Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

02
Nov18

Discursos Sobre a Cidade

SOUZA

 

SONHAR BEM ACORDADOS

 

 

Por motivos de ordem pessoal e familiar vários, que aqui não vem ao caso, não nos foi possível acompanhar, como gostaríamos, a atividade autárquica do novo elenco camarário que, há um ano, tomou posse para conduzir os desígnios do desenvolvimento de Chaves e do seu concelho.

 

Estávamos para estar presente na sessão pública, levada a efeito, que fez o balanço de um ano de mandato de Nuno Vaz como presidente da nossa edilidade. Mas, também, infelizmente, não nos foi possível.

 

Procurámos, por outros meios, estar informados e saber o que, na primeira pessoa, Nuno Vaz disse, a propósito do primeiro ano de seu mandato.

 

Para o efeito, vimos e ouvimos a entrevista dada, no passado dia 23 de outubro, à Sinal TV.

 

Foi uma hora, dezasseis minutos e vinte e cinco segundos (1h16m25s) na qual pudemos, de uma forma atenta, compreender melhor o pensamento do nosso presidente de Câmara, quanto à «sua gestão», bem assim o balanço que faz da «sua governação» e do que se projeta para o futuro.

 

Temos, à cabeça, fazer uma «declaração de interesses». Ou seja, tudo quanto vamos expor parte de um militante socialista – que sempre o foi -, pese embora alguns «fervorosos», partidários «devotos» do PS de Chaves, que, em certas alturas, não nos tenha bem compreendido. Sempre vimos o exercício de cargos políticos, não como uma profissão, outrossim como um serviço à causa pública, que não a interesses particulares, pessoais ou partidários. Veja-se, nomeadamente, o que está acontecendo por esse mundo fora! Se é certo que a vida em sociedade não pode passar sem política e políticos, também é verdade que, nos respetivos cargos, não vale apenas  parecê-lo; é necessário sê-lo.

 

Feito este incisivo aparte, continuemos, pois.

 

Dizendo que, na apreciação que fazemos da entrevista, não temos em conta apenas a personalidade de um homem que é militante da mesma formação política a que pertencemos e que, em campanha, apoiámos. Mas temos demasiado amor à liberdade de pensamento e à democracia e aos Direitos Fundamentais do Homem, pela qual durante anos lutámos, para não nos deixarmos embotar. O nosso pensamento - nossos princípios e valores -, que sempre defendemos, ditam-nos que façamos uma apreciação desenfeudada e à revelia de qualquer proselitismo cego. Quando discordamos, fazemo-lo de uma forma frontal. Sem qualquer subserviência, porquanto este foi sempre o nosso timbre, o nosso lema.

 

Por isso, dizemos que, globalmente, gostámos e concordámos com o que Nuno Vaz disse naquela entrevista.

 

Há, contudo, aspetos de pormenor - que, bem vistas as coisas a fundo, não são tão assim -, com as quais não estamos totalmente de acordo.

 

Sabemos que Chaves se situa na área do interior e periférica do país, com problemas, sendo um dos maiores o de essencialmente de cariz demográfico, que faz com que o seu território, de baixa densidade populacional, em constante perda, tenha dificuldades em se regenerar e, assim, com sangue novo, poder catapultar-se para as tarefas do desenvolvimento de que tanto precisa.

 

Abandonada a ideia da criação da rede de cidades médias no país, aparecida nos anos 90 do século passado, como polos de desenvolvimento ou eixos dinamizadores dos seus territórios de proximidade, apenas nos restaram, (porque mais fáceis de levar a cabo, em tempo de captação votos), os grandes canais rodoviários que tão rapidamente nos levaram para o litoral e para o exterior. Ninguém de fora subiu até nós. E nós ficámos cada vez com menos gente e, consequentemente, mais pobres e envelhecidos. Porque nós é que descemos. Os que cá vão restando ou são autênticos resistentes ou então, provavelmente a grande maioria, esperam pela «sua vez», pela hora da sua «última chamada».

 

Tenhamos a coragem de afirmar que o país, e os seus políticos – sublinhe-se, com a nossa pacata benevolência -, abandonaram a ideia do desenvolvimento harmónico de todo o território nacional, com as consequentes desgraças que nos aconteceram e, infelizmente, vão continuar a acontecer, porquanto, o que mais interessa é o número de votos ganhos para o exercício do poder e não o país. Isto tem de ser dito com toda a clareza. E dureza. E principalmente apontar o dedo acusador àqueles políticos que, oriundos do interior, uma vez na capital do reino, facilmente se esqueceram do berço e das berças, embalados pelo canto da sereia das promessas da boa vida na capital. E das benesses do poder…

 

Foram quarenta e tal longos anos depois do 25 de Abril a se esquecer completamente esta realidade. Ou seja, não fomos capazes não só de ordenar como também de desenvolver, como um todo, o nosso país. O Poder Local é seguro que fez obra. E muita, diga-se. Mas, o mesmo, só por si, é (foi) completamente incapaz de reverter esta situação - a de profunda depressão em que o interior do país ficou mergulhado.

 

Por isso, o nosso presidente Nuno Vaz não tenha ilusões! Não há desenvolvimento territorial  que se cumpra e, consequentemente, territórios desenvolvidos, sem a presença dos dois eixos  (abertura ao exterior e coesão interna) e de quatro pilares (inovação, redes, aprendizagem/learning e governância), conforme figura abaixo se apresenta.

 

Grafico.png

 

 

Os dois eixos convergem num vértice, para aquilo a que chamamos «Densidade Institucional», como a capacidade dos atores e agentes locais, individuais e coletivos, das mais diversas índoles, se articularem, harmoniosa e empenhadamente, para, em cada setor, desde o económico ao cultural, para as diferentes tarefas do desenvolvimento.

 

Este é o modelo que há anos vimos defendendo e que, particularmente, nesta rubrica, temos reiteradamente referido e enfatizado.

 

Podemos – o que duvidamos - ter tudo o que está representado no esquema acima. Mas, o que nos parece não ter, é um aspeto muito importante  – Densidade Institucional!

 

Onde param as gentes e particularmente as elites da nossa região?...

 

Quem e onde elas desenvolvem?...

 

Estranhamos na entrevista de Nuno Vaz que não tenha feito qualquer referência ao nosso mundo rural. Chaves, como centro de atração dos seus territórios de vizinhança foi historicamente grande, enquanto âncora, suporte  desse mundo. Quando esse mundo começou a desmoronar-se, Chaves também começou a soçobrar, a perder o seu protagonismo no contexto sub-regional em que se insere.

 

Sinceramente, não acreditamos que seja apenas a água, nas suas mais diferentes valências e vertentes, que nos fará mudar de situação, voltando a ser protagonistas no contexto de uma região deprimida e de uma sociedade global em que nos inserimos.

 

A atratividade de Chaves não está apenas neste recurso, obviamente muito importante, por mais polivalências que tenha. Está nas suas gentes. E gente, repete-se, é o que nos falta!

 

E como podemos concitar desenvolvimento se mesmo a própria cidade está perdendo – ou se esquecendo – dos elementos fundamentais da sua própria identidade. Elementos esses com os quais se identificava e deveria valorizar e aperfeiçoar no contexto da sociedade em que vivemos, porque verdadeiramente diferenciadores dos demais?

 

Temos uma cidade atrativa suscetível de fazer deslocar para o seu seio, para o seu interior, juventude e conhecimento suficiente para criar e desenvolver a economia digital que aí está?

 

Onde estão os espaços públicos que mostrem esses elementos diferenciadores da sociedade que somos no contexto da sub-região em que nos inserimos?  Não basta apenas a História e nos vangloriarmos dela. É fundamental lhe dar Vida!

 

Por exemplo, demos uma volta atenta à cidade de Bragança – a periferia das periferias do nosso interior. Talvez, uma avisada observação nos ensine alguma coisa. Nomeadamente,  como fazer, como cerzir e ordenar uma cidade com os elementos, verdadeiramente culturais e autenticamente identificadores, da região a que preside. Dá gosto ver, passear e apreciar os espaços públicos e a escultura urbana, por eles espalhada,  verdadeiros perfis definidores daquilo que os bragançanos (ou brigantinos) são; o orgulho que têm e donde provêm.

 

Onde estão, em Chaves, os serviços e atividades culturais que prendam os quadros das futuras(?) empresas e serviços de ponta, a instalar? Que educação fazemos, na população em geral, levando-a a esses novos espaços?

 

Não basta apenas construir infra-estrurras culturais. É necessários dinamizá-las com atividades sociais e culturais de ponta, em parceria, e em rede, com instituições de prestígio nacional e internacional, catapultando e exponenciando o capital, a valia e o potencial cultural que Chaves tem. Onde estão os homens – os verdadeiros homens – da cultura em Chaves? O que temos feito para Chaves ser uma cidade da cultura que, ao longo dos anos, tanto propagandeamos?

 

Onde estão os serviços de educação capazes de concitar a vinda de jovens para a nossa região e que os faça pensar que vale a pena viver aqui, pois temos serviços de educação condignos e que, no futuro, com seus filhos não terão gastos ou encargos insuportáveis para os por a estudar, como hoje acontece, quando os serviços de educação, fundamentalmente de cariz superior, estão maioritariamente instalados no litoral, com os preços de habitação e quartos verdadeiramente astronómicos para os seus orçamentos familiares?

 

Não nos venham falar nos protocolos com a Cruz Vermelha e com o Politécnico de Bragança. Por muito boa vontade que tenham, não têm, em si, sinergias suficientes de, em Chaves, criarem uma verdadeira Academia, um verdadeiro Polo de Formação Superior e um verdadeiro Centro de Investigação, de que tanto carecemos, para as tarefas específicas do nosso próprio desenvolvimento, dando também contributos para o país.

 

Quando uma Universidade, com vocação para servir uma vasta região, se transforma única e simplesmente numa universidade praticamente só de uma cidade, pela nossa parte, temos de olhar para o lado, sonharmos, arquitetarmos verdadeiros saltos que nos façam sentir que somos capazes. Que, como dizia um grande sonhador – que podemos!

 

Onde estão os serviços de saúde capazes de praticarem a tempo e horas, e com qualidade, os cuidados primários e de especialidade que todo o ser humano, desde a nascença até ao seu ocaso, têm necessidade? Se os queremos, temos de constantemente descer a A24 e a A7. Pouco ou quase nada sobe até nós!

 

A atratividade faz-se com isto e não apenas com capacidade empresarial instalada. Ousaríamos dizer até que não haverá verdadeiramente capacidade económica e empresarial sem estes requisitos (ou melhor, estes pré-requisitos) instalados. De qualidade!

 

Tocámos apenas por alto nestes três ou quatro temas. Porque nos parecem serem, em termos de atratividade, aqueles que nas alturas das verdadeiras decisões levam os decisores económicos, empresas e indivíduos, a investirem e se instalarem num determinado território. Os quadros, porque também sonham por um outro estilo de vida, diferente do que se vive nas grandes cidades e áreas metropolitanas, quando apostam em nós, injetando-nos sangue novo, criativo e inovador, é cuidando em tudo quanto para cima ficou dito que estão a (irão) pensar.

 

Está bem o senhor presidente da Câmara de Chaves em ouvir as pessoas nas alturas das decisões que interessam à cidade e ao concelho.

 

Mas gostaríamos de aqui recordar: mais que dar conhecimento e aceitar contributos, é necessário que os cidadãos flavienses sejam partícipes da sua própria mudança!

 

Por isso, se é bem certo que é preciso estar bem acordado, também não é menos verdade que é do sonho, da utopia, que nasce a vontade de transformar as coisas e o mundo.

 

Na nossa modesta opinião, é este o pequeno/grande salto que falta dar em Chaves.

 

Seremos todos nós capazes de transformar o estado de coisas a que chegámos?...

 

Já várias vezes vimos afirmando que não acreditamos em homens providenciais. Tal postura pode até representar um perigo para a vivência democrática. Acreditamos, sim,  em líderes que, arregaçando as mangas, sejam capazes de, em conjunto, transformarem o mundo e a sociedade em que vivemos.

 

Sem uma sociedade e/ou comunidade verdadeiramente empenhada no trabalho da sua transformação, não há desenvolvimento que verdadeiramente apareça.

 

Não façamos simulacros de democracia. Tenhamos coragem, como representantes do povo que nos elegeu, de convidá-los à participação e construção do nosso futuro, acrescentando à democracia representativa aquela que, nos primórdios da Grécia Antiga, se viveu em Atenas – a participativa, verdadeiramente empenhada na construção da nossa polis.

 

António de Souza e Silva

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes