Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Em Chaves, tudo como dantes...

12.10.09 | Fer.Ribeiro

 

.

 

E prontos! É assim mesmo que se diz…passados os exaltados dias das políticas nacionais logo seguidos das  “politicas” locais, voltamos ao mesmo, ou seja, tudo continua como até aqui, com as mesmas caras e os mesmos governantes e, para não destoar, este blog também vai continuar como sempre, agora, já liberto do peso político das últimas semanas.

 

Nada melhor que a nossa Top Model para retomar o retomar dos dias que insistem em continuar quentes quando todos sabemos que o Inverno está à espreita aí por uma esquina qualquer à espera da melhor oportunidade para entrar, tal como a feira dos santos, que se aproxima a passos largos e, como sempre, polémica. Este ano parece ser o pessoal dos carrosséis e das diversões que não estão contentes com os custos da feira e, diga-se, com razão, pois a repetir-se o último ano da feira, também eu (se fosse feirante) pensaria duas vezes se haveria de vir por cá ou não.

 

Enfim, com certeza que a feira vai ser um tema para debater durante os próximos dias, aliás como sempre por esta ocasião, pois embora seja o acontecimento mais importante e a maior festa de Chaves, os responsáveis por ela parecem não a entender assim.

 

E por hoje é tudo, pois pela certa o tema de conversa de hoje ainda não serão os Santos, mas antes o rescaldo das eleições de ontem, onde a julgar pelos debates e análises televisivas da noite, mais uma vez, todos ganharam e ninguém perdeu…embora todos saibamos que as coisas não são bem assim e por cá, embora também, tudo continue na mesma, houve vencedores mas sobretudo vencidos. Dizem que a política também é uma ciência, no entanto, não é comparável com a exactidão das restantes ciências experimentais, onde,  nem sequer a famosa Lei de Lavoisier se aplica, pois há vezes, em certas ciências, em que “Na natureza nada se cria, nada se perde e, tudo se mantém”…

 

Em política e em democracia, o povo em que mais ordena (num único dia, é certo) e (mas)  é a sua vontade o que vale… e lá terá as suas razões, que sejam elas quais forem, são válidas e as que valem.

 

Até amanhã!

3 comentários

Comentar post