Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

CHAVES

Olhares sobre o "Reino Maravilhoso"

03
Fev20

O Barroso aqui tão perto - Pisões

Aldeia e Barragem

1600-pisoes (261)

montalegre (549)

 

O nosso destino de hoje é a aldeia de Pisões. Claro que quando falamos em Pisões, logo a primeira imagem que temos é a da barragem do Alto Rabagão, mais comummente conhecida por barragem dos Pisões. Daí, este post vai ser dedicado à aldeia, mas também um pouco à barragem. Não um post completo como inicialmente tinha pensado, mas um post como habitualmente temos vindo a fazer com as restantes aldeias de Barroso. O post completo sobre a barragem, ficará para mais tarde.

Falar sobre a aldeia dos Pisões não é coisa fácil, bem procurei documentos antigos sobre o local, mas sinceramente, os mais antigos que encontrei, referem-se todos aos finais dos anos 50 do século passado, ou seja, apenas referência aos Pisões já na era da construção da Barragem.

 

1600-lama-da-missa (254)

 

Na ausência de documentos disponíveis e falta de tempo e meios para ter acesso a outros que me poderiam esclarecer, arrisco, e pode ser pura ignorância minha, mas tudo me leva a crer que a aldeia dos Pisões não existia antes da construção da Barragem. A verdade é que as barragens acabam por ocupar as terras mais baixas em ambas as margens dos rios, terras que geralmente são agricolamente ricas e a esses fins destinadas, erguendo-se os aldeamentos em terras mais altas. Encontrei no entanto, na monografia de “Barroso” e na “Toponímia de Barroso” dados que parecem corroborar esta minha afirmação, quando lá se refere “ (…)as gigantescas albufeiras ocuparam alguns dos nossos melhores vales de cultivo e de forragens (…)”  E “(…) Agora chama-se Pisões por influência dos muitos trabalhadores de fora parte que ao local se dirigiram e aqui residiram por vários anos na construção da barragem. Para os barrosões sempre foi apenas Pisão.”

 

1600-pisoes (296)

 

Ora de Pisões para Pisão a diferença é enorme, quando muito, o Pisão teria uma ou duas construções destinadas, tal como o nome indica, a ter um pisão, que esses sim, tal como os moinhos de água, também se localizavam junto a rios e ribeiros para o funcionamento do pisão. Mas também se pode dar o caso de ser uma pequena aldeia, pelo menos, nas minhas pesquisas tropecei com uma pequena aldeia cujo topónimo é Pisão, mais propriamente a aldeia de Pisão, do concelho de São Pedro do Sul, distrito de Viseu. Mas não me parece que tal acontecesse neste pisão do rio Rabagão.

 

1600-pisoes (298)

 

Partindo então desse princípio de que a aldeia dos Pisões nasce com a construção da barragem, podemos dizer que é uma aldeia sem história antiga, pois a sua história é bem recente, começando em 1958, data em que é projetada a Barragem do Alto Rabagão. Aliás mesmo que tivesse existido uma aldeia antiga, a mesma deixou de existir. De facto,  aldeia dos Pisões de hoje, é a que resultou da construção da barragem, parte do seu casario ainda hoje existente, foi aquele que foi construído para albergar alguns dos 15.000 trabalhadores que durante 8 anos andaram na construção da barragem, altura em que na prática existiu uma pequena cidade de apoio, com residências dos trabalhadores mas também muitos outros edifícios de apoio a essa mesma população laboral mas também para os seus familiares, como escola, hospital, igreja, lojas de venda, laboratórios, armazéns, etc., o típico num estaleiro de uma construção da envergadura destas, como o foi a Barragem dos Pisões (a maior barragem portuguesa até aparecer a de Alqueva), mas  também equipamentos para diversão, como  bares e um cinema.

 

1600-pisoes (27)

 

Pois dessas construções apenas as residências dos trabalhadores das duas classes que por lá se estabeleceram resistiram até hoje, por um lado todo o pessoal operário que ocupou construções mais humildes, construídas do lado inferior da EN 103, por outro lado, os engenheiros, doutores e chefias, em moradias construídas no lado superior da EN103, onde foi também construída uma estalagem ainda hoje existente.

 

1600-pisoes (227)

 

Antes de avançar acho que devo deixar aqui uma pequena nota explicativa, aliás é uma nota que há muito, talvez desde o início da feitura destes posts dedicados às aldeias de Barroso, que deveria ter deixado aqui. Como bem poderão reparar durante o decorrer deste post, desta parte de cima da aldeia que atrás mencionava, a das vivendas para pessoal que trabalhou na barragem, não deixo aqui qualquer imagem, tal como nas restantes aldeias de Barroso não deixo imagens das construções e bairros recentes, e porquê!? Ora a resposta é simples, é que esse tipo de construções são iguais ou muito semelhantes às construções que há por todo o lado, tanto faz serem do Barroso, como do Douro, como do litoral, como do Alentejo ou em cascos de rolha, ou seja, não são características de uma região, neste caso do Barroso e daí desinteressantes para este tipo de publicações. Vou mais pelas construções típicas da região, que mesmo remodeladas ou reconstruídas, mantêm algumas das suas características originais, ou são mesmo originais e únicas, que só nessa região existem, no caso do Barroso, acontece por exemplo com os fornos do povo ou a casa do boi do povo no Alto Barroso, tal como acontece com a capa de burel no vestuário.  

 

1600-pisoes (314)

 

Deixo, no entanto, em imagem, as habitações mais humildes que eram destinadas ao pessoal operário, embora da mesma época das vivendas e não seguindo, ou não tendo as características das construções tradicionais do Barroso, não deixam de ser interessantes do ponto de vista arquitetónico, pelo menos no seu conjunto, nestas soluções que se encontravam de em pouco espaço conseguirem fazer habitações, garantindo condições mínimas de habitabilidade, apenas as necessárias ou nem isso. Basta dizer que uma vivenda da parte superior da estrada, está implantada num lote de terreno com mais ou menos 1000m², área que na parte inferior da estrada é ocupada por 6 habitações.

 

1600-pisoes (30)

 

Hoje em dia, para além dessas construções atrás referidas e algumas instalações ligadas ao funcionamento da barragem, apenas existem algumas ruinas, poucas, dispersas pelo espaço da “pequena cidade” que por lá existiu, tal como testemunham as fotografias seguintes que consegui extrair de um filme da época:

 

 

Assim pouco ou mais nada há a dizer sobre a aldeia dos Pisões, apenas referir que existe uma nova aldeia, com ambas as partes (a de cima e a de baixo da EN103) ainda habitadas, não sei se por pessoas que trabalham na barragem e se, e mesmo, por antigos trabalhadores do tempo da construção da barragem, ou seus descendentes, não sei.

 

1600-pisoes (320)

 

 Quanto à barragem do Alto Rabagão ou se preferirem, dos Pisões, foi projetada em 1958 e concluída/inaugurada em 1964, foi o primeiro aproveitamento construído em Portugal com o objetivo principal de regularização interanulai, represando água em anos húmidos, para aproveitá-la na produção de energia em anos secos.

Esta barragem foi também a primeira a ser dotada com equipamento de bombagem (grupos ternários, turbina-alternador-bomba), destinado a elevar, para a sua albufeira, água da albufeira de Venda Nova, localizada imediatamente a jusante e que já estava em funcionamento desde 1951.

 

1600-pisoes (29)

 

A barragem do Alto Rabagão localiza-se na bacia hidrográfica do rio Cávado sendo uma das oito barragens que constituem o sistema hidroelétrico Cávado-Rabagão-Homem. Este sistema é constituído pelas seguintes barragens: Alto Rabagão, Alto Cávado, Paradela, Venda Nova, Salamonde, Caniçada, Vilarinho das Furnas e Penide – situadas nos rios Cávado, Rabagão e Homem. As albufeiras que alimentam as centrais do sistema têm uma capacidade de armazenamento total de 1 121 hm3 , dos quais 65% correspondem à albufeira do Alto Rabagão.

 

1600-pisoes (309)

 

A albufeira do Alto Rabagão, tem 94m de altura, apresenta um comprimento de cerca de 10 km, e uma largura que varia entre os 2 e os 4km, mais de 50km de perímetro e inunda uma área de 2 224 ha, ao Nível de Pleno Armazenamento (NPA), que é de 870.8 m, e tem uma capacidade total de armazenamento de 568.7 hm3 .

 

1600-pisoes (209)

 

Na página do município da Internet, podemos ler o seguinte (as notas de rodapé são nossas)

 

(…) Uma obra classificada como uma das mais notáveis da engenharia nacional. O presidente da Câmara Municipal de Montalegre lembra que estamos perante um investimento que foi «planeado e pensado por técnicos nacionais». Orlando Alves afirma: «foi durante muitos anos a maior barragem do país. Só recentemente fomos superados pela barragem do Alqueva e não temos complexo nenhum em ser a segunda porque durante muitos anos fomos a primeira».

 

1600-pisoes (2)

 

E continua:

A história relata que 15.000 pessoas trabalharam em torno da construção da barragem dos Pisões. Um número gigantesco[i] que impressiona e que serve para avaliar o impacto que este investimento representou para Portugal[ii]. O autarca lembra que estamos perante um «potencial hidráulico e energético que a região tem e que foi sabiamente explorado pela EDP».

Sem se deter, o presidente do município puxa pela memória para partilhar: «lembro-me da construção da barragem dos Pisões e do impacto social que teve. Era uma pequena cidade, tinha tudo: cinema, igreja, hospital, médicos, diversão e muita animação». Foi, reforça, «um dos momentos mais ricos da vida recreativa e social em todo o território barrosão».

 

1600-pisoes (31)

 

E continua:

PEDIDOS DO PRESIDENTE

Orlando Alves aproveitou a efeméride para lançar alguns pedidos à EDP: «o reposicionamento da brigada de intervenção que sempre aqui existiu... não faz sentido nenhum retirá-la porque isso atrasa as intervenções, deixando as nossas populações por vezes dias e dias sem eletricidade. Um outro pedido foi refazer-se um ou dois pisões em Montalegre. Trata-se de um equipamento pré-industrial que existia, de trabalhar o burel, esse elemento toponímico que deu o nome à terra. Faria todo o sentido a EDP ver a sua dinâmica interventiva ligada á recuperação deste património tão identitário da nossa terra».[iii]

 

1600-pisoes (253)

 

No que respeita à obra, continua assim: 

O aproveitamento hidroelétrico do Alto Rabagão é formado pela pequena barragem do Alto Cávado[iv], localizada na parte alta do rio Cávado, e pela barragem do Alto Rabagão, localizada no seu afluente da margem esquerda, o rio Rabagão. Com nascente entre as serras do Barroso e do Larouco, atravessa todo o concelho de Montalegre ao longo de 37 quilómetros. O corpo da barragem do Alto Rabagão, também conhecida por Pisões, possui secções distintas, uma no centro, com uma cúpula parabólica assimétrica, e duas laterais, em perfil gravidade, desenvolvendo-se ainda com um coroamento de 1.970 metros e uma altura máxima de 94 metros.

 

1600-pisoes (279)

 

E continua:

A pequena barragem do Alto Cávado, do tipo gravidade, com 26 metros de altura e um coroamento de 220 metros, origina uma albufeira de derivação, que encaminha os caudais do rio, através de um túnel de 5km, para a grande albufeira do Alto Rabagão. Em situação de afluências de maior intensidade, o seu descarregador, em lâmina livre, permite uma passagem do caudal diretamente para o rio Cávado. Junto à barragem principal encontra-se a central subterrânea, que comporta os dois grupos turbina-alternador-bomba, verticais, de 45 MVA cada. [v]

 

1600-pisoes (218)

 

E ainda:

As bombas são acopláveis aos veios dos grupos, por meio de um dispositivo tipo embraiagem, e possibilitam a bombagem da água da albufeira de Venda Nova para a do Alto Rabagão. O edifício de comando estabelece a comunicação com a central através de um poço com 130 metros de profundidade. Adjacente a este edifício localiza-se a subestação exterior, com dois transformadores principais de 45 MVA cada e uma linha de 150 KV sobre o barramento simples, a qual permite a entrega à rede da energia produzida.

 

1600-pisoes (300)

 

Ainda a respeito da Barragem do Alto Rabagão ou Pisões, para ficarmos com uma pequena noção ou referência da sua dimensão, há a referir que confronta com 5 freguesias (Chã, Cervos, Morgade, Negrões e Viade de Baixo/Fervidelas) e com  13 aldeias: Chã/S.Vicente, Aldeia Nova, Criande, Morgade, Negrões, Vilarinho de Negrões, Lama da Missa, Pisões, Friães, Viade de Baixo, Parafita, Penedones e Travassos da Chã. Destas as que entram quase pela barragem adento quando a barragem está no seu limite de capacidade são Criande e Morgade, Negrões e Vilarinho de Negrões, nesta última aldeia, a água da barragem chega mesmo a tocar em algumas casas.

 

1600-pisoes (186)

 

Vamos agora àquilo que se diz sobre os Pisões na monografia  “Montalegre”. As notas de rodapé continuam a ser nossas.

 

Ainda antes de passarmos às transcrições, ficámos também a saber pela monografia da existência de um castro numa das elevações que emerge logo após a barragem sem as águas o atingirem, onde existem ainda vestígios de construções, trata-se do castro de S.Vicente.

 

Agora sim, as citações da monografia “Montalegre” a respeito da aldeia e da barragem:

Para além do Parque Nacional a natureza continua presente em Barroso. Nos grandes planaltos nascem os rios, como é o caso: na segunda maior serra nacional – o Larouco, nasce o segundo maior rio nacional – o Cávado; ali bem perto nasce o Regavão[vi] e logo ao lado o Beça – três rios extremamente ricos que a administração pública alienou prejudicando os montalegrenses: neles se fizeram enormes barragens para fornecer energia aos grandes centros e às zonas industrializadas mas o fornecimento de energia que nos reservaram é deplorável; depois, via Serviços Florestais e Aquícolas, lançaram nas nossas águas espécies assassinas de peixes que levaram à extinção os maravilhosos e incomparáveis escalos e trutas indígenas; as gigantescas albufeiras ocuparam alguns dos nossos melhores vales de cultivo e de forragens. Enquanto isso, o barrosão emigra…e “come o pão que o diabo amassou pelo mundo além”! Agora vem aí outra “agressão” se os homens bons desta terra (a começar pelo Presidente da Câmara) se não acautelarem!...A mãe de todas as barragens barrosãs – a Barragem de Pisões – vai dar água a metade do distrito de Vila Real! Primeiro ficámos sem os campos, agora pagamos a energia (fraca e incerta) tão cara como os mais e, mais tarde, nem campos, nem peixes, nem água!!! A ver vamos!

 

1600-pisoes (24)

 

E continua:

O granito de cada zona (a carta geológica refere como principais tipos o de Montalegre - Pondras-Borralha, o de Vila da Ponte, o de Parada, o de Pisões, o de Telhado, e o granitoide de Seselhe) era o material de construção por excelência. Os telhados tanto podiam e podem ser de duas como de quatro águas. Mais de duas, geralmente com guarda-ventos. Hoje a cobertura é de telha; aliás, o colmo, no acto das debulhas que hoje se praticam, não sai em tão boas condições de ser utilizado como era antigamente.

 

1600-pisoes (157)

 

E continua:

Talvez nenhuma outra região europeia tenha tão perto e tão diferentes seis barragens à sua espera: Salamonde, Venda Nova, Paradela, Salas (Tourém), Seselhe e Pisões.Se é adepto das aventuras aéreas, procure a Papa-Ventos, associação que o acompanhará numas manobras de parapente ou asa-delta; se prefere as adrenalinas do pedal, coma bem para tentar fazer subidas iguais às da Torre ou da Senhora da Graça; se gosta do pedal das viaturas apareça nas manifestações de velocidade no nosso Autódromo; se quer paz no espírito e deliciar os olhos e o corpo todo, dê um mergulho nas piscinas naturais da Abelheira, no Parque Nacional.

 

1600-barroso XXI (154)

 

E ainda:

Há ainda pequenas associações culturais em vários pontos que são dignas de referência: a Borda de Água, em Salto, os Amigos das Barragens, em Pisões, e os centros paroquiais de Viade e Vila da Ponte com pequenos museus locais. Neste último há ou havia uma colecção de peças de trajo de finíssimo recorte e que merecia a atenção da administração pública pelo valor histórico, etnográfico e folclórico que carrega.

 

1600-pisoes (351)

 

Vamos agora à Toponímia de Barroso:

 

Pisão / Pisões

Do latino Pisone. Claro que não recuamos até esta forma que também foi antropónimo. No nosso caso é o maquinismo de pisar a lã na tecelagem artesanal e,  por sinal, arte antiquíssima. Pela forma intermédia pison, chegámos ao frequentativo pisoar, quando não apisoar, como o povo dizia. Agora chama-se Pisões por influência dos muitos trabalhadores de fora parte que ao local se dirigiram e aqui residiram por vários anos na construção da barragem. Para os barrosões sempre foi apenas Pisão.

 

1600-criande-pisoes (27)

 

E estamos a caminhar para o final deste post, mas ainda há tempo para deixarmos aqui o nosso itinerário para chegar à Barragem e aldeia dos Pisões, quase desnecessário, pois bastaria indicar-vos a estrada nacional 103 ou, se preferirem, a estrada de Braga até encontrarem a barragem. Ninguém, na passagem por ela lhe fica indiferente, graças à sua dimensão e companhia durante mais de 10 km. Pois bastava dizer – sigam pela EN103 até encontrarem a barragem, depois basta seguir sempre junto a ela até terminar e aí estarão na aldeia dos Pisões. Bastaria isso e é mesmo apenas isso que aqui vai ficar, bem como o nosso mapa.

 

1600-mapa-pisoes.jpg

 

Claro que quem quiser tornar mais interessante esta pequena viagem, poderá tomar outros itinerários, um deles via São Caetano, Soutelinho da Raia, Serraquinhos, Zebral, Barracão e outro via Boticas, Alturas do Barroso. Mais ainda, e tomando o primeiro itinerário por nós recomendado, poderá no Barracão, optar por abandonar a EN103 e ir até à aldeia dos Pisões via Criande, Morgade, Negrões, Vilarinho de Negrões, Lama da Missa. Aliás recomendo mesmo que se forem sempre pela EN103 até à aldeia dos Pisões, ou seja pela margem direita da barragem, no regresso, o façam pela margem esquerda, atravessando na ordem inversa as últimas aldeias atrás mencionadas. Vale a pena conhecer esse troço e passarão por uma das aldeias que foi candidata às maravilhas de Portugal - Vilarinho de Negrões.  

 

1600-pisoes (241)

 

E por último o vídeo do costume, com todas as fotografias da aldeia dos Pisões publicadas neste blog até à presente data, mas hoje, além das fotografias da aldeia, temos também fotografias da barragem e das aldeias implantadas à volta da barragem. Espero que gostem.

 

 

BIBLIOGRAFIA

BAPTISTA, José Dias, (2006), Montalegre. Montalegre: Município de Montalegre.

BAPTISTA, José Dias, (2014), Toponímia de Barroso. Montalegre: Ecomuseu – Associação de Barroso.

WEBGRAFIA

http://www.cm-montalegre.pt/

 

_______________________________________________________________________________________________________________________

[i] Um número gigantesco que ultrapassa a população atual do concelho de Montalegre que segundo os CENSOS de 2011 apenas tem 10 537 habitantes.

[ii] Impacto muito mais notório no concelho de Montalegre, principalmente ao nível de aumento da população durante os anos de construção da barragem.

[iii] Um pedido que faz todo o sentido e que bem poderia ser alargado ao tratamento e manutenção de todo o espaço ocupado por anteriores construções de apoio e estaleiro, onde inclusive há lixeiras a céu aberto e na demolição e remoção de escombros de alguns edifícios que por lá ainda existem em ruínas, ou então a sua reconstrução e aproveitamento para fazer, por exemplo, um museu da barragem. Com o preço a que nos vendem a eletricidade, bem poderiam largar algum, para além de “ficarem bem na fotografia”.

[iv] Suponho que seja aquela a que chamamos barragem ou albufeira de Sezelhe, localizada à aldeia com o mesmo nome, outra não poderá ser.

[v] Diz que conhece que por baixo destas barragens existe todo um mundo subterrâneo, incluindo estrada de ligação.

[vi] Para constar e salientar que não há erro nosso quando no post referimos rio Rabagão e barragem do Alto Rabagão, é assim que oficialmente se deve escrever. O autor da monografia “Montalegre” que por sinal também é o autor da “Toponímia de Barroso” é que insiste, em ambas as publicações, grafar nos seus escritos Regavão  em vez de Rabagão.

 

 

 

 

2 comentários

Comentar post

Sobre mim

foto do autor

Pesquisar

Sigam-me

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

 

 

15-anos

Links

As minhas páginas e blogs

  •  
  • FOTOGRAFIA

  •  
  • Flavienses Ilustres

  •  
  • Animação Sociocultural

  •  
  • Cidade de Chaves

  •  
  • De interesse

  •  
  • GALEGOS

  •  
  • Imprensa

  •  
  • Aldeias de Barroso

  •  
  • Páginas e Blogs

    A

    B

    C

    D

    E

    F

    G

    H

    I

    J

    L

    M

    N

    O

    P

    Q

    R

    S

    T

    U

    V

    X

    Z

    capa-livro-p-blog blog-logo

    Comentários recentes

    FB