Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

09
Out18

Chaves D´Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. ANUNCIAÇÃO.

 

Chegou, afinal, o dia da consulta com o doutor Abel Fagundes que, por algumas semanas, estivera a andar a Vidago, para tratar de alguns clientes antigos que por lá deixara, desde o tempo em que começou a exercer as funções médicas na região. Foi recebido com muitas festas, biscoitos de nata, café e um licorzinho de tangerina. Após examinar a garganta de Aurélia e ouvir os achaques da senhora dona Flor, chegou a vez de Alice, a futura esposa de Alfredo, cujo padrinho, o Gomes, já tratara de despachar para a casa do noivo antes mesmo do casório. Apesar das apreensões de Mamã e da própria carioca, o doutor Fagundes comprovou que a menina não estava prenha.

 

O médico da família dirigiu-se então ao quarto de Aurora, onde esta, sabedora da visita que se lhe ia fazer àquela data, pusera-se de cama desde o início da manhã, dizendo-se mal, muito mal, mas que o doutor lhe viesse falar a sós. Naqueles tempos, não ficava bem que assim fosse, mesmo sendo ele um quase ancião. Fagundes, porém, era de plena confiança do Reis e, destarte, sua filha já não era uma rapariguinha impúbere. Após tocar naquele corpo, ao qual, até então, só a outro homem (e de forma bem diversa) ela deixara tocar, o bom senhor sentou-se ao pé da cama, pensativo, com as mãos a lhe cobrirem os olhos e a fronte.

 

Há palavras breves e silêncios infinitos.

 

Sem olhar para a cliente, pôs-se a refletir o quanto lastimava por vê-la assim, embaraçada, em ambos os sentidos da palavra. Enfim, perguntou – Como foi isso, menina? – e logo pensou no desgosto que havia de ferir o coração de seus pais. Levantou-se e olhou firme para a examinada – Será para o próximo outono – e quase a falar para si mesmo – Já passei por momentos assim como este, mas… como vou comunicar esse diagnóstico? Melhor seria dizer: esse prognóstico… não, não, falar ao Reis, nem que me pagassem os honorários em dobro! Mas como dizer isso à senhora tua mãe? Ou preferes que ela saiba de ti mesma?

 

Aurora não respondeu logo, pois nem sequer conseguia encará-lo. Virou a face à parede, como diante de um padre confessor e lhe contou tudo (digamos quase tudo e ao modo que pudesse contar). Reportou-se tão-somente ao milagre, sem nomear o santo (ou o nada santo, no caso). Depois pediu – Por favor, doutor, mande chamar até cá a minha boa mãe e diga a ela, o senhor mesmo, toda a verdade. Assim me vai melhor – ao que Fagundes respondeu, apenas – Cá está bem. Tem que ser!

 

(continua)

 

fim-de-post

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Sim este é o S. Lourenço de Chaves"Eu sei que há m...

    • José Pombal

      Com o devido respeito, o nome destas localidades, ...

    • Anónimo

      Caro Fernando Ribeiro. Agradeço as suas diligência...

    • Anónimo

      (Esta (só?!...) placa não merece «Re-qua-li-fi-ca-...

    • Fer.Ribeiro

      Não sei mas vou tentar saber. Abraço.