Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

29
Fev24

Dez Andamentos

Do Olhar de Kupka


 

dez andamentos-1

 

Do Olhar de Kupka

 

Que fazes sentado nessa cadeira, Francisco, com esse robe que nem sequer hás-de vestir em Macau, três décadas depois?

 

Antevês a marcha forçada para a frente de batalha que, antes disso, te obrigarão a fazer, meditando na estóica companhia da tua mulher, caminhando contigo lado a lado, até ser detida?

 

Ou recordas as searas de Van Gogh, descobrindo as sombras lançadas pelas aves sobre os campos, num voo estilizado que absorve a luminosidade que há-de surgir nos seus nocturnos?

 

Saturada de tonalidades amarelas e vertiginosas cintilações subtis, onde se envolvem o indiano, o napolitano e o limão, o cádmio, o níquel e os ocres, os adorados amarelos de ouro e de barite da Vieira e ainda o fabuloso amarelo de indantreno da Leonoreta, que nada tem de azul, a tua aura dilui-se no teu olhar.

 

E essa é a essência do teu olhar. Um olhar de ícone ortodoxo, aureolado, virado para o exterior mas reflectindo, enigmaticamente, o que ninguém sabe ser o teu olhar interior.

 

Um olhar penetrante, quase anguloso, suportado pelas vaporizadas e suavizadas curvaturas da madeira. Um olhar que nos confunde, ao apoiar-se no suave e hipnótico balancear criado por Thonet e no entrecruzado e padronizado emaranhado da palhinha que se esconde sob essa indolente almofada.

 

O surpreendente fumo amarelecido do tabaco, livre daquela minúscula mancha branca aprisionada entre uns esquálidos e esverdeados rosas, quase distrai o nosso olhar, que peregrina incessantemente entre mãos e rosto, interrogando-se sobre a ambígua recriação de gestos cristãos protagonizada pelos teus dedos.

 

Porque escondes o bíblico dedo da criação no seio desse livro? Ocultarás aí a milagrosa criação de uma página com frente e verso, taumaturgicamente abençoada pela tua mão esquerda?

 

Desistindo face ao hermetismo do livro fechado, cujo misterioso universo branco sagazmente depositaste no regaço, perdem-se os nossos olhos no convulso mar amarelo, acabando por ancorar nesse teu magnético olhar.

 

Para onde olhas tu, afinal, Francisco?

 

Ah, sim!... Em abstracto, olhas, essencialmente, para o futuro…

 

t9-kupca.JPG

František Kupka (1871-1957)

The Yellow Scale (1907)

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

19-anos(34848)-1600

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • LUÍS HENRIQUE FERNANDES

      Oxalá continue «por muitos anos e bons».

    • Anónimo

      Agradecimentos mútuos, Herculano, agradecimentos m...

    • Anónimo

      Que bom, ser surpreendido pela teimosa persistênci...

    • FJR

      Esta foto maravilhosa é uma lição de história. Par...

    • Ana Afonso

      Obrigado por este trabalho que fez da minha aldeia...

    FB