Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

31
Out19

Crónicas de assim dizer

cabecalho-assim-dizer

 

 

No altar da Santa

 

Estava ali há já algum tempo, não sei quanto, mas tempo demais.

 

Tinha exposto o caso, detalhadamente, enunciado as premissas, contado os factos, passados e presentes, as vantagens e desvantagens, os se sim e os se não. Dei exemplos, pus hipóteses, delineei perspectivas, as prováveis e as possíveis. Fiz de conta, voltei a fazer de conta, contrapus, justifiquei, expliquei os argumentos, os contra-argumentos, o que pesava mais e o que pesava menos. Defini balança, unidades de medida, enumerei critérios e, para que não restassem dúvidas, identifiquei todo o léxico aplicado.

 

Foi então que a Santa me disse, muito baixinho: “Eu não faço milagres!”

 

Nesse momento baixei irrefletidamente os olhos pela gravidade da tristeza, embora ela não tivesse massa e não constituísse matéria, pesava como um fardo! Percebi, e constatei, só aqui, que a Santa tinha os pés muito grandes!

 

Como se tivesse despertado de um coma, reparei que me encontrava de joelhos, aos pés da Santa, e levantei-me num ápice como se, de repente, o padre no confessionário tivesse dado a reunião por terminada!

 

Foi nesse preciso momento que a Santa se ajoelhou aos meus pés e, de novo muito baixinho, era o seu timbre de voz, me suplicou: “Liberta-me desta prisão!”

 

Não percebi logo. Reparei que tinha nos pés, definitivamente grandes, uma corrente que a ligava ao altar.

 

Escutei-a sem dizer absolutamente nada, até ao momento em que percebi que estava ali há muito tempo, não sei quanto, mas tempo demais.

 

Tinha exposto o caso, detalhadamente, enunciado as premissas, contado os factos, passados e presentes, as vantagens e desvantagens, os se sim e os se não. Deu exemplos, pôs hipóteses, delineou as perspectivas, as prováveis e as possíveis. Fez de conta, voltou a fazer de conta, contrapôs, justificou, explicou os argumentos, os contra-argumentos, o que pesava mais e o que pesava menos. Definiu balança, unidades de medida, enumerou critérios e, para que não restassem dúvidas, identificou todo o léxico aplicado.

 

Olhei para ela, desta vez olhos nos olhos, e sorri!

 

 

Cristina Pizarro

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Que bom! Só espero que isto vá despertando os fla...

    • Anónimo

      adorei ler sobre o local onde nasci e vivi e que m...

    • Anónimo

      ...

    • Anónimo

      Bem vindo amigo. Espero que volte com toda a sua f...

    • Anónimo

      Aí nasci estudei aonde é hoje o solar de ...