Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

13
Jan21

Crónicas de assim dizer

imagem-web.png

 

 

Os contrários

 

Estava ali a pensar nele e era como se me morresse por dentro! E por uma estupidez... continuava eu a pensar! Mas depois, pensei mais: se por uma estupidez se morre assim, é verdadeira vida o que se tinha antes? E fiquei aqui uma eternidade, talvez mesmo um dia, vá, um pouco mais, a tentar perceber se isto era mau ou bom. Há coisas complicadas, temos de admitir! Ou seja, a situação em si que levou àquela conclusão não foi de todo agradável. Quando se está a sentir na pele a agressão de alguém, e digo pele em sentido figurado e dou esta explicação por respeito às palavras porque quem lê dispensa esta explicação, nunca ficamos confortáveis. Aqui há duas hipóteses: ou temos inteligência e escolhemos a serenidade ou somos patetas e devolvemos a agressão. Sim, é verdade, umas vezes uma e outras vezes outra.

 

Eu nesse dia estava inteligente e por isso fiquei serena, como se os tiros disparados não me tivessem a mim como alvo e não tinham, obviamente não tinham e isso também o percebemos nos dias em que estamos inteligentes. Não é sempre. 

 

Assim, curvei ligeiramente os ombros, inclinei levemente a cabeça, flecti tenuemente as pernas, afastei vagamente os joelhos e nenhum dos disparos me atingiu. É engraçado que me podia ter virado para trás, para ver qual era afinal o alvo, mas não tive essa curiosidade.

 

Ainda fiquei uns tempos à espera que a situação se revertesse, sem para isso ter feito nada (aqui haverá alguém tentado a corrigir-me, achando que o correcto é “sem para isso ter feito alguma coisa”, mas hoje estou sem paciência nenhuma para este tipo de coisas e para essa espécie de gente) e a razão disso não foi outra senão (aqui o mesmo alguém ou uma sua variante poderá achar que faria melhor se escrevesse “se não”, mas continuo com a paciência de há bocado) o facto de permitir que o outro o fizesse, se isso quisesse. Ou seja, quando somos muito solícitos, pecamos às vezes sem dar conta porque não damos ao outro a liberdade de ele tomar a iniciativa. E isto pode funcionar como uma castração ou uma imposição nossa ao outro, impedindo-o de ser livre e agir de acordo com a sua consciência, supondo que a tem, e esse é o nosso limite. Não podemos ultrapassá-lo porque estamos a invadir o espaço do outro.

 

E com esta consciência, fiquei tranquilamente quieta e em paz. Mas o que aconteceu foi que o outro usou a sua liberdade de fazer, não fazendo. É um direito seu que eu respeito, embora nunca fosse o que eu escolheria. E lá esta, o relativo. Não escolheria desta vez porque a pessoa me interessava, mas já era capaz de o escolher, se a pessoa não me interessasse. E aos poucos chegámos lá, foi o que aconteceu. 

 

Ora, se me não interessava e eu estava ali a desviar-me dos disparos que não eram para mim, a conclusão era simples de tirar: eu não estava ali a fazer nada! (E os que ficaram lá atrás voltam agora: “Nada ou nenhuma coisa?” Poupem-me, que isto hoje não está católico!) 

 

De forma que o lamentável nem sempre é de lamentar. Às vezes, se analisarmos bem as situações, acabamos por dizer, como foi este o caso: Bendita estupidez! Foi pequena, mas tenho de lhe agradecer na mesma, porque o impacto dela foi gigantesco! Claro que ficamos sempre com aquela réstia de dúvida que podia ter sido diferente! Tão diferente que até podíamos ter sido nós a não ter lá estado! Considerações que nunca nos hão-de levar a lado nenhum e já se percebeu que essa é a pior forma de gastar o tempo: perdê-lo.

 

Cristina Pizarro 

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Meu caro, gostei do post sobre os lápis das Casas ...

    • FJR Barreiro

      Este foi mais um assassínio feito à nossa terra. E...

    • Anónimo

      O porque e qual a razão de fazerem estas aberraçõe...

    • Anónimo

      Lindíssima esta sua foto. Espero que o texto não a...

    • FJR - Barreiro

      Tantas idas a pé eu fiz. E era tão feliz ao fazê-l...

    FB