Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

03
Jul18

Chaves D´Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. VOLTA AO CHÃO.

 

Logo sobreveio à rapariga uma súbita preocupação – e se nos amanhece aqui, ainda com um túnel e uma boa cavalgada no caminho? Acordou seu amado, a medo de não chegar a tempo de ver os Bernardes e os mais ainda a dormir, sob os cálidos lençóis. – Tens razão, brasilita, temos que nos aviar e bem depressa!

 

Arranjaram-se aos corre-corres, com tudo o que havia por levar de volta e se puseram quase a voar pelo túnel. Não houve tempo algum, durante tais azáfamas, para se falar de qualquer outra coisa; menos ainda comentar sobre aquilo tudo que acabara de ocorrer. Só ao pegarem o cavalo de volta e antes de Aurora subir à garupa, é que ela desandou a chorar. Dessa vez, porém, o cigano foi enérgico e brutal – Ora, pois, e essa agora, rapariga?! Que tens? Que fazes aí, a chorar? – Oh, Hernando, que fazes, digo-te eu: e agora? O que hei de fazer de mim?! – Ora, pois… tu me amas, pois não? O resto que se haja! E deixa-te de choros e lamúrias, que não temos tempo para esses faniquitos de mulher!

 

O Sol já começava a estender sua colorida toalha sobre a mesa do céu, para saborear o seu pequeno-almoço, quando Aurita chegou ao portão do pomar, nos fundos da Quinta. Entrou correndo em direção ao porão e quase esbarrou em Manuel, que estava a sair com a parelha condutora do landó. Teve, por alguns breves minutos, de se esconder do cocheiro. A medo que as criadas também já estivessem acordadas, devolveu os trajos dos irmãos à lavandaria, vestiu sua camisa de dormir e, entre aflita e ansiosa, ainda teve de esperar que, lá em cima, alguém saísse da casa de banho. Logo mais, a água iria lavar seu corpo, mas não levar, para nenhum desaguadouro, a sua inquietude.

 

Após cair de novo sobre a Quinta o pesado e habitual silêncio da manhã nascente, Aurora correu a se atirar entre os lençóis, não sem antes responder à pequena Arminda – Aurita? Que fazes tu? Onde estavas? – Fui à retrete, maninha, estava com a bexiga cheia, aflitinha pra me aliviar. Dorme. Ainda é cedo demais para a vida.

 

A mais jovem das irmãs sorriu e… nem ela. Mais ao sono!

 

(continua)

 

fim-de-post

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    FB