Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Discursos Sobre a Cidade - Decálogo de Segirei escrito em tábuas de pedra

06.03.09 | fernando ribeiro

 

.

 

Decálogo de Segirei

escrito em tábuas de pedra

 

 

um texto de José Carlos Barros 

http://casa-de-cacela.blogspot.com 
 

 

 

§ um:

 

Heraclito disse o que se sabe sobre as águas serem diferentes de cada vez que nos banhamos nelas; e que nós mesmos seremos diferentes. Metade é verdade: estas águas, ano após ano, são as mesmas; nós é que mudamos e somos outros de cada vez que as olhamos.

 

 

§ dois:

 

A integridade e o sentido de justiça, sobre todas as coisas, deveriam comover-nos. Eu, Ramiro, comovo-me sempre quando falas do teu entendimento do mundo. Como hoje, sentados na margem direita do rio Mente, ao insistires que a palavra de um homem é mais valiosa do que o próprio homem que a profere.

 

 

§ três:

 

Um apertado largo por entre casas de pedra; e a pedra da rua erguendo-se, irregular, a misturar-se nas paredes de pedra das casas. Às vezes é assim: apenas pedra sobre pedra. Musgo. A escassez e o seu espelho volátil.

 

 

§ quatro:

 

A cozinha minúscula. Mas, em redor da lareira, com um pequeno escano de cada lado, é como se coubesse quase tudo o que a alegria e a generosidade podem trazer dos lugares mais afastados da península.

 

 

§ cinco:

 

Os caminhos a pique, as encostas declivosas, o labirinto das ruas: para que o riso das raras crianças possa correr, em chegando o Verão, no breve terrapleno dos pátios.

 

 

§ seis:

 

Bebo destas águas de Segirei como devem tomar-se os medicamentos das boticas: espaçadamente; com regra; em parcimoniosas doses; a colheres de chá; e em não havendo alternativas válidas.

 

 

§ sete:

 

Oh as noites do único café de Segirei que já fechou e onde cheguei a ver no tecto desse salão fantástico do Zé Monteiro as estrelas todas que em situação diversa se vêem num céu sem nuvens, o único assim na orbe, olhando ao relento da margem direita do Mente…

 

 

§ oito:

 

Juro que ela pisava as ervas da praia fluvial quase sem pisá-las; e com a luz das encostas a poisar-lhe nos ombros. Por menos, não há muitos anos, seria presa por contrabando e não haveria advogado que pudesse, em consciência, defendê-la.

 

 

§ nove:

 

É em Vale de Armeiro (e quase ninguém sabe) que se juntam todos os rios do mundo.

 

 

§ dez:

 

O teu  blogue, Tânia, demonstra que Segirei te pertence quase tanto quanto lhe pertences: e estas coisas são tão raras no nosso apressado mundo que também tu deverias ser presa, com justa causa e sem apelo, por contrabando.

 

 

 

2 comentários

Comentar post