Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

09
Jul19

Chaves D´Aurora

1600-chavesdaurora

 

  1. CHAVES D’ ALMA.

 

Era sábado e um facto inusitado aconteceu com Aurora. Ela ergueu-se da cama e se pôs a caminhar, deixando atónitos a todos por quem passava e não conseguiam detê-la, enquanto permaneciam imóveis, os braços inertes, olhos esbugalhados, faces sarapantadas. Abrigada em um capote bem grosso, de lã e gola de raposa, que lhe ia até aos pés, com a cabeça e o pescoço envolvidos em um enorme xaile, sob um chapéu revestido de veludo, desceu a escada externa, atravessou o pomar, galgou a estrada e atravessou por entre as veredas, até chegar à Azenha dos Agapito.

 

Não se podia definir, àquele outono, se era dia ou noite, pois tudo estava brumoso e frio. Tudo era névoa. por diante e em volta de si. À beira de uma das sendas da azenha, parou diante de uma cruz de pedra que encimava uma campa solitária. Era seu o nome de quem ali jazia, deixando-a consternada, mas os versos escritos deram enlevo a sua alma:

 

“Aqui dorme o sono da saudade. Nos céus deve ter aparecido uma nova estrela de muito brilho e, tal qual a estrela Dalva, que dela se tenha melhor visão na aurora do dia!  Com todo o teu brilho, foste a aurora de todos que te amaram”.

 

Conformada de si e de sua própria passagem para o Quem Sabe, caminhou pelas orlas do Tâmega, por entre amieiros e chorões, até um ponto mais distante da vila, um sítio onde o rio era um pouco mais profundo. Uma vez que, àquela época, não houvesse outras pontes além das Poldras e da via romana, pequenas embarcações costumavam transportar, de uma margem a outra, pessoas com cestas de roupas, animais domésticos, géneros alimentícios e o mais, de seus trazidos e levados.

 

Ao chegar ao pequeno ancoradouro, havia apenas um barco. Aurora, por única passageira, sentou-se à proa e o bote começou a deslizar sobre as águas. Como o grego Caronte, o mitológico ser da travessia no Hades, um barqueiro surgiu de repente das brumas e, com a face incógnita pelas sombras, começou a entoar uma cantoria popular de Segirei, aldeia então meio esquecida no extremo nordeste do Concelho, já na fronteira com a Galiza:

 

“Atirei com uma laranja

por cima de Chaves fora.

A laranja vai dizendo:

fica, Chaves, vou-me embora”.

 

Aurora reconheceu aquela voz e olhou para o barqueiro. Protegido do frio por um sobretudo escuro, chapéu de feltro e uma luva cor de morcela, este remava em pé como um gondoleiro veneziano. Parecia agora bem mais alto, ainda mais belo e até bem mais forte do que sempre fora o seu Hernando. O amado estava ali, diante dela, a olhar para si, sorridente e a cantar:

 

 “Dá-me um beijo, ó menina

dá-me um beijo, ó meu amor

dar beijos não é pecado

desprezá-los é que é dor”.

 

Ergueu-se de chofre, embasbacada. A voz de Hernando continuou:

 

“Pensastes por me ver rir

que já me tinhas na mão

eu não sou tão labaceiro

que colha a fruta no chão”.

 

– Ai meu bom Deus! Será que de facto morri? Há de ser mesmo tu, Hernando, ou é o Demo que está a me deixar com água na mioleira?! – Ele nada respondeu e prosseguiu a cantar, enquanto partes de seu corpo iam-se desintegrando, até sua face, por fim, sumir na densa neblina.

 

 

  1. CHAVES DO MUNDO.

 

Logo estava ela, de novo, em seu leito de extrema-ungida, sob o odor dos círios, junto ao oratório de louça e dos unguentos,...

 

 

(continua na próxima terça-feira)

 

 

fim-de-post

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      E com muita emoção que vejo, revejo e volto a ver ...

    • Anónimo

      Li, pela primeira vez, este magnífico texto do Dr....

    • Anónimo

      Ola sou Judeu e vivi em Chaves muito tempoFrequen...

    • Anónimo

      Olá Luís, gostei do que escreveste , em 2050 esper...

    • Anónimo

      Foi por volta de 1977/78,que o moleiro do moinho q...