Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

12
Mar14

Chá de Urze com Flores de Torga - 27

 

Os Poemas Ibéricos – 2ª Parte

 

A segunda parte de Poemas Ibéricos – História Trágico-Marítima – conta as aventuras do povo ibérico nos tempos das grandes navegações.

 

Sagres faz referência à Escola que tanto contribuiu com avanços científicos à humanidade; A Largada, é um claro diálogo com o episódio do Velho do Restelo de Os Lusíadas.

 

Em todos os poemas da História Trágico-Marítima se faz a alusão a essa mesma “tragédia” das navegações e do mar como uma espécie de paixão, de tentação, de amor-ódio.

 

Nesta mesma parte ainda temos os poemas A Espera, O Regresso, O Achado, Tormenta e Mar, que tem no seu último quarteto um certo tom profético e sedutor.

 

No poema “Regresso”, Torga faz dialogar a dor de uma mãe que fica em terra a chorar,  com o poema “Nau Catrineta” de Almeida Garrett (cantado por um cego). Veja-se como o poema de Garrett dialoga com a Mãe, que Torga junta num só poema (a itálico a “Nau Catrineta” de Garrett, o conjunto é “O Regresso” de Torga:

 

Lá vem a Nau Catrineta

Que tem muito que contar!

Ouvide agora, senhores,

Uma história de pasmar.

 

A Mãe correu à varanda,

Bem longe de imaginar

Que o alarde desejado

Vinha dum cego a cantar:

 

Passava mais de ano e dia

Que iam na volta do mar,

Já não tinham que comer,

Já não tinham que manjar.

 

A Mãe abriu num soluço

O coração a sangrar,

Porque a sola era tão rija

Que a não podiam tragar…

 

(…)

 

Deitaram sortes à ventura

Qual se havia de matar;

(…)

 

( A Mãe tinha pão na arca

E não lho podia dar!)

 

Logo foi cair a sorte…

(…)

 

(Que sorte tão singular!)

O gajeiro olhava, olhava,

Mas só via céu e mar

- Um céu distante vazio,

E um largo e vazio mar

 

!

- "Alvíssaras, capitão…

(…)

 

E o vento a enrodilhar

A voz do homem da gávea

Na do ceguinho a cantar!

 

 A minha alma é só de Deus;

 O corpo dou eu ao mar..."

(…)

 

A Mãe, que nada podia,

Já só podia rezar…

 

Deu um estouro o demónio,

Acalmaram vento e mar.

(…)

 

E quando o cego acabou

Estava em terra a varar.

 

Torga termina esta parte dos Poemas Ibéricos com o poema “Mar” onde a tal paixão, amor e ódio,  estão bem patentes, terminando com este quarteto:

 

“Mar!

Quando terá fim o sofrimento!

E quando deixará de nos tentar

O teu encantamento!”

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Relatório só após a conclusão das obras, ainda a d...

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    FB