Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

O Velho "texas" visto por Ajhammu0

06.01.09 | fernando ribeiro

 

.

 

Há dias lia no Boletim Municipal que todos os anos, milhares de visitantes passam pelos vários espaços museológicos da cidade e que em 2007, por exemplo, tinham passado pelo Museu de Arqueologia, Arte Sacra e Militar, mais de 40 mil visitantes. Não duvido dos números quanto ao Museu Militar e ao de Arqueologia, porque sou testemunha que muita gente os visita, já duvido quanto ao Museu de Arte Sacra, pois das várias vezes que lá fui, nunca encontrei ninguém a visitá-lo e, diga-se que também não perdem grande coisa, por tão pobre que se apresenta.

 

Continuava o mesmo boletim, aliás até era título, que o Museu Ferroviário superava as expectativas no número de visitas e que durante o ano recebeu perto de 2.000 visitas. Este sim, é um museu que vale a pena visitar e apenas recebeu esse número de visitas porque não está tão divulgado assim e, poderia receber muitas mais, milhares, talvez até atingir ou ultrapassar o número de visitas ao Castelo se, calro,  o Museu Ferroviário fosse um museu vivo, com a locomotiva a circular e a composição de carruagens cheia de turistas, pelo menos entre as nossas duas estâncias termais de Chaves e Vidago. É um sonho meu desde sempre,  termos por cá o Texas a circular na antiga via estreita, mesmo que a auto-estrada em Vilarinho das Paranheiras já tenha feito os seus estragos, mas mesmo assim ainda é possível.

 

.

 

.

 

Para iniciar esse museu vivo, a Câmara Municipal, suponho que em sintonia com a CP, poderia pelo menos ter uma composição completa do velho Texas, à vista de todos em espaço aberto. Digo composição completa, com uma locomotiva e pelo menos uma carruagem de 2ª classe, uma de 1ª classe e vagão de mercadorias descoberto e outro coberto, tal como circulou durante várias dezenas de anos na Linha do Corgo. Poderia muito bem ter sido integrado no espaço do Centro Cultural, como aliás ainda esteve previsto num dos estudos e não me venham com a treta de que é impossível ou complicado fazer um comboio completo e ao ar livre, pois um particular, a expensas próprias,  está a fazê-lo na antiga Estação de Curalha. Claro que por lá, para além do dinheiro,  há também muito amor investido no comboio e na estação que recuperou e preservou, preservando também assim a memória de passado. Amor que é coisa que por cá falta a muitos.  São apenas desabafos, mas realidades também, de um sonho que não é só meu, pois penso que a grande maioria dos flavienses tem saudades do comboio.

 

.

 

.

 

Lamentámos, e eu sou um deles, que Lisboa nos tem para aqui esquecidos com as suas políticas centralistas ou pior que isso, convida-nos a ir para o litoral e grandes centros. Lamentamos sim senhor, mas também ninguém se queixa e vamos vivendo conformados com as perdas, e recordem, que começaram precisamente com o a perda do comboio. Excepção para a luta da população pela manutenção das urgências no hospital, mas, pelo que consta no seu próprio seio, hospital em Chaves tem os dias contados, e até talvez seja melhor assim, pelo menos perdemos a ilusão de ter um Hospital que só faz de conta que o é. Mas há que ter esperança, pois ao que consta por aí no diz-que-diz, vai ser um flaviense (ou já o é) a ocupar a chefia da região norte da saúde. Pode ser que com ele tenhamos de regresso um Hospital a sério, mas o mais certo, é que diga “ámen!” às políticas de Lisboa e venha a ser um flaviense o seu carrasco. De e em políticos, tem que se esperar de tudo, principalmente o mal para as populações do interior.

 

Mas voltemos de novo ao comboio e aos olhares de hoje que mais uma vez os descobri no Flickr. São de autoria de Ajhammu0, é este o seu nick e fora isso, apenas sei que é um inglês de Lancaster e que passou por Chaves em finais de Setembro do ano passado, e que de cá, apenas tem na sua galeria fotos a antiga estação e as “máquinas” do museu ferroviário. Curiosa é a o título/legenda que deixa na foto da estação: “ Chaves, Portugal. The  Train Station but the trains no longer run, “a conspiracy” the táxi driver told us.”.

 

.


.

 

Não sei se é o caso do nosso convidado de hoje, mas há a nível mundial um turismo de qualidade que percorre milhares de quilómetros e continentes à procura de passeios nos velhos comboios com locomotiva a vapor. Aliás, ainda deve estar presente na memória de muitos utilizadores do nosso antigo Texas a carvão, os turistas que entravam na Régua, todos pipis, vestidinhos de cor clara e só saiam em Chaves, todos farruscos, porque entretanto pelo caminho tomavam a máquina de assalto. Farruscos, mas felizes. Esta felicidade ainda podia durar por aqui.

 

Entretanto vamo-nos contentando com o museu ferroviário, mas insisto em que poderíamos ter por cá um museu vivo e linha entre Chaves e Vidago ou pelo menos, um comboio completo e ao ar livre, e quem sabe se até poderiam por a máquina a funcionar, pelo menos para fumegar e apitar pi-pi!. Gente interessada não falta e, estou em crer, que até na CP poderá haver interessados em que tal aconteça, cabecinhas por lá não faltam, mas claro, terão de ser pensadoras!

 

Quanto ao nosso convidado de hoje, o Ajhammu0, deixo como de costume linck para a sua galeria do flickr, que andou por Portugal, e ao que se julga pelas fotografias, bem mais interessado em fazer turismo pelo nosso interior do que pelo litoral ou grandes centros (excepção para o Porto cidade), só em Lisboa é que não entendem isso.

 

Galeria de fotos de Ajhammu0 aqui: http://www.flickr.com/photos/thecolchesterkid/

 

 

Até amanhã!