Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

19
Set18

Crónicas de Assim Dizer

arrabalde-3

 

 

Pedro e o Lobo, um outro lado da história

 

 

Esta história tem passado de uma geração para outra, transportando uma moral com a qual até ontem eu concordei e que hoje me parece falsa!

 

Pedro era um jovem solitário que passava os dias a guardar o rebanho. Os seus dias eram todos iguais: de manhã ia para o monte com as ovelhas e à noite regressava. Era magro, mal nutrido, as suas refeições eram de pão e fatias de chouriço.

 

Não tinha com que se entreter. Naquela altura não havia portáteis, iphones, ipads, … nada! Mesmo que houvesse, Pedro nunca poderia tê-los. Livros, também não podia levar consigo para ler, porque o Pedro não tinha ido à escola. O pai, lavrador, precisava dele para guardar o rebanho durante o dia, enquanto trabalhava na agricultura para poder tirar alguma coisa da terra com que pudesse alimentar a família.

 

O Pedro já não suportava a rotina, a solidão, a vida vazia que tinha e um dia, para chamar a atenção sobre si, gritou, como se grita sempre, muito alto: “acudam, vem o lobo”, de forma a que na aldeia o pudessem ouvir e alguns deles viessem para lhe fazer companhia, para lhe quebrar a rotina, para que ele não se sentisse tão sozinho.

 

Na altura não havia psicólogos nem pedopsiquiatras e então chamaram-lhe “mentiroso”!

 

Ninguém percebeu o objectivo com que ele gritou com toda a força que podia:  “acudam, vem o lobo”, e o Pedro continuou a guardar o rebanho e repetia a façanha até que alguém percebesse a solidão em que se encontrava.

 

Foi a forma de pedir ajuda que encontrou. Ninguém percebeu. E, após várias vezes repetir a proeza, a sua pobre imaginação ou o desespero não lhe permitiam inventar outra forma, as pessoas deixaram de acreditar nele. Pura injustiça!

 

Um dia veio mesmo o lobo, coisa que o Pedro não previra, e quando gritou: ”acudam, vem o lobo”, ninguém o socorreu. As ovelhas foram comidas e a culpa que durante décadas lhe atribuíram não foi dele. Não foi dele porque nunca foi sua intenção enganar as pessoas; não foi do lobo porque era um animal irracional e faminto, que precisava de se alimentar para sobreviver; não foi das ovelhas que foram, neste processo, meras vítimas. A culpa foi da aldeia inteira que não veio socorrer o Pedro quando ele pediu ajuda!

 

Não podemos deixar de acreditar nas pessoas sem antes percebermos porque é que elas fazem o que fazem e dizem o que dizem.

 

Ninguém conseguiu entender o Pedro e julgaram-no injustamente. Ele, coitado, como podia defender-se perante tantas acusações?! Calou-se e, em silêncio, assumiu a culpa que não era dele.

 

Esta história tem sido sempre mal contada, porque a moral que ela encerra não é que “é feio mentir”; o que é feio é não ajudar os outros quando eles precisam de nós. Mas, e sobretudo isto, pode haver outra razão que motivou o Pedro neste comportamento e que eu nem sequer equaciono ou prevejo, porque simplesmente não estou na sua pele!

 

Cristina Pizarro

 

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Não é o fim deste blog, ele veio para ficar, apena...

    • Anónimo

      Hoje não se diz atirei o pau ao gato. O PAN não de...

    • Anónimo

      Por favor Fernando Ribeiro diga lá uma coisa: É o ...

    • Anónimo

      Olá Amigo, Fernando!Adorei ver este seu vídeo de f...

    • Anónimo

      Se fosse culpa do "inglês" não havia o Teixeira do...