Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

A ponte Pedonal e o seu autor - Engº Mário Veloso

10.12.08 | Fer.Ribeiro

No post de ontem prometia para hoje mais Chaves e a nova atracção da cidade. Pois a julgar pela maneira como é concorrida, a nova atracção da cidade é a nova ponte pedonal e, não só por ser concorrida, mas também porque marca presença e não passa despercebida a ninguém. Mas ainda antes de entrarmos no post da ponte propriamente dita, que virá já a seguir, e,  porque é uma obra de arte, vamos iniciar pelo projecto, ou melhor, pelo seu autor, nem que fosse pela simples razão de ter sido um flaviense a projectá-la.

 

Vamos então ficar a saber um pouco do autor da ponte que concerteza nos levará a entender melhor a nova ponte pedonal, mas também um pouco do que “à margem” foi construído e implantado na cidade, onde as engenharias se aliam às matemáticas mas também à astronomia. No post da ponte, que virá já a seguir, entenderão do que aqui digo.

 

.

.

Mário Alves Veloso, nasceu em Tinhela, no concelho de Valpaços em Dezembro de 1955, vindo viver para Chaves com pouco mais de 1 ano de idade. Nesta cidade frequentou a Escola Primária da Estação, e depois o Liceu Fernão de Magalhães, que concluiu em 1973.

 

Ingressou no Curso de Engenharia Militar para o Exército, na Academia Militar; que veio a terminar em 1980, estando a frequentar o Tirocínio para Oficiais do Quadro Permanente na altura em que abandonou a carreira militar. Obteve a Licenciatura em Engenharia Civil, Ramo Estruturas, em1983, pelo Instituto Superior Técnico, onde mais tarde concluiu a parte escolar do Mestrado em Engenharia de Estruturas da UTL / IST de 1986/87. Fez ao longo da vida profissional vários cursos de formação complementar em áreas como Geotecnia, Dinâmica de Solos, Projecto Anti-sísmico, e Durabilidade, Reparação e Reforço de Estruturas.

 

.

.

 

É membro efectivo da Ordem dos Engenheiros, como Engenheiro Cívil, e com o título de Especialista em Estruturas.

 

Até 1987 exerceu em várias organismos e empresas funções de Projectista de Estruturas, nomeadamente na Direcção da Arma de Engenharia, GPE, ENASUL, HIDROPROJECTO, incluindo 2 anos na TECNOPROJECTO, na República Popular de Angola.

 

Em 1987 ingressou na TRIEDE SA, como director do Departamento de Estruturas, empresa de que passou a ser sócio e actualmente é administrador. Desde 1988 esteve permanente envolvido no projecto de pontes e viadutos, bem como no desenvolvimento de metodologias de projecto e meios de cálculo automático deste tipo de estruturas, assim como na formação juniores engenheiros e de pessoal técnico da empresa.

 

Foi Patrono de Estágio, para ingresso da Ordem dos Engenheiros, de mais de 20 licenciados em engenharia.

 

Entre 1998 a 2003 foi Professor Convidado numa universidade privada, leccionando as disciplinas Dimensionamento de Estruturas e Estruturas Especiais, onde exerceu ainda as funções de Director do Curso de Engª Civil até 2001, tendo presidido à sua reestruturação em 1999, e sendo autor do Plano de Curso entretanto aprovado pelo Ministério de Educação, e desde então em vigor.

 

Ao longo da vida profissional, e para além de diversos projectos que elaborou na área dos edifícios e estruturas hidráulicas, foi autor de várias dezenas de projectos de pontes, viadutos e outras estruturas rodoviárias e ferroviárias, entretanto construídos. Incluindo a Ponte de S. Roque, sobre o Rio Tâmega, em Chaves, e a nova atracção – a ponte pedonal.

São as seguintes algumas das suas obras mais significativas:

.

.

 

·       Túnel do Marquês de Pombal, em Lisboa, de desnivelamento das vias Av. Duarte Pacheco, Rua Joaquim António de Aguiar e Av. Fontes Pereira de Melo, consistindo num túnel a ao longo destas vias urbanas, com a extensão total de 1275m

 

·       Ponte do Pego, sobre o Rio Tejo, rodoviária e ferroviária, nos acessos à Central Termoeléctrica do Pego, próximo de Abrantes, com comprimento total de 550m

 

·       Viaduto sobre a Ribeira de S. Martinho, na A2, com comprimento total de 700m;

 

.

.

 

·       Viaduto de Algés, na CRIL, em Lisboa, composto por um viaduto principal de 650m e viadutos secundários de 250m e 300m;

 

·       Ponte da Ermida, sobre o rio Douro, junto a Resende, com vão total de 330m, vão central de 140m e altura de 80m, e construída por avanços sucessivos em consola;

 

 

·       Ponte sobre o rio Teixeira com comprimento total de 250 m, com vãos múltiplos de 60m e altura máxima de 50m;

 

É sempre importante saber quem está por trás das obras de arte e conhecer os nossos flavienses, embora este, até tenha nascido no concelho de Valpaços.

 

Vamos então até à nova ponte pedonal sobre o Rio Tâmega em Chaves.

 

Até já!

3 comentários

Comentar post