Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

06
Nov11

Treze Contos do Mundo que Acabou - Boa noite, alminhas!

 

Conto XIII

Boa noite, alminhas!

 

          -Tia Rosália, por amor de Deus, bote-me aqui um olhinho à canalha, que eu em podendo lá venho dar-lhes o mata-bicho.


          -Bem m’eu finto que tu voltes a tempo de eu os manter sossegados à minha beira. O rapaz, ainda tu não tens chegado ao Cruzeiro das Almas já ele há-de andar a sarandar aí pelo povo, a farejar cibo com que destrancar os dentes, onde sinta que o possa topar menos acautelado. E a garotanha pequena, em se lhe acabando o sono e não achando a teta, desata num berreiro que nem que a estivessem a matar, não há o diabo que a faça calar, fica para aí toda a manhã a azucrinar-me o bicho do ouvido. Olha, porque os não levas contigo? Quando foi que os estavas a fazer, não precisaste que eu te botasse uma mão, ora não?!


          Na desprecatada frescura da Matilde, naquele seu desenxovalho risonho e roliço de fruta madura a atiçar apetites, mesmo onde se afiançava que de há muito os não havia, não foi só um nem dois que se alambazaram, com o mesmo sem-cerimónia de quem arrefenta a sede de Agosto nas três bicas da Fonte Fria. E, como até à data nenhum se acusou, os proveitos dela são mais duas bocas para manter, com o pouco que lhe fica das jeiras que vai dando para quem a chama, ou da paga avara de um prazer fugaz, nunca regateado. O mais das vezes, tira a comida da boca para calar as deles, que são mais berrelas que cabritos no desmame. Lá gerigotos saíram ambos, como quase sempre são os filhos da curgidade, mas quanto a tirar dali parecenças em que não caiba dúvida do pai que os fez, isso já é outro falar. Ainda assim, não falta quem seja de opinião que o Marcolino, com aquele arzinho de bom-serás, tem culpas no cartório. A mulher, a Angelina do Outeiro, é que, mesmo muito aperreada pelas evidências, jura e bate que do homem dela, pela certa, que não são:


          -O morrão há muito que se lhe apagou, e já nem me lembra da última vez que ele tenha cumprido a obrigação.


          -Isso és tu que o dizes, mas eu toda a vida escutei dizer, Deus nos livre de fogo em palheiro velho. Que o rapaz dá ares a ele, pelos jeitos no andar, não o podes negar. E então quando lhe dá a risa, que até os cantos da boca se lhe arreguicham, como ao Marcolino… Bem, é por dizer que saíu loirito das melenas e o teu homem tem o cabelo escuro e mais enriçado.

 


          -Está bom de ver que não pode ser dele! A quem tira mais parecenças, Deus me perdoe, é com o falecido Júlio Ferrador. Enquanto foi vivo capou muita besta, mas ele foi sempre brilheiro. Não podia ver uma burra de saias a mostrar-lhe bom agrado que não se ensaiava nada de lhe saltar para cima.

 

 

          -Coitado do Júlio, Deus o tenha em descanso, hão-de ser mais as vozes que as nozes. Mas morra o homem e fique-lhe a fama! 


          Quem o adivinha? Como diz a tia Rosália velha, que já tem mais anos de mundo que o negrilho grande do passal, o certo é a criatura ter mais que um pai, porque a Matilde, na altura quando o fez, não dava a ida pela vinda, andava mais levantada que loba nova ao riceiro.


          -Não foi nada que eu não tivesse cismado com ela. Tanta vez levas o cântaro à fonte, rapariga, que lá te há-de ficar a asa… e depois é que é o ai, se eu o soubera antes. Mas agora, que o rancho já vai em dois, não paga a pena pregar mais. Para miséria já bastava, mas tudo se cria, com a graça divina. Pelos jeitos, há-de trazer cada ano seu, até que os homens lhe ganhem nojo, ou o irmão venha a aleijar algum.


          -Pois o Edmundo já por mais de uma vez o tem dito, que se calha de pegar algum em cima dela, seja ele quem for, nem que seja o mais pintado, que o desfaz. Mas se fosse homem para isso, já de há muito que o tinha feito, não foi por falta de ocasião. Ainda assim, queira Deus, queira, que um destes dias não venha a suceder alguma desgraça.


          Quem fazia orelhas moucas a tais contos e ditos era o Marcolino. Que falassem! Com o mal de inveja podia ele bem. E enquanto a sua Angelina fizesse das tripas coração para o encobrir daqueles constantes afiadouros de língua, de portas a dentro, bem pouco lhe custava pôr-lhe a ciumeira em respeito, ora com agarimos delambidos, ora com a ameaça bem encenada de uns cachaços, que naquela casa ainda era ele quem vestia calças. Pena que dentro das calças nem sempre estivesse tudo como pertencia e que, o mais das vezes, a sede fogosa da Matilde tivesse que saciar-se noutra fonte, quando por ali, o que sobrava em fama faltava em proveito. Tivesse menos vinte anos e outro galo cantaria. Mas agora, o mais que esperava do gozo desta vida era espetar de quando em vez umas facadas no matrimónio, à escapula, entremeadas com umas borracheiras do bom tinto de Valtelhas, essas sim, umas detrás das outras, e à vista de quem quizesse ver, ainda que o fígado já não lhas cozesse como antigamente. Por sorte, há regalos que não têm de se acomodar à vontade do corpo, e a ocasião é quanto bonda para fazer o ladrão. Valha-nos ao menos isso! E foi numa dessas noites de mágoas bem afogadas, quando as botas já tenteavam a estrada, para lhe forçar as pernas bambas a carregar o corpinho encharcado em vinho de volta para casa, que, como era hábito, ao passar pelo Cruzeiro das Almas, deu as boas horas, respeitoso:

 



          -Boa noite, alminhas!


          -Boa noite, grande borrachão!, respondeu-lhe de lá o Edmundo, acachapado dentro da samarra por detrás do purgatório pintado, com um tal tremedoiro na voz e nas mãos, que a custo segurava o estadulho com que jurara abrir-lhe a moleirinha ao verde e moer-lhe o cangote com porrada.


Mas, qual o quê?! Ao Marcolino é que não lhe caíu bem que aquelas almas, de vestes brancas lambidas pelas chamas e mãos erguidas em esperançosa súplica, lhe tivessem tornado as boas noites com tão pouca cortesia. Só não perdeu a compostura porque já a não trazia, mas virou-se caras ao altar, lançou a boina ao chão, e ergueu os braços, furioso com a afronta:


          -Caralho, alminhas, que vos fiz eu p’ra me tratáreis tão mal?


Assim que lhe viu os olhos esbugalhados e as manápulas tesas como garras de lobo que vai atacar, o Edmundo largou a samarra e o estadulho e desandou ligeiro pela rodeira do rio abaixo, de coração mais apertado, nem que tivesse visto lobisomem. Na ocasião, ao Marcolino pareceu-se-lhe que o arcanjo São Miguel deixara para trás as asas e a lança, e botara a fugir, apavorado. Seria, não seria?! Também não era caso para tanto!... Ainda assim, chegou-se mais ao nicho mal alumiado, e esperou que os olhos se quisessem fixar na parte cimeira onde o arcanjo costumava pairar, imóvel e suspenso como um tartaranho. E só voltou a pôr pernas ao caminho quando se convenceu de que ele lá continuava, pintado, de asas farfalhudas e lança em riste, a espetar as sete cabeças de dragão com que o mafarrico teima em arrastar aquelas pobres almas quase purificadas para as profundas dos infernos.

 

Herculano Pombo

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

1600-18 anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Pois

    • Duarte

      Está para os linguistas e sábios explicarem como F...

    • julio cesar

      Fernando muito boa tarde você mora em chaves então...

    • julio cesar

      julioilha13@gmail.com Manoel muito bom dia !Qual o...

    • Fer.Ribeiro

      Um bom ano também para si e mais uma vez obrigado ...

    FB