Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

CHAVES

Olhares sobre a cidade de Chaves

O Barroso aqui tão perto... A água

10.04.16 | Fer.Ribeiro

1600-vilarinho de negroes (16)

 

montalegre (549)

 

Seguindo a metodologia das nossas últimas “incursões” sobre o Barroso, hoje, deveríamos ter aqui a aldeia de Gralhas, mas não vamos ter, pois vai ficar adiada por mais uma semana, isto porque não tivemos tempo de ir à procura de “literatura” sobre esta aldeia.

 

1600-padroso (7)

 

Mas não só por essa razão, mas também porque de vez em quando gostamos de variar e sair daquilo que está definido, entrando por exemplo no Barroso das paisagens ou, como no caso de hoje, das paisagens e da água. Sim, da água, esse bem tão precioso que o Barroso tem com abundância. Muita e boa água, o que hoje em dia já vai sendo coisa rara.

 

1600-firvidas (41)

 

E em questões da água há coisas curiosas. Quando fomos por Solveira falei-vos do rio que corria ao contrário. Pois seguindo as leis da física, deveriam ser as terras mais baixas a ter mais água. Em parte isso é verdade, pois é nas terras mais baixas que as águas das chuvas e das nascentes se vão concentrando em rios, que correm para terras ainda mais baixas e que pelo caminho vão engrossando ao receberem novas águas e afluentes vindos de outras paragens. Mas, é nas terras altas, nas montanhas e serras que os rios nascem e as nascentes são uma constante.

 

1600-sezelhe (9)

 

Mas não será a física a melhor ciência para compreendermos porque as nascentes e os rios nascem nas terras altas, montanhas e serras. Talvez se tenha de deitar mão a outra, ou outras ciências, para melhor entendermos esse porquê. A geologia e a geografia poderão esclarecer melhor o “fenómeno” que é da física, ou seja, dos vasos comunicantes.

 

1600-criande (12)

 

Pois hoje em imagem fica a água, toda ela nascida no Alto Barroso e que são pertença de três rios, entre outros – o Cávado nascido no Larouco, o Rio Rabagão nascido entre a Serra do Larouco e a Serra do Barroso mas também o Rio Beça, que nasce próximo de Sarraquinhos e que acaba por ser afluente do Rio Tâmega. Mais um reforço para aqueles que como eu defendem que um dos limites do Barroso é no Rio Tâmega. Assim, em imagem ficam (aldeias mais próximas) – Criande, Firvidas, Padroso, Sezelhe e Vilarinho de Negrões.