Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

26
Ago10

O Homem Sem Memória - por João Madureira

 

 

 

.

Texto de João Madureira

Blog terçOLHO

 

 

5 – A viagem entre Névoa e Lisboa durava 24 horas, uma noite e um dia completos. Primeiro, o comboio percorria os sessenta quilómetros encurvados entre Névoa e Vila Real. Depois seguia aos ziguezagues de Vila Real até à Régua e da Régua ao Porto, perfazendo cento e vinte quilómetros em várias horas. Finalmente percorria os trezentos quilómetros entre o Porto e Lisboa, parando em todas as estações e apeadeiros, o que era uma verdadeira via-sacra, um tormento dilatado. Peregrinava quase sempre na companhia de soldados (os magalas neste país sempre tiveram uma predilecção por comboios), operários, guardas, alguns turistas e camponeses rodeados de cabazes, garrafões de vinho, mulheres e crianças. Todos tinham um ar rude, mesmo os guardas, fossem fiscais ou republicanos. E os polícias. Até os turistas tinham um ar agreste. Eram turistas de alpergatas de couro fino e luzidio, que muitas das vezes aceitavam partilhar as merendas dos rústicos homens das aldeias. Comiam calados, entre os sorrisos simples das mulheres e das crianças e as caralhadas inócuas dos homens que pouco mais sabiam dizer como manifestação de boa disposição. Todos os homens tinham a pele do rosto e das mãos morena, áspera e engelhada. As mulheres ostentavam ou um negro lenço na cabeça, ou os cabelos corridos e longos, apanhados num rabo-de-cavalo, saias pretas e compridas. A quase todas as crianças faltavam vários dentes. Os rapazes e raparigas eram delgados como varas, com olhos grandes e esfomeados, com ranho no nariz, mal vestidos e descalços ou calçando botas cambadas uns bons números acima do tamanho dos acanhados pés. Mas riam-se muito e limpavam os moncos com as costas das mãos. E tossiam. E cuspiam. Todos comiam enquanto falavam de boca aberta mostrando uma pasta indistinta constituída por carne e pão. E bebiam vinho. E riam-se como parvos. Todos se riam. Até os turistas. Depois das refeições, e faziam-se várias durante a viagem, os adultos dormiam enquanto completavam a digestão. Mal acordavam mandavam foder meio mundo, davam peidos, que funcionavam como os foguetes nas festas, riam-se como doidos e tornavam a comer e a beber como se o mundo estivesse para acabar ainda antes da viagem terminar. Os homens do campo e os magalas eram os que faziam as viagens mais longas. Quase todos tinham como destino o Porto ou Lisboa. Os operários e os guardas eram os que entravam e saíam do comboio mais a miúdo. Fosse como fosse, as viagens em segunda classe eram enormes e desconfortáveis. Todos pareciam desfrutar da festa. Mas o José não. Por isso pensava em Deus.


 

 

 

6 – José pensava em Deus e abominava os pobres. Ou melhor, detestava a pobreza. Uma criança não consegue ter sentimentos tão cruéis para odiar pessoas apenas pela sua condição. E o que ele detestava era a condição. Apesar de a igreja apregoar para os pobres o reino dos céus e para os ricos a difícil tarefa de se defrontarem com o pavoroso dilema de arranjarem a maneira de um camelo passar pelo cu de uma agulha. (...)

 

 

(continua)

 

 


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Por mail, o autor do comentário atrás publicado di...

    • Anónimo

      “rialmente!”---Deixas sempre uma saudadeTerra lind...

    • Fer.Ribeiro

      Penso que era o sonho de todos os miúdos e até gra...

    • Anónimo

      Quando era miúdo este Hotel tinha um elevador. Era...

    • Anónimo

      Também adorava lá ir e passar um bom bocado!!!