Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

31
Ago10

Pedra de Toque - O Café Gelo - Por António Roque

.

O Café Gelo

 

 

 

 

No Rossio, ao lado dos telefones, em plena baixa lisboeta, ainda perdura o Café Gelo, agora modernizado, europeizado.

 

Já não é o café maneirinho, simpático, ponto de encontro de amigos, lugar de charlas e tertúlias, cais de rostos conhecidos que ali aportavam, oriundos dos mais diversos destinos na busca do gozo do ócio possível.

 

Fechado o Martinho, café também de grandes tradições que virou banco, os flavienses da capital, durante mais de uma dezena de anos, passaram a visitar e a poisar no velho Gelo, onde sempre descobriam o conterrâneo bairrista para dois dedos de conversa fraterna e saudosa.

 

Corriam então os badalados anos sessenta, e sobretudo nos fins de tarde dos sábados, aparecia por lá imensa malta desejosa do ameno convívio que sempre acontecia.

 

Os estudantes constituíam a maioria.

 

Mas a eles associavam-se os que dolorosamente cumpriam o serviço militar e outros que, na bela Lisboa, tinham os seus empregos, o seu trabalho.

 

O grupo por vezes engrossava, com um ou outro conterrâneo, normalmente mais endinheirado, que de passagem pela capital, queria usufruir da cavaqueira e do prazer da cidade.

 

Depois da alegria do reencontro, sempre renovado todos os fins-de-semana, rumávamos para o módico restaurante, onde a confraternização surgia inevitavelmente alegre e feliz, e ao sabor da comida lisboeta, lembrávamos nostálgicos, as alheiras do Jorge e do Central, os salpicões e as linguiças caseiras.

 

Findo o repasto, partíamos á conquista da noite, que passava pelo fado castiço do César Morgado, que gingão nos cantava com sentimento profundo o drama da Travessa da Palha.


.

.

 

 

E quanta Lisboa, tinha a voz dorida e gasta da senhora do bengaleiro do Solar da Madragoa, quando do âmago da sua alma de noite, arrancava amparada no trinar sibilino das guitarras o “Passa por Mim no rossio”…

 

Mas quando aparecia a Cândida da Conceição, para nós a gentil mamuda, fadista afamada, filha da Laurinda marinheira, nascida também aqui à beira Tâmega, “botava” sempre gostosamente e a pedido a Marcha de Chaves, estimulando-nos a euforia, saciando-nos a saudade.

 

Se sobravam uns escudos, já a madrugada espreitava por entre as águas do Tejo, acabávamos cantando na cervejaria do Gordo, ao ritmo de recordações brejeiras vividas nos cantinhos da nossa cidade, saboreando os finos mais diuréticos e refrescantes que bebi em toda a minha vida.

 

Desta equipa que nas noites de sábado realizou inesquecíveis jornadas no Rossio, na Madragoa, na Estrela, no Bairro Alto, no Cais do Sodré e em tantos belos “relvados” da capital, aqui evoco alguns dos titulares indiscutíveis, esquecendo quiçá e sem intenção muitos dos imprescindíveis suplentes.

 

Desde logo o querido e já falecido Zé Montalvão, o capitão do team, um pedaço de Chaves na capital, o amigo fixe, o sorriso franco, a gargalhada aberta, o grande embaixador sediado no coração de Lisboa.

 

O Toninho Lobo, marinheiro de muitos mares, sonhador da noite, a viola baixa do fado, a graça com raízes nas Freiras, na Ponte Romana, na madalena, no velho Liceu.

 

A Chinha, que não era de Chaves, mas era tanto como se fosse.

 

O Jorge Melo, o Lulas, o Zé Geraldes, o Zé Carlos, o Zé Tirarim, o Mário carriço, o Lixandre, o Zé Fillol, o Ramiro, o Nadir, o Varela, o Parreco …

 

Também o Lui, a Isabel, a Ana Maria, a Fernanda, a Zezinha Guimarães e outras amigas que nos acompanhavam, não esquecendo a pequena grande Maria de Jesus Barradas, vulgo Mariazinha dos peliçados, afável e graciosa que não perdia a oportunidade, sempre que na capital predizia o futuro nas cartas que lançava.

 

Mas …

 

A “cabine” onde a conversa nascia, o humor reinava e a estratégia se definia, era o velho Café Gelo.

 

Por isso, quando vou a Lisboa, já com algum cabelo branco da mocidade perdida, passo por ele no Rossio e deixo-lhe o meu olhar.

 

 

 

 

António Roque

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • P. P.

      Maravilhosos olhares.

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado Pedro. Um forte abraço desde este Reino M...

    • Miluem

      Pois os gatinhos acham que tudo aquilo em que põem...

    • Pedro Neves

      Belíssimas fotos!

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pela retificação, eu sabia que era grémio...