Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

Chaves e o Largo do Arrabalde

31.05.06 | Fer.Ribeiro
3566-bl.jpg

Mais uma vez o Arrabalde e hoje aproveitamos para contar um bocadinho da sua história.

Numa cidade tão antiga como a nossa, não admira que este largo, desde os romanos até aos nossos dias, tivesse atravessado por várias fases e baptizado com vários nomes.

As recentes e ainda em curso escavações arqueológicas no Arrabalde, ao que por aí se diz, puseram a descoberto construções romanas. Diz-se serem balneários. A conclusão das escavações, alguma coisa trará a lume e ditará o que realmente lá existiu e qual a sua importância. Até fico-me no que vou ouvindo dizer. Uma coisa é certa – Os romanos utilizaram este largo.

Na história mais recente, de há alguns séculos para cá, que o largo tem tomado o nome de Arrabalde, pelo menos desde a Idade Média em que o largo ficava fora das portas da vila e daí o nome arrabalde ou arredores, que era precisamente o espaço (então descampado) que ia desde as então muralhas até à Ponte Romana de Trajano.

Por estas últimas palavras facilmente se poderá concluir que existiram muralhas no actual Arrabalde, ou melhor, até às Invasões Francesas existiu aí um baluarte que estava ligado à muralha do Olival. Era conhecido pelo baluarte do Cavaleiro da Vedoria que tinha o seu semelhante e conhecido pelo baluarte do Cavaleiro da Amoreira (deste ainda hoje existente um troço no Início da Rua do Correio Velho. Ao que sabemos o Baluarte do Arrabalde foi demolido após as Invasões Francesas.

A partir de aí adivinha-se o inicio das construções da parte alta do Arrabalde e em toda a sua envolvente, mantendo-se ainda um largo inclinado e irregular. Ao que se sabe só no início do Séc. IXX é que se começou a terraplanagem do largo, passando a partir de 1820 a efectuar-se aí o mercado da cidade, que até então se realizava no Largo do Anjo.

Só a partir de 1952 é que o mercado se deixou de realizar no local, com o início da construção do Palácio da Justiça, que foi concluído em 1958. A partir de aí, o Largo tem mantido mais ou menos a sua configuração.

Quanto a nomes, Começou por Arrabalde, já foi Largo Dr. António Granjo, Monsenhor Alves da Cunha, Praça Rui e Garcia Lopes e Arrabalde das Couraças.

É um daqueles largos ao qual lhe podem mudar o nome, mas continuará a ser sempre Largo do Arrabalde, alias o nome que tem actualmente.

E agora como mandam as regras, para o post de hoje foi retirada informação da “Toponímia Flaviense” de Firmino Aires, da Corografia port. E do “Chaves Antiga” do General Ribeiro de Carvalho

E por hoje é tudo. Prometo nos próximos posts não ser tão longo.

5 comentários

Comentar post