 fotógrafo(a)s cá da terrinha, entre os quais, o autor deste blog .

 

Fica o cartaz e quando puder passe por lá, de dia 3 a 25 de Outubro, onde pela certa a nossa Top Model também marcará presença.

 

.

.

 

Até amanhã, com coleccionismo de temática flaviense.

5 comentários

Comentar post