Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

13
Set18

A Pertinácia da Informação

a pertinacia.png

 

“El aprendiz de Jinete, 1978”.

 

 

Vai adiantada a noite. E eu tenho sede... esgotei todos os bons reserva, não me resta nada que me entusiasme verdadeiramente, para ler.

 

O meu estado de agitação é-me muito bem merecido. Quem me mandou a mim voltar a fazer asneira? Quem me mandou rebolar em estrume convencida que era um manto de flores?

 

Errei. Errei e ponto final. Que mal há no erro? Apenas a estupidez de o repetir. É certo que às vezes escutamos verdadeiros pensamentos filosóficos e profundos da boca de alguns pastores, mas isso não significa que todos eles sejam versejadores natos! Sinto-me estúpida, como uma citadina, de visita ao campo, vê e analisa, do seu ponto de vista citadino, anunciando sofisticação onde não há e obras primas onde só há a simplicidade natural da utilidade de cada coisa: “Que coisa fantástica este recipiente que quase se assemelha a uma chávena de chá gigante... consigo fabular uma cena de gigantes e anões em torno deste objeto...” “Isto? Isto é um penico!”

 

 

É fantástico conhecer pessoas e mobilizá-las para a sua emancipação! Mas que raio de palavreado, que soa quase um martelar vazio!? Quem me manda a mim procurar almas nas rochas e sentimentos profundos nos legumes? Um pepino, é apenas um pepino, que serve apenas para pepinar. Uma vez pepinado, acabado. Que há de vulgar em comer um pepino insípido? Nada, absolutamente nada. Faz parte da dieta de verão, comer de vez enquanto uma salada de pepino. Não se esteja à espera que o pepino se torne agora em algo mais gourmet!

 

 

Preciso, urgentemente, tomar um banho em algo sofisticado... não sei, algo que me retire do lodo e das areias movediças. Continuo a rebuscar nas prateleiras e parece-me tudo visto, gasto, desinteressante… olho e faço uma radiografia instantânea: está tudo percebido.

 

Num catálogo, sobre O surrealismo em Portugal, aparece escarrapachado o título: o tempo devolve-nos memórias. Penso e repenso. A expressão não significa que recuperamos memórias com o tempo, é bem mais que isso. Entendo que o tempo nos devolve as memórias que prendeu, mas nessa devolução possivelmente o objeto já perdeu características originais... o tempo devolve um objeto nosso de que ele se apropriou, mas ao devolve-lo percebemos que provavelmente o lesou, modificou ou alterou alguns pormenores. As memórias são sempre construções e são por vezes desencandadoras de uma espécie de serendipidy aquando do seu retorno.

 

Por isso, às vezes faz falta emprestar os nossos pensamentos ao tempo para que ele faça o seu trabalho sobre eles. O tempo transforma a nossa dor de luto, a nossa ânsia de luta, a nossa espera de amor. O tempo não só deteriora como uma criança descuidada a quem emprestamos um brinquedo, o tempo também repara e remenda como as avós ou mães que se munem de habilidades e paciência e arranjam o fecho estragado, pregam um botão que caiu, acrescentando uma reda ou um remendo... e acabam por recriar a nossa peça em algo que até acabamos por achar piada e voltamos a endossar. O tempo faz redescobertas de sentimentos e sabores.

 

Eu preciso que o tempo trabalhe em pouco tempo. Eu escravizo o meu tempo e ponho-o todo o tempo a trabalhar para mim. O meu tempo tem que ser um assessor infinitamente talentoso e que me tenha uma enorme devoção. Preciso de um tempo que reconheça em mim todo o valor que justifique o seu esforço e empenho em me apoiar. Qual coaching seria capaz?!

 

jinete.JPG

 Eugenio Granell – El Aprendiz de jinete

 

Folheio o catálogo. Sempre gostei dos trabalhos inseridos no surrealismo. As formas das gravuras têm aquele traço especial que eu, cá para nós, que ninguém nos ouve, só pode ser do efeito do ópio... se não, como é que todos desenham aquelas formas moles que escorrem entre as telas e as folhas de papel?! Formas fundidas de um universo onírico... eu gosto, sim senhor, mas aquilo era do ópio, quase de certeza!

 

O que está no catálogo, também vi no museu... há uma de António Pedro, sem título de 1940 que me volta a causar a mesma tristeza que antes. Olho e vejo um não sei quê de decadência, brutalidade carnal, frieza... explicitamente parecem dois corpos nus com todas as suas franquezas a nu, possivelmente um feminino e um masculino. No feminino deixa-me desconfortável o peito descaído e a postura de uma coluna curvada, característica de quem tem já alguma idade... o prego na língua e a destreza com que parece movimentar as peças num tabuleiro de damas, alheia ao que se passa atrás de si, onde se encosta um corpo grande, masculino, que parece menos decadente. Tudo isto num cenário semelhante a uma margem de um rio, onde, me parece surgir também, um enigmático túnel ao fundo.

 

Fujo dessa gravura e de tudo o que me representa.

 

Prendeu-nos a atenção uma aguarela de Risques Pereira, sem data e sem título. Recordo-me que ela me disse que era sobre o Principezinho. Realmente, se reparar bem, posso ver a raposa e principezinho... até parece que esticam os braços para se conseguirem tocar, mas nunca se tocam... possivelmente.

 

Sigo, folheio o catálogo e recordo Pedro Omo. Tanto antes, como agora, parecem-me evidentes os falos e não sei bem... mas talvez sejam ânus e não vaginas...    Seria isso que via um pastor? E ali, no Eugénio Granel, veria um cavalo? Sentir-se-ia cheio de razão depois de ler o título “El aprendiz de Ginete, 1978”. Eu vejo o cavalo, mas imagino naquela sobra do dorso um aprendiz encolhido e receoso e há uma figura mais clara em que vejo um mestre pomposo, onde lhe distingo um enorme nariz empinado... o único que se safa mesmo é o suposto cavalo, cheio de formas elegantes e cores bem escolhidas. Tem um padrão bonito.

 

Ora se os autores das obras estavam cheios de ópio quando as elaboraram eu estou cheia de mim quando as observo.

 

E, recordo, mais uma vez, uma frase: “Eu queria um livro que falasse sobre mim...”

 

Se esperamos encontrar ou estabelecer uma ligação com os outros através da descoberta de uma condição universal de consciência, estamos tramados. Temos que ir realmente devagar para ouvir, acompanhar e entender. Nem sempre as histórias falam de mim, nem contam aquilo que eu vejo nelas. Quanto menos cheia de mim mesma me dirijo às coisas, mais consigo ver nelas. Também tento ver através dos olhos dos outros, e por isso pergunto-me que veria o pastor? Mas, sem a presunção citadina que todo o pastor é um versejador e que em cada cavaleiro há um sussurrado de cavalos. Às vezes há mesmo só bosta e moscas.

 

Lúcia Pereira da Cunha

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Boa noite! Alguém me sabe dizer quem foi o autor d...

    • Eduardo Camara

      Sou Eduardo neto de Maria Otilia portuguesa nascid...

    • Tudo Mesmo

      Tenho que ir a Chaves para o próximo ano.

    • Anónimo

      “OUTONICE”Porra! Porra! Porra!Como se já não me ba...

    • Tudo Mesmo

      Linda mesmo.