Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

15
Jan15

Factor Humano, por Miguel Cunha (Pité)

1600-cab-mcunha-pite

 

O tema do “Homem Novo” tem andado arredado das reflexões e das discussões no Século XXI.

 

Há múltiplas razões para isso e, sem querer ser exaustivo, refiro:

 

a. O colapso dos “países de Leste”, associado à noção de que, naquele período e naqueles países, pouco resultados se obtiveram no desenvolvimento do tal “Homem Novo”

 

b. O medo de que a criação do tal “Homem Novo” envolvesse mecanismos de manipulação da mente.

 

c. O medo de que o “Homem Novo” implicasse uma diminuição da individualidade e uma uniformização/massificação das consciências.

 

d. A tese do triunfo do individualismo, da inevitabilidade e da eternidade do modelo capitalista da sociedade.

 

A mim sempre me pareceu que o futuro a médio/longo prazo, desta nossa Humanidade, pressupõe que a mentalidade e a forma de agir dos seres humanos têm de se modificar de forma substancial. Ainda mais após a degradação a que assistimos nas últimas décadas.

 

De forma sucinta, o crescimento populacional e a revolução tecnológica, com a gigantesca capacidade produtiva em quantidade e em qualidade, criaram uma situação radicalmente nova. Mais ainda quando a globalização e a circulação de informação expõem de forma gritante as desigualdades existentes. Desde a área da saúde, com resultados notáveis, mas restritos na maioria dos países a uma elite, até à escassez de água para tantas pessoas. Desde o desenvolvimento de telemóveis, computadores e afins que se tornam rapidamente obsoletos, numa espiral de consumismo e gasto de recursos insustentável.

 

Imaginamos um mundo, em que a poluição per capita fosse a mesma da dos EUA? É que esse mundo não pode existir.

 

Portanto, é inevitável mudarmos as mentalidades, os comportamentos, as formas de vivermos. Sob pena, da inviabilidade do nosso Planeta.

 

E isto implica ou não a noção de um “Homem Novo”? Para mim sim.

 

Sem prejuízo de voltar no futuro e neste blogue a este tema, deixo aqui algumas pistas.

 

Uma das fontes de inspiração, ainda está ao nosso alcance, na nossa região. É o espirito comunitário, de entreajuda, de partilha, de encontro, que permitiu a sobrevivência das nossas gentes, em condições tão agrestes, mas tão recentes. Se repararmos, dificilmente encontramos entre “os de cima”, este espirito. Nos patrões, nos gestores, nos governantes e em todos os que não o sendo sonham com isso, encontramos competição, egoísmo, inveja: “O mundo deve ser para os melhores”.

 

É a frase feita, mas nem por isso menos verdadeira, de que o ser tem de prevalecer sobre o ter. Mas também o reconhecimento que a esta frase tem de corresponder uma praxis em acordo. Sob pena de gastarmos as energias.

 

É na educação, voltarmos a centrar no professor e nos alunos o essencial das questões. Ensinar a aprender e ensinar que o saber não tem que ter necessariamente uma utilidade material palpável. Apostar na criatividade e nas artes, e retornar às humanidades. Redignificar a prática da educação física, como parte integrante e indispensável da nossa formação.

 

É na saúde voltar à noção antiga do médico como o cuidador, englobando nesta noção todos os profissionais de saúde. Voltar ao doente como um todo e não como um “saco de doenças”. Mais humanismo e surpreendam-se … menos despesas.

 

É reconstruirmos a capacidade de comunicar, de dialogar, de brincar, de nos ouvirmos, de nos emocionarmos. Sem fugirmos do contacto físico e directo.

 

É a imperiosidade de voltarmos a ter tempo. Sim, não é pecado que trabalhássemos menos horas e que houvesse trabalho para todos. E houvesse tempo para todos. Tempo para tudo ou para nada, sem pressas. Tempo para os afectos, tempo para a família e os amigos.

 

O meu medo é que venha a troika e diga que não senhor, que assim não poder ser, porque não é economicamente viável… e que aliás os juros do tempo andam muito altos.

Mas eu, até pela noção de que este tema merece muito mais reflexão e mais escrita, não desisto de a ele voltar.

 

Manuel Cunha (Pité)

 

 

Sobre mim

foto do autor

320-meokanal 895607.jpg

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

.17-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • HPombo

      A funcional beleza de certas geringonças... Queira...

    • Anónimo

      Quem te viu e quem te vê.

    • mitologia

      Ah, será então este um daqueles casos em que o nom...

    • Fer.Ribeiro

      Olá Gabriel, obrigado pelo seu comentário. Espero ...

    • Fer.Ribeiro

      Obrigado pelo seu comentário. Quanto às duas chave...

    FB