Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

08
Mai09

Parabéns, Dr. Edgar Carneiro - Poeta Flaviense

 

Chaves, 8 de Maio de 1913.
 
Um casal, abastado, morava em FAIÕES, aquela Aldeia lá na Veiga, já a encostar-se ao Brunheiro e onde o pão continua a ser sempre bem cozido e bem saboroso.
 
Chegada a altura de ser mãe, a esposa «fez questão» que os seus filhos «tinham de nascer» na Vila.
 
O marido fez-lhe a vontade.
 
Havia uma casa devoluta, que ainda era de família, ali para a Rua Direita.
 
O futuro pai comprou-a. Arranjou-a a preceito. E, chegada a hora, foi lá, no Nº 104 da Rua Direita, que nasceram os filhos desse casal de FAIÕES.
 
E todos saíram ilustres.
 
Desse «ranchito» temos a sorte de ainda estar entre nós o EDGAR.
 
Professor e Poeta, o Dr. EDGAR CARNEIRO foi um Mestre que deixou reconhecimento e saudades aos seus alunos. E ainda hoje continua a fazer amigos.
 
A Cidade de Espinho, onde leccionou e onde reside desde há muitos anos, adoptou-o como seu cidadão e celebrou-o condecorando-o.
 
Mas o Dr. EDGAR CARNEIRO continua apegado ao torrão que o viu nascer e crescer.
Sabemo-lo e testemunhamo-lo.
 
Sempre que chegamos ao «Mon Chèri», para tomar o nosso «pingo» e fazer-lhe companhia ao lanche, solta-se-lhe logo:
 
- “Então que novidades nos traz da “NOSSA TERRA”?!
 
E, acompanhados pela flaviense de provecta idade, D. ARMANDINA SERRA RAMOS, lá falamos de algumas «novidades de CHAVES» e de muitas recordações de todos.
 
.
 
.
 
 
Espinho, 8 de Maio de 2009.
 
Hoje vamos celebrar o ANIVERSÁRIO do nascimento de um distinto POETA PORTUGUÊS e FLAVIENSE.
 
Sabemos que alguns dos seus Livros foram remetidos para a Biblioteca Municipal de Chaves. Provavelmente ficaram afogados em algum dos poços de ruindade que por aí há de sobra, ou destinados às labaredas da malcriadice do bibliotecário que os recebeu.
 
Porém, no REAL GAGINETE PORTUGUÊS DE LEITURA DO RIO DE JANEIRO estão «ÀS VOSSAS ORDENS»!
 
Bem gostaríamos de lhe oferecer, hoje, um “Pastelzinho de Chaves”, um carolinho de FOLAR da Normandia Tamegana (fosse de Montalegre, de Boticas, de Valpaços ou de CHAVES!), uma rodela de «salpicão da língua», um «pastelão de linguiça» de Montalegre, um “trigo de três cantos” de Faiões, ou uma fatia da «Sêmea de Lebução», coisas boas, faladas sempre durante as nossas conversas no «Mon Chèri». Mas a distância não no-lo consente.
 
Valha-nos ao menos que descobrimos, por aqui, algures, uma garrafita do «Encostas do Rabaçal», tinto, que o Dr. EDGAR muito aprecia.
 
 
D E P O I S de A M A N H Ã
 
Não canto ontem nem hoje
canto depois de amanhã
não mais cantarei a fonte
só a gaivota na foz
não canto o grito de agora
só o silêncio depois
quando no meio da noite
despido de glória vã
erguer a voz que sobrou
para cantar amanhã
 
 
.
 
.
 
JOANINHA, VOA, VOA
 
Joaninha, voa, voa,
Leva as cartas a Lisboa.
Leva o desgosto da gente
Que não quer ódios nem balas.
Nem rodeios nem cabalas
De quem promete e lhe mente.
 
Joaninha, voa, voa.
Leva as cartas a Lisboa.
Leva esta mágoa sentida
De quem quer comer o pão
Sem ter de estender a mão
A quem lho dá por medida.
 
Joaninha, voa, voa.
Leva as cartas a Lisboa.
Correio de quem é pobre,
Vai dizer a quem é tolo
Que quanto mais cresce o bolo
Mais o povo passa fome.
 
 
Do Livro "A FACA no PÃO" (1981)
 
 Tupamaro

4 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Amiel Bragança

      Foi um final conciso do consiso.Abraço, AB

    • JM Naturopatia

      Fantástico trabalho de recolha e divulgação de um ...

    • Anónimo

      gostaria muito de um dia poder conhecer. meu pai v...

    • Anónimo

      Não me admiraria se esta fotografia fosse «roubada...

    • Anónimo

      Sou alfacinha de gema, mas gosto de vos ler; olham...