Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

CULTURA QUE UNE 2015 com Chaves presente

02.05.15 | Fer.Ribeiro

1600-CATAL-FOTO-1.jpg

Cultura Que Une é a denominação de uma associação que está a dar os seus primeiros passos e que pretende unir a cultura e os seus agentes do Norte de Portugal e da Galiza, tendo como base a história comum.

 

A Galiza e o Norte Portugal, filhos de uma mesma cultura que, jogos da História, dividiram, não tanto na época em que Dom Afonso Henriques proclamou a independência do Condado Portucalense frente Castela, mas talvez com maior força quando dos tratados de limites após a implantação de estados liberais fortemente jacobinos e centralistas ao longo do XIX.

1600-CATAL-FOTO.jpg

 

Nas duas primeiras décadas do passado século XX, intelectuais e criadores galegos e portugueses falaram da necessidade do reencontro. Mas as violências do XX, nomeadamente as ditaduras, a Guerra Civil espanhola, as repressões, as misérias económicas, que afetaram os povos ibéricos pareceram silenciar estes encontros que, como encontros entre arqueólogos, escritores, filólogos, etc., continuaram fora da oficialidade.

 

Amarante é uma referência para este reencontro, e também encontro. A figura do Teixeira de Pascoaes (grande admirador de Rosalía de Castro, Teixeira de Pascoaes escrevia a Risco que teria que fazer uma homenagem) foi uma referência simbólica para uma intelectualidade galega. Não só Teixeira de Pascoaes. Também Leonardo Coimbra, Santos Júnior, Carlos de Passos, Hernâni Cidade, Rodrigues Lapa, Vicente Risco, Viqueira, Noriega Varela, Castelao, Filgueira, Jenaro Marinhas del Valhe, Valentim Paz Andrade, Carvalho Calero, são um bom exemplo de intelectuais que, num momento de sua vida, olharam para o reencontro.

1600-art-plast.jpg

Cultura Que Une nasce assim para contribuir para este (re)encontro de culturas pretendendo acolher no seu seio as mulheres e homens da cultura (escritores, artistas, pensadores, etc.) mas também associações e outros agentes e entidades de índole cultural do Norte de Portugal e da Galiza.

 

É assim que nascem as primeiras atividades culturais a levar a efeito já neste ano de 2015, iniciando-se precisamente hoje em Amarante e que decorrerão ao longo do mês de maio para no mês de junho se transferirem para a Coruña. Atividades ligadas à pintura, escultura e fotografia com exposições individuais e coletivas de artistas Galegos e Portugueses (com inaugurações marcadas para hoje em Amarante), mas também com atividades ligadas às letras, ao pensamento, à discussão e à música, estando agendados concertos, festivais, recitais de poesia, mesas redondas e encontros de artistas, poetas e escritores.

1600-CONTRA-CATAL.jpg

A escolha sobre Amarante e Coruña para o lançamento das primeiras atividades em 2015 não é inocente pois é na Corunã que se encontra a sede da Academia Galega e Amarante tem a força simbólica de grandes nomes das letras e das artes como o Pintor Amadeo de Sousa Cardoso, o Poeta e Escritor Teixeira de Pacoaes, a Escritora Agustina Bessa-Luís e o Fotógrafo Eduardo Teixeira Pinto.

 

Chaves também está presente nestas atividades, quer na organização via a Lumbudus – Associação de Fotografia e Gravura quer na participação das exposições de artes plásticas com a presença do Pintor Rui Rodrigues e nas exposições de fotografia, cuja temática é “Os Rios”, com a presença dos Fotógrafos e bloggers Fernando DC Ribeiro, Humberto Ferreira e João Madureira.

 

Ainda dentro das atividades da Cultura Que Une, ainda este ano e via Associação Lumbudus, a exposição coletiva de fotografia passará por Chaves, em data e local a anunciar.