Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

31
Jul18

Chaves, Rua do Postigo das Manas

1600-(49809)

 

Há dias num comentário algures por aí, na net, o Luís de Boticas que de vez em quando se lembra de nos enviar um texto, dizia: — “Tu que gostas tanto da toponímia…”. Pois a verdade é que a toponímia nem me aquece nem me arrefece. O que eu gosto mesmo é de saber a origem e o porquê das coisas, e no caso da toponímia, recorro a ela para, precisamente, saber qual a origem e o porque dos nomes dos nossos lugares, ruas, largos, travessas, etc. Mas geralmente até nem fico satisfeito com aquilo que encontro, pois na maioria das vezes vai-se a origem da palavra que dá o topónimo, que, também na maioria das vezes, o seu significado nada tem a ver com o topónimo, sua origem e porquê.

 

Mas verdade seja dita, a nossa toponímia, a “Toponímia Flaviense” de autoria de Firmino Aires,  até tenta ir ao encontro da origem e porquê do topónimo, nem sempre conseguido, é certo, com algumas invenções pelo meio, também, mas tentou e consegui-o no maioria das vezes.

 

A foto de hoje é tomada a partir da Rua do Postigo das Manas, e tive curiosidade de saber quem eram as manas, pois quanto ao postigo já sei o que é. Daí fui espreitar à toponímia flaviense onde se diz: Desconhece-se a origem do Postigo das Manas. Ora gaita! A minha curiosidade tinha logo de acertar nesta. Mas continuei a ler o resto, que diz assim: Teria a sua origem por em tempos ter sido designado o Largo do Arrabalde por Largo dos Irmãos Rui e Garcia Lopes? – Uhhhh! Desconfio que não, digo eu, se assim fosse seria Postigo dos Manos, e não das manas, a não ser que… Bem, mas continuemos a leitura. “Em 1915 tinha esse nome, conforme consta do Álbum-Guia de Chaves e seu Concelho, Manuel António Rodrigues. Ainda se dizia que ali moravam duas irmãs (manas) muito devotas, que iam com frequência rezar à capela de N.ª Sr.ª da Conceição, que lhe ficava próxima. Será esta a sua origem? — Pois esta já é aceitável. “Terá sido topónimo mais remoto, por naquele lugar haver culto aos mortos, sob o nome genérico dos manes?”. Também podia ser!  Mas o mais acertado é mesmo a conclusão final de Firmino Aires quando diz: “ — Ao certo não o sabemos.”.

 

E prontos, aqui ficou o meu esclarecimento para sabermos quem, afinal, eras as manas da Rua do Postigo das Manas, ou seja, ao certo não sabemos. Mas já é alguma coisa saber que não sabemos. E com esta me bou!

 

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Hoje, dia 12 de Outubro de 2018, acabo de ler este...

    • Anónimo

      https://m.youtube.com/watch?v=glT3deDW0_o

    • Anónimo

      Olá Fábio, Gostava muito de lhe oferecer um livro ...

    • Anónimo

      *Salve 5-OUTº-1143*!“Viva Portugal!”Como não recon...

    • Fer.Ribeiro

      PR1