Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

27
Set18

Flavienses por outras terras

Banner Flavienses - 1024 x 256 (1)

 

Carlos Pires

 

Nesta crónica do espaço “Flavienses por outras terras” continuamos pelos arredores de Lisboa. Depois de Oeiras, onde encontramos a Lia Moreira, na publicação anterior, vamos agora até à Amadora para conhecermos o Carlos Pires.

 

Cabeçalho - Carlos Pires - 1024 x 400 (1).png

 

Onde nasceu, concretamente?

Nasci em Chaves, no antigo Hospital da Santa Casa da Misericórdia, e vivi a minha infância, adolescência e juventude (até aos 21 anos) no Bairro dos Codessais, na freguesia da Madalena, Chaves.

 

Nos tempos de estudante, em Chaves, que escolas frequentou?

Frequentei o “ensino primário” na Escola do Caneiro, o “ciclo preparatório” nas instalações do Forte de S. Francisco, o 7º e o 8º ano na Escola Secundária Dr. Júlio Martins e do 9º ao 12º ano na Escola Secundária Fernão de Magalhães. Posteriormente, frequentei a Escola do Magistério Primário de Chaves, entre 1985 e 1988.

 

Em que ano e por que motivo saiu de Chaves?

Saí de Chaves para passar a viver em Lisboa, em 1991, a fim de garantir uma maior estabilidade profissional.

 

Em que locais já viveu ou trabalhou?

Para além de ter vivido em Chaves, já morei em S. Domingos de Benfica, Lisboa, e vivo atualmente na freguesia Encosta do Sol, na cidade da Amadora. Exerci atividade profissional em Chaves, Valpaços, Amadora e, a maior parte do tempo, em Lisboa. Também cumpri o serviço militar na Escola Prática de Cavalaria de Santarém e no Regimento de Cavalaria de Braga.

 

Diga-nos duas recordações dos tempos passados em Chaves:

Os movimentos juvenis em que participei muito ativa e intensamente e as rádios locais/regionais com as quais colaborei.

 

Proponha duas sugestões para um turista de visita a Chaves:

Os monumentos (Ponte Romana, Igrejas Matriz e da Madalena e Castelo) e o Centro Cultural Nadir Afonso; a fabulosa gastronomia regional e a imprescindível visita à Adega do Faustino. 

 

Estando longe de Chaves, do que é que sente mais saudades?

Não sou saudosista, apesar de gostar muito de Chaves e de ter muito orgulho em ser Flaviense.

 

Com que frequência regressa a Chaves?

Três/quatro vezes por ano.

 

O que gostaria de encontrar de diferente na cidade?

Gostaria de ver mais empenho e resiliência na dinamização cultural e na promoção do turismo cultural e rural.

 

Gostaria de voltar para Chaves para viver?

Sim, mas não de forma definitiva e permanente e sem compromissos profissionais.

 

 

 

O espaço “Flavienses por outras terras” é feito por todos aqueles que um dia deixaram a sua cidade para prosseguir vida noutras terras, mas que não esqueceram as suas raízes.

 

Se está interessado em apresentar o seu testemunho ou contar a sua história envie um e-mail para flavienses@outlook.pt e será contactado.

 

 

Rostos até Carlos Pires - 1024 x 803 (1).png

 

Mapa Flavienses por outras terras.jpg

 

 

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

Olhares de sempre

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    • Anónimo

      Fartei-mede rir quando li a estória do sr.Taveira ...

    • Anónimo

      Julia, O meu voto vai para a Igreja da Misericordi...

    • Anónimo

      Hoje, dia 12 de Outubro de 2018, acabo de ler este...

    • Anónimo

      https://m.youtube.com/watch?v=glT3deDW0_o

    • Anónimo

      Olá Fábio, Gostava muito de lhe oferecer um livro ...