Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

31
Out19

Crónicas de assim dizer

cabecalho-assim-dizer

 

 

No altar da Santa

 

Estava ali há já algum tempo, não sei quanto, mas tempo demais.

 

Tinha exposto o caso, detalhadamente, enunciado as premissas, contado os factos, passados e presentes, as vantagens e desvantagens, os se sim e os se não. Dei exemplos, pus hipóteses, delineei perspectivas, as prováveis e as possíveis. Fiz de conta, voltei a fazer de conta, contrapus, justifiquei, expliquei os argumentos, os contra-argumentos, o que pesava mais e o que pesava menos. Defini balança, unidades de medida, enumerei critérios e, para que não restassem dúvidas, identifiquei todo o léxico aplicado.

 

Foi então que a Santa me disse, muito baixinho: “Eu não faço milagres!”

 

Nesse momento baixei irrefletidamente os olhos pela gravidade da tristeza, embora ela não tivesse massa e não constituísse matéria, pesava como um fardo! Percebi, e constatei, só aqui, que a Santa tinha os pés muito grandes!

 

Como se tivesse despertado de um coma, reparei que me encontrava de joelhos, aos pés da Santa, e levantei-me num ápice como se, de repente, o padre no confessionário tivesse dado a reunião por terminada!

 

Foi nesse preciso momento que a Santa se ajoelhou aos meus pés e, de novo muito baixinho, era o seu timbre de voz, me suplicou: “Liberta-me desta prisão!”

 

Não percebi logo. Reparei que tinha nos pés, definitivamente grandes, uma corrente que a ligava ao altar.

 

Escutei-a sem dizer absolutamente nada, até ao momento em que percebi que estava ali há muito tempo, não sei quanto, mas tempo demais.

 

Tinha exposto o caso, detalhadamente, enunciado as premissas, contado os factos, passados e presentes, as vantagens e desvantagens, os se sim e os se não. Deu exemplos, pôs hipóteses, delineou as perspectivas, as prováveis e as possíveis. Fez de conta, voltou a fazer de conta, contrapôs, justificou, explicou os argumentos, os contra-argumentos, o que pesava mais e o que pesava menos. Definiu balança, unidades de medida, enumerou critérios e, para que não restassem dúvidas, identificou todo o léxico aplicado.

 

Olhei para ela, desta vez olhos nos olhos, e sorri!

 

 

Cristina Pizarro

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Que bom! Só espero que isto vá despertando os fla...

    • Anónimo

      adorei ler sobre o local onde nasci e vivi e que m...

    • Anónimo

      ...

    • Anónimo

      Bem vindo amigo. Espero que volte com toda a sua f...

    • Anónimo

      Aí nasci estudei aonde é hoje o solar de ...