Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves - O Castelo de Stº Estêvão

23.07.06 | Fer.Ribeiro
sto-estevao.jpg

Claro que como hoje é Domingo, o post é dedicado às freguesias.

Hoje vamos até Santo Estêvão ou melhor, até ao Castelo de Stº Estêvão, ficando ainda adiado o post dedicado à freguesia propriamente dita.

E como nestas coisas de história não gosto de inventar, recorri a quem se supõe que sabe sobre o assunto, no presente caso aos “Castelos de Portugal” que sobre o Castelo de Stº Estêvão dizem o seguinte:

“
A torre de pedra de Santo Estêvão é quase só o que resta de uma série de fortificações que no mesmo local se sucederam ao longo dos tempos. O que existe actualmente é, porém, tipicamente medieval.

É toda granítica, tendo adquirido a cor castanha dos velhos castelos. Não tem aspecto inóspito ou agreste, antes se aparentando muito urbana e civilizada, com muitas aberturas para o exterior. Tem quatro pisos, dos quais um térreo e outro no topo, descoberto.

O piso térreo tem uma porta para o lado norte. O primeiro andar tem duas portas: uma delas com escadas de acesso e varanda, era a porta principal da torre; a outra, que provavelmente daria acesso a uma muralha ou caminho de ronda, dá hoje para o vazio. Neste piso e no imediatamente superior, há janelas em todas as paredes, deixando entrar alguma luz através das paredes de grossura superior a um metro. No topo da torre, a cobrir o segundo piso, há um telhado, em volta do qual há um caminho de ronda, protegido por meriões e ameias, em bom estado de conservação.

O interior da torre é um pouco escuro, apesar das janelas . Os soalhos dos pisos são de madeira, suportados por traves grossas. De uns andares para os outros passa-se por escadas também de madeira que, tal como os soalhos, são produto de recente restauro. Para o terraço superior, sobe-se por uma escada móvel, a introduzir num alçapão do telhado. As janelas são geminadas; o seu sistema de fecho é original, constituído por uma tranca que atravessa na coluna de pedra que separa as duas janelas. Por último, refira-se a existência de uma grande lareira de pedra no segundo andar.

Não longe da torre, está a igreja de Santo Estêvão, que por ser mais recente que o castelo, não poderá dizer muito acerca deste. É possível que tivesse sido construída por cima das ruínas de outra capela, essa sim, pertencente ao castelo. Aliás, adjunta à igreja, seguramente anterior a ela, está a torre sineira, feita para um fim diferente do actual, que é albergar dois sinos de bronze, sonoros e pesados, enclausurados numa deselegante protecção de cimento. Apesar de ter sido restaurada e adulterada, interior e exteriormente, não é difícil concluir que a torre foi construída com fins militares: tem uma só porta, e pequena, as paredes têm mais de um metro e meio de espessura e, por último, o cimo está rodeado de meriões e ameias.

É provável que ambas as torres, a primeira residencial, a segunda posto de defesa e combate, fizessem parte de um mesmo conjunto de edificações, constituindo um aquartelamento militar.

Quanto à fortificação propriamente dita, pensa-se que foi mandada construir por D. Sancho I. Todavia, tendo em conta as características arquitectónicas da torre, típicas da arquitectura militar do tempo de D. Dinis, supõe-se que o castelo foi depois reformado e reconstruído no tempo deste rei, aliás, como muitos outros. É monumento nacional desde 16 de Maio de 1939.”


Hoje foi o castelo. Mas a freguesia de Stº Estêvão não é só o Castelo, por isso fica prometido (oportunamente) mais um post dedicado (esse sim) à freguesia.

Para terminar e ainda a respeito do Castelo só uma achega (e esta é minha) a quem de direito. “Vi-me e desejei-me” para tirar esta fotografia. É que queria uma fotografia limpa, onde só aparecesse o Castelo. Coisa impossível, pois ele é cabos aéreos de electricidade a atravessar o recinto, ele são construções de habitações a entrar quase castelo dentro, ele são cabos de telefone e até os projectores incomodam. Penso eu que o Castelo merecia uma envolvente, mais digna – é só a minha opinião.

1 comentário

Comentar post