Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

25
Set19

Crónicas de assim dizer

cabecalho-assim-dizer

 

 

No Serviço de urgência

 

 

A sensação era de angústia ou de ansiedade. Nunca soube distinguir muito bem estas duas coisas, embora as saiba não sinónimos; mas percebi que naquele momento isso não era importante. Aquele estar a respirar com a convicção de que o momento seguinte é provável, mas sem certeza nenhuma disso!

 

Mesmo assim, ainda conseguia ver. Esta coisa de termos dois olhos permite-nos ver coisas que só com um nunca conseguiríamos ver. E vi, através do vidro da janela que dava directamente para a rua, uma mulher deitada no chão. Dormia, aparentemente dormia. Mas as coisas não me pareciam bem e demorei poucos segundos a reagir. Fui ter com o Segurança e informei-o. Seguiu-me e quando viu a mulher disse: “Ah, já é normal! Tem HIV, tuberculose… foi aqui vista esta noite. É melhor que não se chegue perto dela, percebe?” E afastou-se. Já era normal...

 

Uma coisa que numa primeira vez não é normal, acaba por sê-lo pela repetição, embora a situação seja exactamente a mesma que nos faz reagir na primeira vez, mas não nas vezes que a ela se sucedem! Não, não percebia.

 

Será que ao consentirmos no habitual estamos, sem ter consciência disso, a permitir que ele se converta em normal quando pode até ser aberrante?! Parece que o uso está a prescindir de critérios e isto é perigoso.

 

Passado algum tempo a mulher acorda com a realidade, ou com a luz do Sol a bater-lhe no rosto e que lhe serviu apenas de despertador. E levanta-se da realidade da noite para a realidade do dia.

 

Entretanto chamaram-me e entrei.

 

Quando saí, a mulher estava sentada no muro do hospital, em frente ao Serviço de urgência. Vai passar o dia a ver chegar e partir ambulâncias, com pessoas debilitadas, provavelmente mais do que ela, e vai ficar com aquela sensação de “conforto” que nos deixa tragicamente a frase, depois de mentalmente verbalizada: “Há pessoas que estão muito piores!”

 

Os hospitais têm isto de bom: em alguns casos as pessoas saem de lá melhor do que quando entraram! Mas também têm coisas de mau: às vezes não saem e outras vezes saem não pessoas. Dizem que é a vida, quando mais parece ser a morte.

 

A angústia não me passou nesse dia e a ansiedade também não. Agravaram-se as duas, individualmente, porque são não sinónimos; mas agora que falo nisso, percebo que está na altura de as abandonar, deixo-as aqui.

 

O Planeta, apesar dos maus tratos de que é vítima, continua a correr e a rolar pelo espaço à velocidade de trinta quilómetros por segundo e, ainda que inadvertidamente, leva pessoas consigo.

 

 Se calhar é mesmo normal!

 

 

Cristina Pizarro

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Que bom! Só espero que isto vá despertando os fla...

    • Anónimo

      adorei ler sobre o local onde nasci e vivi e que m...

    • Anónimo

      ...

    • Anónimo

      Bem vindo amigo. Espero que volte com toda a sua f...

    • Anónimo

      Aí nasci estudei aonde é hoje o solar de ...