Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

02
Mai19

A pertinácia da informação

a pertinacia.png

 

A liberdade e o medo

 

Sede.

 

A sede é uma sensação terrível. A sede deixa-nos inertes e tira-nos a vontade de coisas. Depois da sensação áspera e quente na boca, nos lábios, na língua... segue-se um cansaço. O terrível cansaço que acompanha, talvez seja, apenas, o natural cansaço de quem caminha.

 

Ando há alguns dias a ouvir: “as pessoas têm medo”. Não compreendo o medo, nem entendo a sua origem. Afinal, o que é a liberdade? Que liberdade é esta que conserva medo? Não entendo este acto condescendente, como se de um dócil e fácil acatar do flagelo se tratasse. Pessoas prostradas com sede da liberdade que não ousam beber.

 

Recuso-me a beber a sede, molho os lábios insistentemente e olho de cabeça erguida em frente. Porque não é de mim que se trata, mas sim de todo o elemento humano uno. Que faria eu sem amor? Sentimo-lo cada vez mais forte e maduro esse amor que nos torna livres e confiantes sem nos devorarmos como se fossemos sôfregos amantes.

 

Cada dia é um novo crescer. Oxalá um dia a luta não me traga novidade, sinal seria que nada mais havia para fazer.

 

Que esta seja uma primavera cheia de flores e rebentos para vencer o tempo.

 

Nada das repulsivas vicissitudes me tirou as virtudes, nem o fátuo poder me alucinou o caminho. Vamos devagar, mas não vamos devagarinho, sabemos sempre qual é o nosso caminho.

 

Nenhum ruído nos confunda do que é correto, mas, sentimos que com amor cada vez vamos estando mais perto.

 

Não desisto da ideia de que era aqui, também, nestas paredes abandonadas e no meio destas fragas, o lugar de fazer crescer flores dentro das pessoas para criar um novo jardim.

 

Não temos urgência de exércitos de armas meu amor, urge ensinar a não ter medo e ajudar a crescer.

 

O medo prende-nos as palavras e ceifa-nos como a razão ceifa o que nos motiva. Ficamos assim, aos solavancos, como se tivéssemos uma mão cheia de palavras que não somos capazes de soltar.

 

 

A liberdade de fazermos o que achamos que devemos fazer prende-nos à responsabilidade de encarar de frente todas as consequências.

 

 Sermos livres e responsáveis pelo nosso caminho só é perigoso para quem nos pretende dominar.

 

 

Diz que há corvos a voar sobre as terras

E que a coruja pia na noite

Deixai-os voar

Procuram as sementes

Que tivemos que enterrar

 

Perdoo-te porque erras

E quando erras és grande

 

E se a coruja pia

Nesta noite fria

Será porque não ouve na escuridão vazia

O som da minha voz para te abraçar

 

Lúcia Pereira da Cunha

1 comentário

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Não morreu, a estória é que começa ao contrário...

    • Anita

      Que máximo

    • Anónimo

      Um picapau muito parecido com um picapau universal...

    • Anónimo

      É isso! Em cada momento do dia e em função das var...

    • Anónimo

      Caro Fernando Ribeiro. Este tamanho de fotografia ...

    FB