Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Nadir pelo mundo, neve por cá e a Rua Onze para descobrir - Notícias

06.02.09 | Fer.Ribeiro

 

.

 

Ainda antes de irmos para o discurso sobre a cidade de hoje e enquanto o nosso jornalista anda por paradeiro incerto, cabe-me a mim ir fazendo as notícias que acontecem e têm a ver aqui com a terrinha.

.

 

.

A Neve

A primeira, que tem sido uma constante dos últimos dias, é o frio e a neve, que como acontece por cá e já vai sendo habitual neste inverno, não é notícia em e desde Lisboa. Se fosse por lá, já tinha ardido o Carmo e a Trindade, como é por cá, já estamos habituados. Seria bom para a informação e para o conhecimento do Portugal real que um qualquer jornalista ou média nacional se instalassem dois ou três dias que fossem numa das nossas aldeias altas de montanha para saberem o verdadeiro sabor do frio e os seus custos.

Ontem (e quem sabe se não está a acontecer neste preciso momento) caiu mais um nevão nas nossas terras altas, e pelo que sei, será para se repetir no dia de hoje.

 

Paixão pelas formas e harmonias continua a inspirar Nadir Afonso

.

 

Foto de Dinis Ponteira

.

Mas a notícia de ontem, foi mesmo o Mestre Nadir Afonso ter sido mais uma vez notícia a nível nacional e em vários órgãos de informação (digital e papel), estando agendada e ainda para sair a notícia no semanário Sol, edição de Sábado.

 

É uma notícia da LUSA que entretanto também nos dá a conhecer mais uma exposição do Mestre Nadir a levar a efeito na Assembleia da República.

Para aqueles que ainda não tiveram acesso à notícia, aqui fica ela na íntegra:

   A paixão pelas formas e o prazer de criar proporções harmoniosas continuam a inspirar a pintura de Nadir Afonso. Aos 88 anos, não se arrepende de ter abandonado a arquitectura, uma arte que lhe criava problemas por ser «utilitária»

Mas talvez a arquitectura nunca tenha abandonado o artista nascido em Chaves, em 1920, porque as paisagens urbanas, na sua essência, mantêm-se vivas em inúmeras telas do artista.

Para assinalar os 70 anos de carreira do pintor, a Assembleia da República inaugura segunda-feira uma exposição intitulada As Cidades no Homem, com vinte telas produzidas desde a década de 1940 até à actualidade.

Em entrevista à Agência Lusa na residência e ateliê em Cascais, Nadir Afonso falou das fontes de inspiração e da essência da sua obra plástica.

Com uma obra representada dentro e fora de Portugal, em espaços privados e públicos, como por exemplo, os grandes painéis de azulejos da estação de metro dos Restauradores, em Lisboa, admite que continua a desconhecer por que razão as cidades o fascinam tanto.

«Sei apenas que me fascina alguma coisa que me toca. Nós somos atraídos pela harmonia e pela proporção das coisas. Posso não compreender, mas sinto, e o artista transmite aquilo que sente» , descreveu.

Admite que nunca viu algumas das cidades que pintou. «Para documentar uma obra tive que escolher alguns nomes de cidades, mas nunca as vi na realidade. O que me interessa é a sua essência», reiterou, sobre a sua visão das paisagens urbanas.

Para o pintor flaviense - que teve a sua primeira formação académica em arquitectura na Escola Superior de Belas-Artes do Porto, e depois em pintura na École des Beaux-Arts de Paris - o mais importante na obra de arte é a essência, e essa «é constante, não muda com o tempo».

«Por isso ainda hoje sentimos satisfação estética nas obras de arte egípcias, gregas ou do Renascimento» , exemplificou.

A matemática e as formas geométricas continuam a ser as maiores fontes de fascínio. «Um quadrado tem quatro ângulos perfeitamente iguais! Um círculo é um ponto central equidistante dos pontos periféricos. Isto é uma fantástica lei matemática que nos cria emoção», observou.

«São leis que ressoam no espírito e dão uma forte sensação de plenitude» , insistiu.

Classifica a estética da sua obra como «rudimentar» e considera-a muito «fácil de compreender», apesar de «muitos não estarem de acordo».

«O filósofo acredita que o artista transmite para a tela o que está na sua alma. Mas esta concepção da arte está errada. Vem tudo da natureza - contrapõe - e o espírito do homem é um receptor dessas leis que sente intensamente» .

Depois de ter estudado arquitectura, ainda chegou a trabalhar com Le Corbusier, em Paris, e Oscar Niemeyer, no Brasil, ambos arquitectos de grande renome que lhe permitiram sempre dedicar algum tempo à pintura, o que lhe proporcionou um grande prazer e até alívio.

Recordou que abandonou a arquitectura em 1965 justamente por sentir que lhe trazia «problemas».

«Se uma forma está harmoniosa não pode ser utilitária porque a proporção matemática é exigentíssima, e não permite que a forma suporte qualquer utilidade» , justificou, admitindo ter-se sentido incapaz de conciliar ambas.

«Eu sou muito exigente na composição. É sagrada» , disse, convicto.

No dia 09 de Fevereiro, pelas 18h00, o pintor Nadir Afonso estará na Assembleia da República para inaugurar a exposição As Cidades no Homem, que ficará patente até 20 de Março.

Lusa, 2009-02-05

 

Rua 11

E já diz o ditado que não há duas sem três, pois a terceira notícia do dia (de ontem) é que temos on-line mais um blog de autoria flaviense: O blog da rua onze que surge na sequência e é de autoria do Blog da Rua Nove.

 

.

 

.

Mais um blog a ter debaixo de olho, conjuntamente com os restantes blogs de autoria do mesmo autor (“Capas & Companhia”, “Ilusões Urbanas” e “Blog da Rua Nove” – todos com link na barra lateral). Autor que é também colaborador deste blog Chaves e do blog Chaves Antiga.

 

Ainda só com 1 dia on-line, mas já com muita coisa para ver e apreciar.

 

É mais um blog de visita obrigatória que eu recomendo.

 

Já a seguir mais um Discurso Sobre a Cidade de autoria de Tupamaro.