Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

04
Jul14

Discursos Sobre a Cidade - Por Francisco Chaves de Melo

 

O Preço da Independência.

 

“Alguém não te convidou para um banquete? Compreende-se: foste tu quem não deu a quem te convidou o preço justo pelo convite. Terias sido convidado se fosses liberal em cumprimentos, em louvores, em palavras de felicitação - e se, também da tua parte, delicadeza e cortesia não escasseassem. Se vantagem há para ti, tens de retribuir o convite com o pagamento da tua maneira de ser gentil. Mas se tens intenção de nada pagar e receber, então não passas de um sôfrego - e de um tolo.

 

Nada tens que possa substituir o banquete? Tens: contente ficaste por não ter elogiado quem tu não desejavas - e exposto não ficaste às insolências de quem controlava as entradas para o banquete.”

Epicteto, in 'Manual

 

Serve a propósito de na última cerimónia pública em Chaves, porque o protocolo municipal deixou de fora, e ao alto, os membros da Assembleia Municipal eleitos. Tanto mais incómoda foi a indelicadeza, quanto os discursos foram longos. É claro que tinham que ser longos, face ao relevo da homenagem a prestar.

 

Já os eleitos das freguesias, muito sobe a asa do atual presidente, alguns até correligionários de última hora foram, como deve ser, reverenciados com o relevo que lhes é devido.

 

Não digo que tudo isto não passa de preocupações provincianas, de terras pequenas, atávicas, de munícipes que ao invés de alimentarem rasgos de lucidez e de grandeza e crescimento, se sacrificam a considerações relativas a saber quem deve estar sentado ou de pé. De quem está sentado na primeira fila ou ao pé de quem, ou ainda se ficou nas orlas.

 

É claro que a pequenez dos poderes da nossa província, na falta de conteúdo, de fecundas ideias para a resolução dos graves problemas que afetam o concelho, nos quer distrair com parvoeiras e festas sobre glórias ou grandezas passada, como quem quer viver de heranças ou do rendimento deixados pelos pais já ausentes.

 

É assim esta gestão, os principais desideratos são as termas romanas, orgulho de residentes que já morreram há séculos, também a fundação Nadir Afonso que, a materializar-se, apenas acontece após a morte do pintor, ou a grandeza antiga de um Marechal, o último de Portugal, nascido na nossa terra.

 

Esta presidência municipal quer viver do passado, dum passado que não é o seu. Não é por acaso, pois, o futuro, fruto da despesa inútil e irresponsável dos mandatos exercidos nos últimos 12 anos, está comprometido.

 

Devem milhões!

 

Digo, devemos milhões, e agora vamos pagá-los, nem que seja com sacrifício do nosso pecúlio, da nossa esperança!

 

É por tudo isto que fico satisfeito por não ter elogiado quem não desejava. Por não me ter exposto às insolências de quem controlava as entradas para o banquete.

 

Agora querem que atribua honras a quem mal honrou o concelho!

 

Francisco Chaves de Melo

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Fer.Ribeiro

      Pois não sei, mas posso tentar saber.

    • Anónimo

      O post está muito bom. Já agora aproveito para per...

    • TELMO A.R.RODRIGUES

      Cara amigo Luis Sancho o meu é Telmo Afonso R. Rod...

    • Anónimo

      Parabéns pelo seu trabalho, que é de louvar. Sobre...

    • Anónimo

      Gostaria imenso de obter a genealogia da família A...

    FB