Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

27
Nov18

Chaves D´Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. ANUNCIAÇÃO (4).

 

Na cozinha, Maria jogava alguns verdes a Zefa, mas esta, maduros não os devolvia, malgrado sua língua ardesse de vontade em dar aos dentes, como eram, de sempre, os seus modos de ser. Quase sempre, como agora a cozinheira estava a constatar. Na sala de refeições, estavam somente os rapazes e a pequena Arminda. Os outros homens da casa, até então, de nada sabiam e muito estranharam que o Papá não viesse ter à mesa, ao desjejum. De Aurora, em seu quarto, sabiam apenas estar adoentada, ou, se calhar, em seus “dias de histórias”, com seus incómodos de rapariga, conforme Alice aventara ao seu futuro marido.

 

Ainda que não fosse de falar senão o necessário, Afonso inquiriu o irmão – Raios que o partam, Alfredo, que está a acontecer em nossa?! Acaso sabes de algo pra me contar? – mas o outro respondeu, apenas – Comigo é que já não há mais nada, então não vês que o Papá quer consertar um mau passo com outro ainda pior? E tudo o que conseguiu foi me fazer sentir como um vilão desses filmes de facínoras, um cuspo ao vento, sem direito à defesa e, logo de pronto, preso, julgado e enforcado.

 

A caçula batia com a colher no pires, acabando por chegar a irritá-los – Sossega, Mindinha, não vês que estamos a trocar umas ideias? – mas ela, finalmente, conseguiu o que almejava, chamar-lhes a devida atenção. Quando estes se voltaram para ela, mais uma vez e a uma só voz – Ora, pois, menina, o que há contigo, afinal? – sem tirar os olhos da chávena de café, ela deixou os irmãos deveras estupefactos. – Eu, tu, ele, todos nós... pra já vos digo que vamos ter um sobrinho.

 

Essa notícia repentina fez o Alfredinho morrer em calafrios. – Sobrinho como, se eu, que sou o pai, estou sendo o último a saber?! – mas a mocinha o deixou aliviar-se do susto, para a notícia pior – Não, Alfredinho, não estou a falar da menina tua noiva. – e os irmãos entreolharam-se e logo pensaram em Aldenora, que talvez, entre uma e outra vinda do noivo a Chaves… – Mas o que é isso, miúda, que estás a dizer? Porque estás a brincar com essas coisas tão sérias, ainda mais que elas não estão a cair bem pra tua idade? – ao que Arminda, enfim – Aurita vai ter um bebé! – e Alfredo, chocado – Arminda! Não me venhas com tretas nem lérias! – ou Afonso, mais ainda – Nem por tricas e nicas me digas uma coisa dessas!

 

(continua)

 

fim-de-post

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Sim este é o S. Lourenço de Chaves"Eu sei que há m...

    • José Pombal

      Com o devido respeito, o nome destas localidades, ...

    • Anónimo

      Caro Fernando Ribeiro. Agradeço as suas diligência...

    • Anónimo

      (Esta (só?!...) placa não merece «Re-qua-li-fi-ca-...

    • Fer.Ribeiro

      Não sei mas vou tentar saber. Abraço.